A Digestão Extracelular


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


A Digestão Extracelular

Por Amara Maria Pedrosa Silva

O sistema digestório dos animais é a sede principal das transformações dos alimentos.

Pode ser completo (tubo digestivo dotado de duas aberturas: boca e ânus) e incompleto (tubo digestivo com uma única abertura – encontrado nos cnidários e platelmintos).

Em alguns grupos de animais o sistema digestório não termina no ânus, mas numa cavidade denominada cloaca. Possuem cloaca os peixes, os anfíbios, os répteis, as aves e os mamíferos monotremados.


O sistema digestório completo consta de um tubo digestivo e glândulas anexas.

O tubo digestivo dos mamíferos é constituído de boca, faringe, esôfago, estômago, intestino e ânus. O intestino apresenta duas porções: o delgado (6 - constituído de duodeno e jejuno-íleo) e o grosso (constituído de ceco, colo e reto).

As glândulas anexas são o fígado, o pâncreas e as glândulas salivares. O fígado apresenta um órgão em forma de bolsa (a vesícula biliar) onde fica armazenada a bile. Esse órgão possui um duto de desembocadura no duodeno (o canal colédoco) por onde a bile é eliminada no intestino.

As aves possuem uma dilatação no esôfago (o papo) onde o alimento é amolecido, e seu estômago possui duas porções: o proventrículo e a moela. No proventrículo ocorre a digestão química de proteínas e a moela faz o papel de dentes, triturando os alimentos. O papo é encontrado também em anelídeos e moluscos com a mesma finalidade: amolecer os alimentos.


Veremos como acontece a digestão extracelular nos seres humanos.


Após a mastigação, o alimento é deglutido. Na faringe, no esôfago, no estômago e nos intestinos ele é impelido pelos movimentos peristálticos, cuja ação é involuntária, controlada pelo sistema nervoso autônomo. Ao passar em órgãos como a boca, o estômago e o intestino, os alimentos sofrem ações químicas dos sucos digestivos.


Podemos dividir o processo químico da digestão em etapas que ocorrem em órgãos diversos com nomes diferentes: insalivação (ocorre na boca), quimificação (ocorre no estômago) e quilificação (ocorre no intestino).



-> Insalivação
o glândulas salivares – saliva
Ptialina ou amilase salivar – amido


-> Quimificação
o Estômago – suco gástrico
Pepsina
Renina
Ácido clorídrico


-> Quilificação
o Suco entérico
- Maltase
- Lactase
- Peptidase
- Lípase entérica
- Invertase (sucrase)


o Suco pancreático
- Tripsina
- Quimotripsina
- Nucleases
- Lípase pancreática
- Amilase pancreática

o Bile – fígado – não contém enzimas



Condições para a insalivação
-> Ação do sistema nervoso autônomo parassimpático, estimulando a secreção de saliva. Essa ação se faz por mecanismos reflexos: estímulo da visão, cheiro e gosto dos alimentos.

-> Valor ótimo de pH ao redor de 7,0; aproximadamente neutro.

-> Ação da saliva, que contém a enzima ptialina ou amilase salivar. Sob a ação da amilase, o amido hidrolisa-se, reduzindo-se a compostos de cadeia menor até chegar à maltose.



Amido + H2O ---> maltose



Condições para a quimificação
-> Ação do sistema nervoso. A visão, o cheiro e o sabor dos alimentos provocam uma reação do sistema nervoso que envia impulsos às células da parede do estômago para que este secrete o suco gástrico.

-> Ação do suco gástrico que contém essencialmente água, ácido clorídrico e enzimas.

-> A pepsina provoca o rompimento das ligações peptídicas entre os aminoácidos das proteínas, fragmentando-as em peptídeos.



Proteínas + H2O ---> peptídeos



A renina produz a coagulação das proteínas do leite permitindo que elas fiquem mais tempo no estômago para que a sua digestão seja mais completa.

O ácido clorídrico proporciona um pH ao redor de 2,0; que é um valor ótimo para a atividade da pepsina. Além disso, tem ação germicida, reduzindo a fermentação bacteriana.



Condições para a quilificação
O intestino delgado está separado do estômago por uma válvula de estrutura muscular denominada piloro. Sua primeira porção, de cerca de l5 cm de comprimento, é o duodeno, seguindo-se ao jejuno-íleo que se comunica com o intestino grosso. São as seguintes as condições para ocorrer a quilificação:

-> Valor ótimo de pH igual a 8,0. (O suco pancreático é rico em bicarbonato de sódio e tem efeito alcalino).

-> Ação do sistema nervoso autônomo, estimulando a secreção intestinal.

-> Ação hormonal. A ação das gorduras do quimo provoca a liberação da bile e do suco pancreático.

-> Ação dos sucos digestivos.



A bile, embora não contenha enzimas, possui sais biliares que facilitam a emulsificação das gorduras, favorecendo a ação das lipases sobre as gotículas de gordura da emulsão e a solubilização dos produtos finais da digestão, para que possam introduzir-se nos vasos linfáticos da mucosa intestinal.

A hidrólise das proteínas é catalisada pela tripsina e pela quimotripsina, enzimas do suco pancreático, que as transformam em peptídeos. Estes, hidrolisados pelas peptidases, convertem-se em aminoácidos.


Proteínas + H2O ---> peptídeos

Peptídeos + H2O ---> aminoácidos



O amido não digerido na boca, sob a ação da amilase pancreática, é transformado em maltose.

Os dissacarídeos (maltose, sacarose e lactose) são transformados em monossacarídeos.


Maltose + H2O ---> glicose + glicose

Sacarose + H2O ---> glicose + frutose

Lactose + H2O ---> glicose + galactose



As gorduras são inicialmente emulsificadas pela bile e, posteriormente, hidrolisadas pelas lipases entérica e pancreática que as transformam em ácidos graxos e glicerol.


Gorduras + bile ---> gordura emulsificada

Gordura emulsificada ---> ácidos graxos + glicerol




As nucleases catalisam a hidrólise de ácidos nucléicos, transformando-os em nucleotídeos.



A absorção dos nutrientes
Essa é a última etapa, consiste na penetração dos produtos da digestão através da mucosa intestinal.

Os produtos não aproveitáveis sofrem desidratação no intestino grosso, transformando-se num material pastoso e castanho denominado fezes, que é eliminado do organismo através da defecação.

Os monossacarídeos e os aminoácidos são absorvidos pela parede do intestino delgado e transportados pela corrente sangüínea aos vários tecidos.

Os ácidos graxos são absorvidos pelos vasos linfáticos.

A água, as vitaminas e os sais minerais não sofrem digestão, portanto são absorvidos integralmente pelos capilares sangüíneos.

Uma parcela da glicose absorvida é utilizada como fonte de energia na respiração; a outra parte é armazenada no fígado e nos músculos na forma de glicogênio.

Os ácidos graxos são utilizados em parte como fonte de energia; o restante é empregado na síntese de gorduras.

Os aminoácidos são utilizados para a síntese de novas proteínas, que podem formar estruturas celulares, pigmentos respiratórios, enzimas, hormônios, anticorpos e coagulantes sangüíneos.



Autor: Amara Maria Pedrosa Silva
Fonte: http://www.aprendaki.webcindario.com/textos/fisiologia.htm
Licença: Creative Commons License




Leia também! Assuntos relevantes.

Causas do socialismo
O Socialismo é uma teoria política e de organização social que defende a administração e a propriedade pública ou coletiva dos meios de produção e a d...

Inteligência Artificial
Expressão utilizada para designar a habilidade de quaisquer mecanismos artificiais que possam desempenhar, ainda que relativamente, atividades análoga...

Análise Combinatória Simples
Na matemática, utilizamos a análise combinatória para determinar as possibilidades de combinações. Por exemplo, se quisermos saber quantas combinações...

Doenças Sexualmente Transmissíveis
As doenças sexualmente transmissíveis (DST) correspondem a um grupo grande de enfermidades que podem ser passadas aos parceiros em relações sexuais se...

A Lógica Molecular da Vida
A Matéria Viva Composta por moléculas intrinsecamente inanimadas tal como a matéria não-viva! Assim, de onde vem a incrível diferença?? A Bioquímic...

Teorias sobre o povoamento da América
Malaio-Polinésia: afirma-se que através de embarcações primitivas o homem saiu da Malásia e fez escala em várias ilhas Oceania até chegar na América. ...

Mecenato
O Mecenato foi um período de intensa produção artística, que foi patrocinado por um grupo chamado Os mecenas, formado por pessoas ricas e influentes d...

Período Regencial Brasileiro
O Período Regencial Brasileiro Após a abdicação de D. Pedro I, o Brasil atravessou um período marcado por inúmeras crises: enquanto o país era govern...

Independência da África e Ásia
A independência da África e da Ásia foi um processo longo e repleto de conflitos, também conhecido como descolonização afro-asiática. Este não foi um ...

Reflexões sobre a realidade do contexto educacional
Até pouco tempo atrás era comum perceber as propostas das atividades como colar bolinhas de papel em figuras mimeografadas. Hoje já não se admite uma ...

Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, estudos, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Somos um veículo de comunicação. Não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia ou reprodução de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2015 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados