Lise Meitner foi uma física austríaca que se tornou sueca, conhecida por seu trabalho em física nuclear e por ter desempenhado um papel importante na descoberta da fissão nuclear.

Esquecida pelo Prêmio Nobel, ela é uma de muitas mulheres cientistas, cujo trabalho não foi reconhecido pelo seu verdadeiro valor.


A história de Lise Meitner

Lise nasceu em Viena, Áustria, em 7 de novembro de 1878. Seu pai era Philipp Meitner, advogado e mestre de xadrez. Sua mãe era Hedwig Skovran, uma talentosa musicista amadora. O casal teve oitos filhos, cinco meninas e três meninos.

A família Meitner eram judeus não religiosos, depois eles se converteram às denominações cristãs. Aos 29 anos, Lise tornou-se luterana.

Todos os irmãos recebem uma educação intelectual e encorajamento para prosseguirem estudos superiores. Como resultado, as meninas da família Meitner receberam uma educação mais avançada do que as meninas austríacas comuns da época.

A universidade austríaca abriu portas às mulheres em 1897. Durante os primeiros anos, para ser admitido, os candidatos devem ser recebidos no Matura (equivalente ao bacharelado) como candidatos livres.

Após dois anos de preparação em um pequeno grupo de mulheres, Lise foi admitida em 1901 na Universidade de Viena. Ela aprendeu física, química, matemática e botânica antes de se especializar em física no segundo ano.

Em dezembro de 1905, Lise Meitner obteve a mais alta menção de seu doutorado, realizando a condução de calor em sólidos inomogêneos.
Como mulher, ela dificilmente pode reivindicar uma carreira acadêmica, mas, apoiada por seu pai, ela ainda continou suas atividades de pesquisa e aprendeu sobre a radioatividade e a absorção em metais da radiação alfa e beta.

Em 1907, ela viajou a Berlim para estudar com Max Planck, na Universidade de Berlim, apesar da relutância inicial da universidade que não aceitava mulheres.

Foto da Lise Meitner


O projeto de urânio

Lise Meitner foi rapidamente notada e recebeu várias ofertas de emprego. Ela aceita uma proposta de colaboração sobre a radioatividade com o químico Otto Hahn em um instituto liderado por Emil Fischer.

Este último não acolhe a chegada de uma mulher e não facilita essa colaboração, relegando Lise e Otto a um laboratório no porão. Em 1912, Otto Hahn foi contratado no recém-criado Instituto de Química Kaiser Wilhelm, e Lise se juntou a ele, primeiro sem remuneração e depois como assistente de Max Planck.

Durante os primeiros dois anos da Primeira Guerra Mundial, Lise se envolveu como manipuladora de equipamentos de raios X na linha de frente ajudando soldados feridos.

Em 1917, tornou-se diretora do departamento de física de seu instituto e continuou sua colaboração com Otto. Juntos, eles descobriram vários isótopos, incluindo o protactínio em 1918.

Em paralelo, Lise também estudou os espectros da radiação beta e gama. Em 1923, ela descobriu a transição não-radiativa, que mais tarde tomaria o nome de efeito Auger, em homenagem ao cientista que descobre este efeito do seu lado.

Em 1934, com Otto Hahn e o químico Fritz Strassmann, Lise envolveu-se no "projeto de urânio", que descobriu a fissão nuclear alguns anos depois.


A descoberta da fissão nuclear

Depois que Adolf Hitler chegou ao poder, relativamente protegida pela nacionalidade austríaca, Lise conseguiu manter seu posto até 1938, enquanto muitos cientistas judeus deixaram a Alemanha.

Durante o Anschluss (anexação da Áustria) em março de 1938, sua nacionalidade não mais a protege e ela decide fugir da Alemanha.
Em julho de 1938, mudou-se para a Suécia e continuou sua pesquisa em um laboratório de Estocolmo.

Lise secretamente prossegue suas colaborações com cientistas alemães, incluindo Otto Hahn, com quem ela trabalhou nos anos anteriores, com muitas outras equipes, na produção no laboratório de elementos mais pesados ​​que o urânio.

É Otto Hahn e Fritz Strassmann que em Berlim, realizaram os experimentos planejados com Lise, descobrindo os efeitos do bombardeio de urânio com nêutrons.
No meio da Segunda Guerra Mundial, o físico não pode estar entre os coautores da publicação, e seu papel principal na descoberta é descartado. Logo, a comunidade científica percebe que a fissão nuclear pode ter usos militares.

O projeto de Manhattan, que levará ao desenvolvimento da arma nuclear, é lançado em Los Alamos; Lise se recusa, por sua vez, a participar da criação de uma bomba.

Em 1944, Otto Hahn recebeu o Prêmio Nobel de Química. Nomeada três vezes para o Prêmio Nobel, Lise nunca saiu vitoriosa da premiação, mas foi honrada de uma maneira mais excepcional quando o elemento 109 foi nomeado Meitnerium em 1997.

Em 1949, Lise Meitner assumiu a nacionalidade sueca.

Em 1960, ela se mudou para a Inglaterra, onde morreu oito anos depois, em 27 de outubro de 1968. Ela foi enterrada no cemitério da Igreja St. James, em Bramley, perto de onde seu irmão mais novo havia sido enterrado alguns anos antes.


Veja também:

História do Urânio

Bomba Atômica

A Bomba de Hidrogênio

Fissão nuclear

O que é o TNP - Tratado de Não Proliferação Nuclear?

Leia também! Assuntos relevantes