Histologia Vegetal


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Histologia Vegetal

04/12/2008 - Amara Maria Pedrosa Silva

A organização do corpo dos vegetais é bem diferente da organização do corpo dos animais. A maior parte dessas diferenças é uma adaptação ao modo autotrófico de vida. Somente os vegetais possuem tecidos especializados para a fotossíntese e para a condução da seiva retirada do ambiente. Essas diferenças são ainda maiores nos vegetais terrestres. Nessas plantas encontramos tecidos especializados para evitar a perda de água e para sustentar o corpo do vegetal contra a gravidade.


Os Meristemas: tecidos embrionários ou de formação
À medida que as células do embrião da planta se especializam, elas perdem gradativamente a capacidade de se dividir. Em algumas regiões da planta, porém, persistem grupos de células de estrutura simples, não diferenciadas, que conservam as características embrionárias. Esses grupos de células, chamados meristemas, encontram-se em constante divisão, promovendo o crescimento da planta e dando origem, por diferenciação, aos outros tecidos vegetais.

O tecido que constitui o embrião da planta e que é responsável por seu desenvolvimento, chama-se meristema primário, encontrado também nas gemas ou brotos. Durante o desenvolvimento do embrião, a maior parte desse meristema transforma-se em outros tipos de tecido, e uma parte menor fica restrita às extremidades da raiz e do caule, garantindo, assim, que o vegetal cresça no sentido do comprimento (crescimento longitudinal). O meristema dessa região apresenta três camadas que originam a epiderme, a casca e a medula da planta. Enquanto a planta cresce em comprimento, dizemos que ela possui estrutura primária.

Nas plantas lenhosas (árvores e arbustos) encontramos no interior do caule e da raiz outro meristema, o meristema secundário, que é responsável pelo crescimento da planta em espessura (crescimento transversal). Esse tipo de crescimento começa a ocorrer cerca de um ou dois anos após a germinação. O meristema secundário é encontrado na casca ou córtex e no câmbio (cilindro central dos caules e raízes).



OS TECIDOS PERMANENTES
Epiderme e Súber: os tecidos de revestimento, proteção e absorção
Todo o corpo dos vegetais superiores é revestido por uma camada protetora simples de células, a epiderme. Nas plantas terrestres, a epiderme das partes aéreas é coberta por um lipídio impermeável, a cutina, que evita a perda excessiva de água pela planta; pode haver também uma cera, impedindo a transpiração excessiva. Essas substâncias, porém, dificultam a passagem de CO2 e O2.

A entrada e a saída desses gases são garantidas por aberturas que existem na epiderme, os estômatos. Além de permitir as trocas de gases, facilitando a fotossíntese e a respiração, essas aberturas podem se fechar sempre que a perda de água ameaça a vida da planta.

Aparecem com freqüência na epiderme diversos tipos de pêlos que são prolongamentos das células da epiderme. É o caso dos pêlos da raiz, importantes na absorção da água do ambiente; e dos pêlos da urtiga, que contêm um líquido urticante que funciona como defesa. O aspecto aveludado de certas folhas e pétalas de flores é devido à presença de pequeninas projeções da epiderme, as papilas, que também impedem a transpiração excessiva. Os acúleos são projeções pontiagudas da epiderme. São encontrados nos caules das roseiras.

Nas regiões velhas de caules e raízes surge uma camada de tecido protetor, formado por células mortas e revestidas por uma substância impermeável, a suberina. É com esse tecido, chamado súber, que se fabrica a cortiça. As lenticelas são aberturas existentes no súber que permitem o arejamento da planta.



Parênquimas: os tecidos de síntese e armazenamento
O parênquima clorofiliano é o tecido responsável pela síntese da matéria orgânica do vegetal. Suas células, ricas em cloroplastos, realizam a fotossíntese e são encontradas nas partes aéreas dos vegetais, principalmente nas folhas.

Uma parte da matéria orgânica fabricada pela fotossíntese é armazenada no parênquima de reserva, para ser usada posteriormente pela planta ou pelo embrião. O parênquima de reserva é encontrado nas raízes (batata-doce, beterraba, cenoura, macaxeira, etc.); nos caules (batata inglesa, cana-de-açúcar, cará, etc.); e nas folhas, sementes e frutos.

Nas plantas do deserto, como as cactáceas, o parênquima pode armazenar água (parênquima aqüífero).

Em certas plantas aquáticas como a vitória-régia e o aguapé, as células desse tecido se arrumam de modo a formar grandes lacunas onde o ar se acumula, facilitando a flutuação, é o parênquima aerífero.



Colênquima e Esclerênquima: os tecidos de sustentação
Na periferia dos caules e das folhas, logo abaixo da epiderme, há um tecido formado por um agrupamento compacto de células com espessamentos de celulose na parede celular. Esse tecido de sustentação, o colênquima, é resistente e dotado de grande flexibilidade, permitindo o crescimento da planta. É encontrado em plantas jovens e em plantas herbáceas, de estrutura delicada.

Já nos caules das plantas lenhosas (troncos) encontramos um tecido mais duro, o esclerênquima, formado por células com paredes espessas, constituídas de celulose e de uma substância rígida e impermeável, a lignina. O esclerênquima forma o ‘cerne’ (parte mais central e dura dos troncos. A madeira).

Enquanto o colênquima é formado por células vivas, pois a celulose é permeável; o esclerênquima é formado por células mortas, já que a lignina impede a troca de gases e a absorção de alimentos.



Xilema e Floema: os tecidos condutores de seiva
A água e os sais minerais absorvidos pela raiz (seiva bruta, inorgânica ou mineral) são conduzidos para as folhas onde, pelo processo da fotossíntese, são transformados nas substâncias orgânicas que formam o corpo do vegetal (seiva elaborada ou orgânica).

A condução da seiva bruta até as folhas é feita por um conjunto de células alongadas que formam os vasos lenhosos da planta.

Nos vegetais mais simples, como as pteridófitas (samambaias) e gimnospermas (pinheiros), os vasos são formados por células mortas sem citoplasma e núcleo. Essas células formam os vasos fechados que apresentam regiões sem lignina, denominadas pontuações, que permitem a passagem da seiva de uma célula a outra do vaso.

Nas angiospermas as células se unem mais intimamente o que resulta no desaparecimento completo da parede de celulose entre as duas células. Forma-se assim um longo tubo chamado vaso aberto ou traquéia, por onde a seiva circula mais facilmente.

Esses vasos formam o tecido condutor da seiva bruta que é chamado de xilema ou lenho.

As substâncias orgânicas fabricadas pelas folhas (seiva elaborada ou orgânica) são levadas para toda a planta através dos vasos liberianos, formados por células vivas sem núcleo, com membranas de celulose mais espessas.

Na parede de contato entre duas células há pequenos furos ou crivos atravessados por pontes de citoplasma; daí a denominação de vasos crivados.

Esses vasos formam o tecido condutor da seiva elaborada que é chamado de floema ou líber.

O câmbio produz novos elementos do xilema e do floema à medida que a planta cresce em espessura.

Os vasos condutores de seiva formam um feixe contínuo de canais que vão da raiz às folhas.

A disposição dos vasos na raiz é diferente da disposição dos vasos no caule. Nas raízes, o xilema e o floema estão dispostos alternadamente em uma região central.

No caule das dicotiledôneas, os vasos estão ao redor da medula, o xilema situado mais internamente e o floema situado mais externamente.

Nas monocotiledôneas o xilema e o floema estão espalhados por todo o caule.



Os Tecidos Secretores
Diversos produtos finais do metabolismo das plantas ficam armazenados em células ou agrupamentos de células espalhados pelo vegetal. Embora esses produtos não atuem mais diretamente no metabolismo, eles ainda podem ser úteis à planta.

O néctar, uma substância doce e perfumada produzida nas flores serve para atrair os insetos e as aves responsáveis pelo transporte do grão do pólen, realizando a polinização e fecundação. Esta substância é produzida pelos nectários.

Outras substâncias são produzidas por pêlos glandulares ou secretores, como os da urtiga que fabricam um líquido cáustico; e os das plantas insetívoras que fabricam substâncias digestivas.

Alguns grupos de células formam bolsas oleíferas em cujo interior ficam acumuladas substâncias de natureza lipídica (caules, folhas e frutos).

Às vezes não é fácil determinar se um produto é ou não útil à planta, o que torna difícil classificá-lo como excreção ou secreção. É o caso do látex, substância leitosa que circula dentro dos vasos lactíferos (seringueira), e das resinas que circulam dentro dos vasos resiníferos (pinheiros).

Nas plantas de clima úmido, em que a saída de vapor de água pelos estômatos é difícil ou insuficiente, encontramos nas bordas das folhas pequenas aberturas, os hidatódios, que eliminam água na forma líquida. Esse fenômeno, chamado gutação, pode ser considerado como excreção, uma vez que o excesso de água não desempenha qualquer função na planta.

Fonte: http://www.aprendaki.webcindario.com/textos/histologia.htm
Autor: Amara Maria Pedrosa Silva
Licença: Creative Commons License





Saiba mais

Buscas relacionadas a Histologia Vegetal em Biologia.

[ Pesquisa escolar lida 76889 Vezes - Categoria: Biologia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Histologia Animal
O Tecido Epitelial: a cobertura protetora do corpo Cobrindo o nosso corpo e forrando seus tubos e suas cavidades internas, encontramos um tecido, for...
Lido: 57895 Vezes

Histologia
A histologia é a ciência que estuda os tecidos biológicos. Nesse campo analisamos desde a formação do tecido, até sua estrutura e funcionamento. Os...
Lido: 1894 Vezes

Biologia Tecidual (Histologia)
Por Leonardo Giantini Trabuco. Tecido vem latim, texere, tecer. Podemos definir tecido de uma maneira bem simples: conjunto de células diferenciada...
Lido: 6498 Vezes

Esclerênquima
Esclerênquima é tecido de sustentação dos vegetais, caracterizado por células de paredes primária e secundária espessadas. Ele é constituído por escle...
Lido: 5731 Vezes

Tecidos epiteliais
Os tecidos epiteliais são compostos por células que se unem perfeitamente. Eles cobrem a superfície externa do corpo e as cavidades corporais internas...
Lido: 6531 Vezes

Histologia - O estudo dos tecidos
Como Surgem os Tecidos? A célula é a unidade básica do ser vivo. Poucos seres, porém, são formados por uma única célula. A maioria dos seres ...
Lido: 39717 Vezes

Estão lendo agora:

Cólera
A cólera é uma doença infecciosa aguda, transmissível e peri...
Lido às 7:04:39 - 25/04/2014
Corpo Amarelo ou Corpo Lúteo
Depois da ovulação, a parede folicular dos óvulos femininos ...
Lido às 7:04:36 - 25/04/2014
Comidas Típicas - Região Norte do Brasil
Ao Norte do Brasil, região que se espalha por 3.869.637,99km...
Lido às 7:04:35 - 25/04/2014
Tempo Geologico
Escala de tempo geológico representa a linha do tempo desde ...
Lido às 7:04:32 - 25/04/2014
Sífilis
É uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pall...
Lido às 7:04:31 - 25/04/2014
Émile Durkeim - Karl Marx - Max Weber - Cultura e Sociedade
CULTURA E SOCIEDADE ÉMILE DURKEIM (1858-1917 ) Émile Durk...
Lido às 7:04:29 - 25/04/2014

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.