Esôfago

Por

É a região do tubo digestivo que conduz o alimento da faringe para o estômago.

Como o resto do tubo digestivo, o esôfago apresenta uma série de camadas comuns.

A camada mucosa, que está em contato direto com o lúmen do tubo digestivo, possui um epitélio de revestimento estratificado pavimentoso não queratinizado; embaixo dele está a lâmina própria de tecido conjuntivo frouxo, é muito irrigada por vasos sangüíneos e linfáticos além de possuir fibras musculares lisas.

Há também a musculatura da mucosa que consiste numa delgada camada de musculatura lisa.

A camada submucosa, como seu nome indica, está embaixo da mucosa.

Esta camada é rica em tecido conjuntivo, possui também plexo nervoso submucoso ou de Meissner e é pouco vascularizada.

A camada depois da submucosa é a muscular, constituída por fibras lisas de contração involuntária que estão orientadas em hélice.

Há também o plexo nervoso mioentérico ou de Auerbach.

A última camada que compõe o tubo digestivo é a serosa, que possui tecido conjuntivo e o mesotélio.

O esôfago possui dois tipos de movimentos peristálticos, o peristaltismo primário e o secundário.

O primário é a continuação da onda peristáltica iniciada na faringe para empurrar o bolo alimentar, mastigado e deglutido na boca, ao longo do tubo digestivo.

O alimento deglutido por uma pessoa ereta demora de cinco a oito segundos para passar ao estômago, o tempo que demora a onda peristáltica primária em passar da faringe ao esôfago é maior, aproximadamente de oito a dez segundos, isto é devido ao efeito adicional da gravidade que puxa o alimento para baixo.

Quando a onda peristáltica primária não gera a força necessária para empurrar o alimento ao longo do esôfago até o estômago, são geradas as ondas peristálticas secundárias provocadas pela distensão dessa porção do tubo digestivo pelo alimento.

Estas ondas param quando o alimento chega ao estômago.

Quando as ondas peristálticas chegam ao estômago, geram nele uma onda de relaxamento, preparando-o para receber o alimento.

Na camada submucosa encontramos grupos de pequenas glândulas mucosas, as glândulas esofágicas.

A secreção dessas glândulas auxilia na movimentação do alimento, porque diminuem o atrito com as paredes do tubo digestivo.

A região inferior do esôfago é caracterizada por um espessamento da musculatura lisa, esta região é definida com esfíncter esofágico inferior ou gastroesofágico.

Ele permanece contraído, tônico, ao contrário das regiões superiores do esôfago que estão relaxadas.

Quando a onda peristáltica da deglutição propaga-se pelo esôfago e atinge o esfíncter gastroesofágico provoca seu relaxamento, permitindo a passagem do alimento para o estômago.

Leia também! Assuntos relevantes