A Magnitude do Tempo Geológico

A Magnitude do Tempo Geológico

Mesmo hoje a quantidade real de tempo geológico decorrido, visto que e tremendamente grande, significa pouco, sem qualquer base de comparação. Para este fim, têm sido inventados numerosos esquemas nos quais, eventos geológicos chaves são localizados proporcionalmente, em unidades de comprimento ou tempo atuais, de modo a tornar o tempo geológico um tanto mais compreensível.

Comprimam-se. Por exemplo, todos os 4,5 bilhões de anos do tempo geológico em um só ano. Nesta escala, as rochas mais antigas reconhecidas datam de março. Os seres vivos apareceram inicialmente nos mares em maio. As plantas e animais terrestres surgiram no final de novembro e os pântanos, amplamente espalhados que formaram os depósitos de carvão pensilvanianos, “floresceram” durante cerca de quatro dias no início de dezembro. Os dinossauros dominaram nos meados de dezembro, mas desapareceram no dia 26, mais ou menos na época que as montanhas rochosas se elevaram inicialmente. Criaturas humanóides apareceram em algum momento da noite de 31 de dezembro, e as recentes capas de gelo continentais começaram a regredir da área dos Grandes lagos e do norte da Europa a cerca de 1 minuto e 15 segundos antes da meia-noite do dia 31. Roma governou o mundo ocidental por 5 segundos, das 23h: 59mim: 45s até às 23h: 59mim: 50s. Colombo descobriu a América 3 segundos antes da meia-noite, e a ciência da geologia nasceu com os escritos de James Hutton exatamente há mais que 1 segundo antes do final de nosso movimentado ano dos anos.

Os especialistas interessados na idade total da Terra comumente consideram o princípio quando a Terra alcançou sua presente massa. Provavelmente, este era o mesmo ponto em que a crosta sólida da Terra se formou de início, mas não se tem rochas que datem deste tempo inicial. Na verdade, as evidências atualmente disponíveis sugerem que nenhuma rocha permaneceu do primeiro bilhão de anos, mais ou menos, da história da Terra. Antes do princípio, processos cósmicos desconhecidos estavam produzindo a matéria, como a conhecemos hoje, para a Terra e para o nosso sistema solar. Este intervalo incluímos no tempo cósmico. É o tempo, desde o início da Terra, que constitui propriamente o tempo geológico.


A Cronologia das idéias sobre o Tempo Geológico
Entre 1500 e 1600. Nicolau Steno descreveu os princípios básicos da estratigrafia sobre a sucessão de estratos (início das idéias de tempo relativo).


1654. O Arcebispo Usher, baseado na geneologia da Bíblia assumiu que a Terra foi criada no dia 26 de outubro do ano 4004 ac, às 9:00h. Assim a Terra tinha 6.000 anos.


1785. James Hutton, reconhece os processos atuantes no modelamento da superfície terrestre, tais como erosão, deposição e atividade vulcânica.


1815. Smith elaborou o princípio da sucessão faunística (usado para definir o incremento do tempo relativo).


1830. Charles Lyell, introduziu o conceito de tempo ilimitado e fundou a Geologia Histórica.


1859. Charles Darwin, afirmou que a maior parte do tempo geológico era representado por quebras de registros ou por camadas estéreis do que por camadas fossilíferas.


1896. Henry Bequerel, descobriu a radioatividade do Urânio.


1897. Lord Kelvin, calculou a idade da Terra entre 24 e 40 milhões de anos, baseado nas estimativas de perda de calor do planeta.


1889-1901. John Joly, calculou a idade da Terra com base na taxa de saturação de sal nos oceanos em, aproximadamente 90 a 100 milhões de anos.


1907. Boltwood, com base no decaimento radioativo do Urânio para o Chumbo, calculou a idade da Terra em 1,64 bilhões de anos.

Atualmente, a rocha mais antiga da Terra, datada por espectrômetro de massa, tem idade 3,96 ba. E as rochas datadas mais antigas foram as da lua e de meteoritos, com idades na ordem de 4,6 bilhões de anos.


A divisão do Tempo Geológico
As primeiras pessoas que tentaram entender as relações geológicas de unidades de rochosas foram os mineiros. A mineração era de interesse comercial desde o tempo dos romanos, mas não foi até 1500 e 1600 que estes esforços produziram um interesse em relações de rochas locais.

Notando as relações entre as diferentes unidades de rochas, Nicolaus Steno, em 1669 descreveu dois princípios básicos da Geologia. O primeiro que as rochas sedimentares são depositadas de forma horizontal, e o segundo que as unidades de rochas mais jovens foram depositadas sobre unidades de rochas mais antigas. Um conceito adicional foi introduzido por James Hutton em 1795, e depois enfatizado por Charles Lyell antes de 1800. A idéia era que processos geológicos naturais eram uniformes em freqüência e magnitude ao longo de tempo, essa idéia conhecida como "Princípio do Uniformitarismo".

Os princípios de Steno permitiram os trabalhadores nos anos1600-1700 começarem a reconhecer as sucessões de rochas. Porém, as rochas eram descritas localmente pela cor, textura, ou até mesmo pelo cheiro, comparações entre sucessões de rochas de diferentes áreas não eram freqüentemente possíveis. O uso de fósseis foi o que permitiu os trabalhadores correlacionarem áreas geograficamente distintas. Esta contribuição foi possível porque os fósseis eram encontrados em amplas regiões da crosta terrestre.

A outra maior contribuição para a compreensão do tempo geológico veio dos agrimensores, construtores de canais e geólogos amadores da Inglaterra. Em 1815, Smith produziu um mapa geológico da Inglaterra no qual ele demonstrou a validade do princípio da sucessão faunística. Este princípio simplesmente declarava que os fósseis seriam encontrados nas rochas numa ordem muito definida. Este princípio conduziu outros que se seguiram a usarem os fósseis para definir incrementos dentro do tempo relativo.

A história da terra está hierarquicamente segmentada em divisões para descrever o tempo geológico. Com unidades crescentes de tempo, as divisões geralmente aceitadas são eon, era, período, época e idade. Na escala do tempo mostrada, são representados só os dois níveis mais altos desta hierarquia. O Eon de Fanerozóico representa o tempo durante o qual a maioria de organismos macroscópicos, algas, fungos e plantas viveram.

Quando foi proposta a primeira divisão de tempo geológico, começando pelo Fanerozóico (aproximadamente 540 milhões de anos ) pensava-se que o mesmo coincidia com o começo de vida. Em realidade, esta coincidia com o aparecimento de animais que eram envolvidos por esqueletos externos, como conchas e alguns animais mais recentes com esqueletos internos, tais como os elementos ósseos.

O tempo antes do Fanerozóico normalmente era chamado Pré-cambriano, o que qualifica como um " eon " ou " era ".

Em todo caso, o Eon Pré-cambriano normalmente é dividido nas três eras: Hadeano, Arqueano e Proterozóico. O Fanerozóico possui três divisões principais: as eras Cenozóico, Mesozóico e Paleozóico.

O " Zoic " vem de "Zoo" que significa animal. Esta é a mesma raiz como nas palavras Zoologia e Parque Zoológico (ou Jardim zoológico). "Cen " quer dizer recente, "Meso" quer dizer meio, e "Paleo" quer dizer antigo.

Estas divisões refletem as principais mudanças na composição das faunas antigas, cada era sendo reconhecida por dominação por um grupo particular de animais. O Cenozóico, às vezes foi chamado a " Idade de Mamíferos ", o Mesozóico a "Idade de Dinossauros" e o Paleozóico a " Idade de Pesca ". Esta é uma visão demais simplificada que tem pouco valor . Por exemplo, outros grupos de animais viveram durante o Mesozóico. Além dos dinossauros, animais como mamíferos, tartarugas, crocodilos, rãs, e variedades incontáveis de insetos também viveram na terra.

Adicionalmente, havia muitos tipos de plantas que viveram no passado e já não vivem hoje. Floras antigas também passaram por grandes mudanças, e nem sempre nos mesmos momentos em que os grupos animais mudaram.



Veja algumas imagens que representam alguns períodos do tempo geológico da Terra.









Fonte:
http://br.geocities.com/geologo98/espiral.html

Leia também! Assuntos relevantes