Evolução das Espécies


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Evolução das Espécies

A teoria da evolução afirma que as espécies atuais descendem de outras espécies que sofreram modificações, através dos tempos.

Os ancestrais das espécies atualmente existentes são considerados descendentes de predecessores diferentes deles, e assim por diante, a partir de organismos precursores, extremamente primitivos e desconhecidos. O evolucionismo prega o transformismo, explica a grande diversidade de formas de vida e rejeita o fixismo, segundo o qual o número de espécies é fixo e elas não sofrem modificações.



EVIDÊNCIAS DA EVOLUÇÃO
Quais são as evidências do processo evolutivo?

Tais evidências, que passaremos a analisar, podem ser resumidas em:

• Anatomia comparada

• Embriologia comparada

• Bioquímica

• Fósseis



Anatomia Comparada
O estudo comparado da anatomia de animais e vegetais mostra a existência de um padrão fundamental similar, na estrutura dos sistemas de órgãos. Os sistemas esquelético, circulatório e excretor constituem um ótimo exemplo disto, através das homologias. Dizemos que, dois ou mais órgãos são homólogos quando têm a mesma origem embrionária e estrutura semelhante, podendo a função ser a mesma ou não.

Apesar de superficialmente diferentes, uma nadadeira de balela, uma asa de ave, uma asa de morcego, uma pata de gato, uma pata anterior de cavalo e a mão e o braço humanos são órgãos homólogos. Em cada um deles aparece quase o mesmo número de ossos, músculos, nervos e vasos sangüíneos, ordenadas segundo um mesmo padrão e com grande similaridade no desenvolvimento embrionário.

A razão de homologia seria que os diferentes organismos teriam uma origem evolutiva comum: quanto mais recente o ancestral, maior a semelhança estrutural. Sob a ação do ambiente, pode haver modificações, mas a estrutura fundamental permanecera.

Outra evidência evolutiva, fornecida pela anatomia comparada é a existência dos órgãos vestigiais. Existem vestígios ou rudimentos de órgãos que representam restos inúteis de estruturas de órgãos que são grandes e funcionais em alguns outros animais. No corpo humano existem vários órgãos vestigiais, entre os quais citaremos: o apêndice vermiforme, o cóccix, e a prega semilunar. O apêndice vermiforme é uma curta expansão, que se localiza na região onde o intestino grosso se liga ao delgado. Trata-se de um vestígio do volumoso ceco, existente nos herbívoros. Os volumosos cecos dos mamíferos herbívoros armazenam o alimento, enquanto sobre ele se exerce a ação bacteriana, para a digestão da celulose.

No homem, a coluna vertebral termina no cóccix, um osso recurvado formado por vértebras fusionadas, que é um vestígio da cauda, existente em numerosos mamíferos.



Embriologia Comparada
Animais de espécie diferentes, quando na fase embrionária, são muitos

semelhantes. Quanto maior a semelhança entre os adultos de espécies diferentes, mais prolongada a fase embrionária comum. Assim é que os embriões de um peixe, anfíbio, réptil, ave, mamífero e do homem tem bolsas branquiais e cauda; a explicação é que nós descendemos de animais em que tais órgãos eram funcionais.




Bioquímica
O estudo da bioquímica comparada revela a grande semelhança entre proteínas do sangue de vários mamíferos. As revelações protóicas do sangue, mais próximas de humanos são, em ordem decrescente, os grandes gorilas, os macacos do Velho Mundo, Os macacos de cauda prênsil do Novo Mundo e os tarsióides, primatas mais primitivos.

Os peixes eliminam amônia, os anfíbios eliminam uréia e os répteis, ácido úrico. Já um embrião de ave elimina amônia inicialmente, uréia em uma época posterior e, finalmente, ácido úrico; é uma repetição do metabolismo nitrogenado filogenético.




Fósseis
Paleontologia é a ciência que estuda os fósseis, isto é, restos ou vestígios de animais ou de vegetais que viveram antes dos tempos históricos a que se conservaram nas rochas.

Assim, são fósseis não apenas partes de esqueletos que foram preservadas, mas também, pegadas de animais conservadas em rochas. Os fósseis documentavam a evolução dos organismos no decorrer do tempo geológico. Para determinar a idade relativa dos fósseis os paleontólogos se baseiam, na decomposição de vários elementos radiativos, particularmente do carbo-14 a do urânio 238. Sabemos que os elementos radioativos se desintegram a taxas da tempo regulares, constituindo assim "re1ógios radioativos". Aqui estão alguns acontecimentos baseados no registro fóssil.

Origem da Terra..............................4,5 bilhões de anos atrás

Os mais antigos registros de bactérias.......3 bilhões

Primeiras algas filamentosas.................2 bilhões

As mais antigas células nucleadas............1 bilhão

Invertebrados marinhos.......................600 milhões

Peixes e algumas plantas terrestres..........400 milhões

Anfíbios.....................................300 milhões

Dinossauros..................................200 milhões

Mamíferos....................................150 milhões

Primatas.....................................20 milhões

O estudo da seqüência dos fósseis existentes desde as camadas rochosas mais antigas até as mais recentes revela:

1. Continua modificação das espécies através dos tempos, com a extinção de algumas a modificações em outras.

2. Aumento em diversidade a também em complexidade nas formas fósseis.

3. Existência de formas da transição entre dois grupos.

Uma das mais convincentes formas de transição foi a descoberta do Archaeopteryx, uma forma intermediária entre répteis a aves.

O Archaeoptervx era uma ave com dentes, garras nas asas, cauda longa (características dos répteis) com panas e estrutura geral dos membros, características de aves.




A EVOLUÇÃO SEGUNDO LAMARCK
Em 1809, 0 biólogo francês Jean Baptiste Lamarck propôs uma teoria para explicar de qual maneira os seres vivos evoluem.

Segundo Lamarck, uma grande alteração no meio ambiente provocaria, em uma espécie, uma necessidade de se modificar. Essa necessidade levaria à formação de novos hábitos. Essa idéia aliada a observação da natureza lavaram Lamarck o formular as duas leis básicas de sua teoria evolutiva.

Lamarck baseou sua teoria em duas suposições: a lei do uso a desuso a lei dos caracteres adquiridos.


Lei do Uso a Desuso: Segundo tal lei, quanto mais uma parta ou órgão do corpo é usada, mais se desenvolva; contrariamente as partes que não são usadas enfraquecem, atrofiam chegando até a desaparecer.

Lei da Herança dos Caracteres Adquiridos: Segundo Lamarck qualquer animal poderia transmitir aos seus descendentes aquelas características que se atrofiavam pelo desuso ou se desenvolveram pelo uso.

Portanto, de acordo com Lamarck as novas espécies aparecem, por evolução, devido a aquisição ou perda de caracteres.

Numerosos exemplos da natureza foram usados por Lamarck para explicar as suas leis. Assim, citaremos:

- A girafa habita locais onde o solo é seco e com pouca vegetação. Obrigada a comer brotos de árvores a girafa foi se esticando para cima. Esse hábito provocou o enorme pescoço e as pernas anteriores, meio longas do que as posteriores.

- As cobras evoluíram a partir de ancestrais que apresentavam pernas a corpos curtos. Obrigados, por modificação ambiental, a rastejar a passar através de aberturas estreitas, acabavam sendo ápodes a de corpo alongado.

- As membranas entre os dedos das aves aquáticas resultaram do uso durante a natação.

- Aves pernaltas como as garças, teriam desenvolvido as pernas, esticando-as para manter o corpo fora d'água, em regiões inundadas.

- Plantas de regiões desérticas teriam diminuído a superfície das folhas, para evitar a transpiração; tais folhas acabaram transformadas em espinhos. Para conservar água os caules adquiriram a consistência suculenta.

A primeira suposição da Lamarck é válida: o uso a o desuso provocam alteração nos organismos. Assim, sabemos que os atletas desenvolvem seus músculos através do uso, enquanto que a paralisação das pernas, por exemplo, determina atrofia. A falha está na segunda hipótese: caracteres adquiridos por uso e desuso nunca são transmitidos aos seus descendentes.

O golpe definitivo no lamarquismo foi dado por Weismann, nas suas famosas experiências cortando caudas de camundongos por sucessivas gerações a mostrando que não havia atrofia dessa apêndice. Ele foi o autor da teoria da "continuidade do plasma germinativo", pela qual o germe é imortal, sendo as alterações provocadas pelo meio ambiente na soma não transmissíveis aos descendentes.




O DARWINISMO
No seu livro, A Origem das Espécies, publicado em 1859, Charles Darwin explicou a evolução por meio da seleção natural. O processo evolutivo proposto por Darwin pode ser resumido nos seguintes itens:

- Todos os organismos apresentam uma elevada capacidade reprodutiva.

- Contudo, verifica-se que o número de indivíduos de uma mesma espécie permanece constante, o que só pode ser explicado pela grande mortalidade natural.

- A mortalidade decorre da falta de alimento, pois o suprimento alimentar, para qualquer população não é ilimitado.

- A falta dos meios de subsistência gira uma competição, ou seja, uma contínua luta pela vida entre os organismos com as mesmas exigências alimentares.

- Em todas as espécies os indivíduos nunca são iguais, exibindo variação que podem ser herdadas.

- Em um determinado ambiente, os indivíduos dotados de variação favoráveis estarão mais capacitados a sobreviver, do que os que possuem variações desfavoráveis. Assim, as variações favoráveis são transmitidas para os descendentes e, acumulando-se com o tempo, dão origem a grandes diferenças.

O processo de seleção natural, imposto pelo meio ambiente, e prolongado por várias gerações produz adaptações cada vez mais perfeitas e complexas, de terminando dessa forma, um processo de evolução progressiva.

O ponto positivo do darwinismo é a existência da seleção natural como fator orientador da evolução.


Por que a teoria de Darwin não é completa?
A falha do darwinismo é a não explicação da origem das variações naturais, sobre as quais atua a seleção natural. A natureza das variações só foi explicada pela Genética no início do século XX.

O trabalho de Darwin, analisando as provas de evolução e especialmente a teoria da seleção natural, fez dele um dos maiores cientistas de todo os tempos.



COMPARAÇÃO ENTRE AS TEORIAS DE LAMARCK E DARWIN
Tanto para Lamarck como pare Darwin o meio ambiente exerce um papel preponderante no processo evolutivo. Segundo Lamarck o ambiente é o principal fator que provoca modificações nos organismos; pare Darwin o ambiente apenas seleciona as variações mais favoráveis. Vamos comparar as teorias de Darwin e Lamarck para a explicação do longo pescoço da girafa.

Segundo Lamarck obrigada a comer folhas e brotos no alto das árvores a girafa é forçada continuamente a ser esticar para cima. Esse habito mantido por longos períodos por todos os indivíduos da raça resultou no alongamento do pescoço.




A MODERNA TEORIA SINTÉTICA DA EVOLUÇÃO OU NEO-DARWINISMO
De acordo com a moderna teoria sintética os processos básicos da evolução são quatro: Mutação, Recombinação Genética, Seleção natural e Isolamento Reprodutivo. Os três primeiros constituem as fontes da variabilidade genética, sem a qual não pode ocorrer modificação. A seleção natural e o isolamento reprodutivo orientam es variações em canais adaptativos.




As Fontes da Variabilidade
Sob a designação de variabilidade enquadrarmos as diferenças existentes entre os indivíduos da mesma espécie. Se observarmos qualquer população de organismos verificaremos a existência de inúmeras diferenças (variações) entre os organismos que a compõem. Assim, nunca existem dois indivíduos idênticos. Mesmo os chamados gêmeos idênticos, quando atentamente observados, diferirão em alguns caracteres. A diversidade entre Os organismos da mesma espécie é determinada por dois fatores: Recombinação genética e mutação. Entende-se por Recombinação genética as novas combinações dos genes, já existentes em uma dada população.

Nos estudos de Genética já verificamos que as novas combinações gênicas resultam dos processos de segregação independente e permutação. Quanto a mutação constitui a matéria prima da evolução, produzindo novos genótipos e fenótipos. É importante salientar que a mutação ocorre espontaneamente, ou seja, nunca aperece como resposta do organismo a uma situação ambiental.



A Seleção Natural
As variações são submetidas ao meio ambiente que, através de seleção natural, conserva as favoráveis e elimina as desfavoráveis. Assim, quando as condições ambientais se modificam, algumas variações serão vantajosas e permitirão, então, aos indivíduos que as apresentam, sobreviver e produzir mais descendentes do que aqueles que não as têm.

Entre os principais exemplos de seleção natural citaremos: melanismo industrial, moscas e DDT, bactérias e antibióticos e siclemia.




O Melanismo Industrial
Antes da industrialização da Inglaterra, predominavam as mariposas claras; as vezes apareciam mutantes escuros, dominantes, que, apesar de serem mais robustos, eram eliminados pelos precadores por serem visíveis. Depois da industrialização no século passado, os mutantes escuros passaram a ser mimetizados pela fuligem e, como eram mais vigorosos, forem aumentando em freqüência e substituindo as mariposas que agora pesaram a ser eliminadas pelos predadores por ficarem mais invisíveis. Tais predadores da mariposas atuando como agentes seletivos são pássaros.




Resistência de Mosca ao DDT
Durante o primeiro ano em que o DDT foi usado numa determinada localidade, quase todas as moscas foram mortas; algumas, porém, por causa da variação herdada, não foram afetadas. Puderam sobreviver e só reproduzir e, assim, logo ultrapassaram em número os tipos de moscas menos resistentes naquela área. O inseticida foi só tornando menos ativo. O DDT causou uma mudança no ambiente e só as moscas que eram resistentes puderam sobreviver e foram sendo selecionadas; não foi; portanto, o inseticida que conferiu resistência as moscas.




Resistência de Bactérias aos Antibióticos
Tem sido publicados muitos trabalhos sobro o fato de algumas bactérias patogênicas terem adquirido resistência a um determinado antibiótico. Assim, o tratamento prolongado de uma infecção, com um antibiótico acaba perdendo toda a eficácia., havendo a necessidade da troca do medicamento. Se uma colônia de bactérias recebe uma pequena dose do um determinado antibiótico, ocorre a morte da maioria delas, sobrevivendo aquelas portadoras do variações que conferem resistência ao medicamento.

Os descendentes das bactérias sobreviventes não morrem com a mesma dose do antibiótico, evidenciando que as variações são hereditárias. Se a dose do antibiótico for aumentada, novamente algumas, as resistentes a nova dose sobreviverão. Enfim, prosseguindo com o aumento progressivo das doses dos antibióticos obtém-se, no final, bactérias resistentes a altas dosagens do antibiótico. Saliente-se que as variedades são provocadas por mutações espontâneas. É de vital importância considerar que não é a presença do antibiótico que provoca o aparecimento das mutações; na realidade elas surgem espontaneamente a, quando conferem resistência ao antibiótico, são úteis à bactéria na presença do mesmo.




Siclemia ou Anemia Falciforme
Na anemia falcilforme ou sidemia, as hemácias recémformadas têm forma normal mas, sob condições de baixa tensão de oxigênio, a maioria se deforma, adquirido o aspecto do uma foice.

Essas células anormais são destruídas no baço, o que provoca anemia. As aglomerações de hemácias falciformes provocam obstrução de vasos capilares e enfartes dolorosos em vários tecidos tais como ossos, baço e pulmões. Os indivíduos com anemia falciformes são homozigotos (SS) e geralmente morrem na infância. Os heterozigotos (Ss) apresentam uma forma atenuada do sidemia, o organismo só produz células falciformes quando o suprimento de oxigênio é baixo (nas altitudes elevadas) ou quando, durante um exercício físico, necessitam do mais oxigênio. A forma atenuada de siclemia não é letal. Pelo fato dos homozigotos não atingirem a idade da reprodução, a freqüência do gene S, nas populações, é sempre baixa. Contudo, em determinadas regiões da África, onde a malária é endêmica, a freqüência de heterozigotos é bastante alta, atingindo a faixa do 40% o que acontece é o seguinte: os indivíduos são portadores do gene para siclemia (ss) geralmente morrem devido a malária, enquanto que os heterozigotos são resistentes a mesma. Sabe-se que, quando o plasmódio (protozoário que provoca a malária) penetra na hemácia e consome oxigênio. Com a diminuição de oxigênio a hemácia siclêmica se altera e é eliminada do organismo antes que o protozoário se reproduza o consequentemente o indivíduo contraia a malária. Portanto, nas regiões com malária, o portador do gene para siclemia apresenta uma vantagem sobre os que não o apresentam.



O ISOLAMENTO REPRODUTIVO
Ocorre o isolamento reprodutivo, quando duas populações dos indivíduos não podem se cruzar e, portanto, trocar genes. Os mecanismos do isolamento constituem barreiras ao intercâmbio de genes e podem ser: pré-zigóticos e pós-zigóticos.



Mecanismos Pré-Zigóticos
Os mecanismos pré-zigóticos são os que impedem o contato sexual entre as espécies ou então impossibilitam a união dos gametas após o cruzamento. Assim temos:



Isolamento Habitacional
Os isolamento de habitat ocorre quando as populações vivem na mesma região mas localizam-se em habitats diferentes. É muito comum em plantas, em razão de sua natureza sedentária.



Isolamento Sazonal ou Estacional
No isolamento estacional duas populações de organismos, podem viver na mesma área, mas seus períodos reprodutivos ocorrem em diferentes estações do ano. Em conseqüência, não ocorre reprodução, embora seja possível o contato físico. Comum em plantas, tal isolamento também pode ocorrer em insetos e moluscos.



Isolamento Etológico
Em muitos animais existem padrões do comportamento relacionados ao acele-
ramento. No isolamento etológico surgem diferenças do comportamento impedindo os rituais de acasalamento e, consequentemente, a fecundação.



Isolamento Mecânica
Fala-se em isolamento mecânico quando a fecundação é impedida, devido a diferenças estruturais nos órgãos reprodutores, particularmente nas flores de plantas superiores.



Mecanismos Pós-Zigóticos
Os mecanismos pós-zigóticos são os que ou impedem o desenvolvimento dos híbridos ou reduzem a fertilidade dos mesmos ou a viabilidade de seus descendentes.



Inviabilidade do Híbrido
O híbrido obtido não sobrevive à fase embrionária ou nasce com anomalias que provocam a morte.



Esterialidade do Híbrido
O híbrido nasce mas é estéril, por anomalias nas gônadas ou ausência de meiose.



Deterioração de F2
Os híbridos obtidos em F1 são normais e férteis, mas seus descendentes (F2) são fracos ou estéreis.



FATORES EVOLUTIVOS COMPLEMENTARES
Existem três processos complementares que também contribuem para a evolução. São eles: migração, hibridação e oscilação genética.



Migração
A migração é responsável pelo fluxo gênio, que traz à população novos genes, contribuindo para aumentar a variabilidade genética.



Hibridação
Também chamado do deriva genética em processo ocorre quando o patrimônio genético alterado casualmente, independentemente da seleção natural. Ocorre em pequenas populações e depende do acaso. Assim, só uma mutação ocorre em uma população do 100 organismos, sua freqüência, de início, é muito maior do que se acontecesse em população de 10.000 indivíduos.



ESPECIAÇÃO
A especiação é o processo de formação de novas espécies e obedece aos seguintes estágios:

1º Estagio: Uma população A vive em um ambiente homogêneo.

2º Estágio: Uma modificação ambiental provoca a migração da população para ambientes diferentes. Assim, a população A divide-se em A1 e A2 que migram para ambientes diferentes.

3ºEstágio: Isoladas geograficamente e submetidas a pressões seletivas diferentes, tais populações param a constituir raças geográficas ou subespécies.

4º Estágio: Com o passar do tempo aumenta a diferenciação genética entre A1 e A2 provocando o isolamento reprodutivo.

5º Estagio: As raças A1 e A2 voltam a se reunir na mesma região. Mas, devido ao isolamento reprodutivo, elas não se misturam. A1 o A2 são reconhecidas como espécies distintas



IRRADIAÇÃO ADAPTATIVA OU EVOLUÇÃO DIVERGENTE
O processo do evolução de uma espécie ancestral em uma variedade de formas, que ocupam diferentes ambiente. Em virtude da constante competição por espaço e alimento cada grupo do organismos tendo a se expandir e ocupar diferentes ambientes, através de novas características adquirida.

O conceito de irradiação adaptativa, ou seja, evolução em várias direções, partindo de um ancestral comum, pode ser ilustrado pela estrutura dos membros dos mamíferos. Assim, partindo do um tipo primitivo surgiram os voadores nadadores, trepadores, etc.



CONVERGÊNCIA EVOLUTIVA OU EVOLUCÃO CONVERGENTE
Consiste na semelhança entre organismos de origens diferentes que, vivendo
por muito tempo no mesmo ambiento, são submetidos às mesmas pessoas seletivas e acabam por se assemelhar. É o caso da semelhança corpórea entre um ictiossamo, réptil fóssil, um peixe, o tubarão, e um mamífero, o golfinho; no caso trata-se de uma adaptação à vida aquática.



A TABELA DO TEMPO GEOLÓGICO
Com base na idade dos registros fósseis, o tempo geológico é dividido em eras, períodos e épocas.




Era Arqueozóica
As rochas da era arqueozóica formaram-se a 3.500.000.000 de anos. Não existem fósseis reconhecidos. As evidências de vida são indiretas e determinadas por traços de grafite ou carbono puro, provavelmente restos de corpos de organismos vivos.



Era Proterozóica
A segunda era, datada de 1.600.000.000 de anos atrás. Os fósseis encontrados em rochas proterozóicas evidenciaram a existência de algas primitivas, fungos, protozoários como vermes e moluscos.



Era Paleozóica
A era cenozóica teve inicio há 600.000.000 de anos, aproximadamente e é dividido em períodos: Cambriano, Ordoviciano, Siluriano, Devoniano, Carbonífero e Permiano.



Período Cambriano
Data de 600.000.000 de anos atrás. Caracteriza-se pelo aparecimento da maioria dos filos de invertebrados e de algas marinhas.



Período Ordoviciano
Começou a 500.000.000 de anos. Abundância de algas marinhas e o aparecimento dos primeiros peixes.



Período Siluriano
Iniciado a 430.000.000 de anos atrás. Primeiras plantas terrestres bem estabele-bem. Domínio dos aracnídeos marinhos e aparecimento dos primeiros insetos.



Período Devoniano
Sua origem data de 400.000.00 de anos atrás. Aparecimento de gimnospermas e das primeiras florestas. Admite-se que a transição de vertebrados do meio aquático para o terrestre ocorreu nesse período, com o aparecimento dos primeiros anfíbios.



Período Carbonífero
Iniciou-se há 350.000.000 de anos aproximadamente. Aparecimento das primeiras florestas tropicais formadoras dos depósitos carboníferos. Surgiram os primeiros répteis.



Período Permiano
Teve inicio há 280.000.000 de anos atrás. Domínio de répteis e coníferas a aparecimento dos insetos modernos.



Era Mezóica
Teve início há cerca de 220.000.000 de anos sendo dividida em três períodos: triássico, Jurássico e Cretáceo.



Período Triássico
Iniciado a 220.000.000 de anos. Domínio das gimsnospermas; primeiros dinossauros, pterossauros a mamíferos ovíparos.



Período Jurássico
Iniciou-se há 180.000.000 de anos. Evolução dos dinossauros e aparecimento das primeiras aves cem dentes. Aumento das dicotiledôneas.



Período Cretáceo
Iniciado há cerca de 135.000.000 de anos o período cretáceo se caracteriza pela extinção dos dinossauros e aparecimento dos primitivos mamíferos. Primeiras menocotiledôneas e declínio das gimnospermas.



Era Cenozóica
Também conhecida como a era dos mamíferos iniciou-se há 65.000.000 de anos sendo dividida em períodos: Terciário e Quartenário.



Período Terciário
Marcando o início da era Cenozóica o período Terciário caracterizava por grandes alterações na crosta terrestre é subdividido em épocas: Paleoceno, Eoceno, Oligoceno, Mioceno e Plioceno.



Época Paleoceno
Iniciada há 65.000.000 de anos evidencia a origem da maioria das modernas ordens de mamíferos.



Época Eoceno
Data de 54.000.000 de ancestrais. Origem de mamíferos placentários diversificados e especializados.



Época Oligoceno
Teve inicio há 36.000.000 de anos. Máxima dispersão das florestas e plantas cem flores. Origem dos antropóides.



Época Mioceno
Iniciada em 28.000.000 de anos, assa época caracterizam-se pelo aparecimento dos primeiros macacos semelhantes ao homem.



Época Plioceno
Teve início há 10.000.000 da anos aproximadamente sendo marcada pelo domínio dos mamíferos a das herbáceas.



Período Quaternário
O Período Quaternário inclui o 1.000.000 de anos finais da história da Terra a é dividido em duas épocas: Pleistoceno e Recente.



Época Pleistoceno
O Pleistoceno Iniciou o período quaternário há 1.000.000 de anos. Sua principal característica foi o aparecimento do homem primitivo.



Época Recente
Englobando os últimos 5.000 anos é a época caracterizada pelo domínio das herbáceas a evolução do homem.



A EVOLUÇÃO HUMANA
A problemática a controvertida a evolução humana pode ser assim esquematizada:



Australopithecus
Os fósseis mais antigos aparentados com o homem são originário do Pleistoceno Inferior e são chamados de Australopitecídeos.

O primeiro crânio foi descoberto em 1925 na África Meridional. Tal crânio pertencia a uma criança com 6 anos de idade, com volume craniano pequeno, maxilares robustos e acentuado prognatismo.

Posteriormente, ainda na África, descobriram-se inúmeros restos de esqueletos, de sorte que atualmente dispomos de uma centena de indivíduos, todos pertencentes aos Australepiticídeos. Seu estudo revela uma mistura de caracteres simiescos e humanos. Entre os primeiros salientam-se frente Saiva a volume craniano máximo de 700 centímetros cúbicos. Dos caracteres humanes evidenciamos a existência de uma bacia e de uma articulação craniana, capazes de assegurar uma postura vertical quase perfeita. As diferenças entre as amostras mostram a existência de dois gêneros distintos: Austrapolithecus e Paranthropus.

O Paranthropus, mais primitivo, desprovido de fronte, apresentava uma crista sagital, forte proeminência da arcada supra-orbital e, molares maciços, indicando um regime vegetariano.

O Australopithecus era mais evoluído: o crânio apresentava 650 centímetros cúbicos, com arcada supra-orbital pouco acentuada e dentição indicando um regime onívoro. As ossadas a as conchas encontradas junto às amostras demostram que os Australopithecus caçava, pescava, comendo carne e mariscos. O Paranthropus só viveu até a metade do Pleistoceno, ao passo que o Australopithecus, melhor adaptado, prosseguiu sua evolução originando o Homo sapiens:



Homo Habilis
Em 1960 Louis Leakey encontrou, na África, cerca de seis fósseis e os chamou de Homo habilis. A reconstrução do Home habilis sugere uma criatura com 1,25m de altura, dentes pequenos e pés semelhantes aos do homem.

Junte com os restos foram encontrados seixos trabalhos com bordos cortantes, indicando que o Homo habilis era capaz de trabalhar a pedra. Essa espécie, datada de 1.700.000 anos é considerado o ancestral da espécie humana.



Homo Erectus
O homem de Java, um dos mais antigos hominídeos, foi descoberto por Eugene Dubois, em 1891, na região leste de Java. Inicialmente foi chamado de Pithecantropus erectus, nome posteriormente alterado para Homo erectus. A reconstrução esquelética indicou que o adulto atingia 1,70m de altura, pesava 70 quilogramas a tinha um andar semelhante ao homem atual. A capacidade craniana variava de 700 a 1.100 centímetros cúbicos. As arcadas supra-ciliares eram preeminentes e não apresentava queixo, dentes grandes e caninos não ultrapassando os demais dentes. Vivia em cavernas ou abrigos de pedras, por ele construídos. Em 1920 escavações em cavernas próximas a Pequim, Davidson Black encontram o chamado homem de Pequim e deu-lhe o nome de Sinanthropus pekinensis, porém, a descoberta de outros espécimes revelou que se tratava de uma variedade do Homo erectus. O crânio, dotado de protuberâncias supra-erbitais apresentava uma capacidade de 1075 centímetros cúbicos. Ao lado do homem de Pequim foram encontrados objetos talhados em pedra a restes de cinza, provando o conhecimento do fogo.



Homo Sapiens
Há cerca de 70.000 anos atrás, surgiu o Home sapiens, do qual existem numerosas amostras. Ele teria se apresentado em duas superfícies: Homo sapiens neanderthalensis e Homo sapiens sapiens.

O primeiro, homem de Neandertal, foi descoberto no vale de Neander, próximo a Dusseldorf, sendo da constituição forte, cuja altura variava de 1,50 a 1,60m.





Saiba mais

Buscas relacionadas a Evolução das Espécies em Biologia.


[ Pesquisa escolar lida 33177 Vezes - Categoria: Biologia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Teoria de Darwin: seleção natural das espécies
Charles Robert Darwin nasceu em 1809 e faleceu em 1882. Ele foi um naturalista britânico que tentou convencer a comunidade científica de que a evoluçã...
Lido: 18950 Vezes

Charles Darwin
Charles Darwin foi um importante biólogo e naturalista. Nasceu em 12 de fevereiro de 1809 na Inglaterra, morreu aos 73 anos em 1882. Colaborou com ...
Lido: 11107 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
FIES
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.