Império Bizantino

O Império Bizantino surgiu na atual região de Istambul, entre a Ásia e a Europa, após a repartição do Império Romano. O imperador de maior sucesso da sua história foi Justiniano, que deteve o poder do ano de 527 até 565, mantendo o Império Romano do Oriente unido.

Durante o governo de Justiniano no Império Bizantino, as leis eram mais organizadas, principalmente por causa de um documento chamado de Digesto, um guia estudantil de direito, além da criação do Código Justiniano.

No Império Bizantino, a cidade de Constantinopla era o centro comercial, reunia manufaturas importantes para a economia, além de ter se tornado um local de passagem muito frequentado entre o Ocidente e o Oriente.

A religião era muito importante para promover a união no Império Bizantino, um ambiente marcado por pessoas vindas do lado oriental e do ocidental. Por isso, é possível observar a fé cristã como elemento central da arquitetura, como na Catedral de Santa Sofia, caracterizando o tão conhecido estilo bizantino.

Igreja e império, Império Bizantino

O islamismo, com seus templos característicos, surgiria apenas em 1453, após a invasão turca que inundou Constantinopla.

A predominância do cristianismo no Império Bizantino foi completa, porém com suas peculiaridades. O chefe da igreja era o próprio imperador. O culto às imagens não era permitido, nem mesmo a de Deus. Era a época da Iconoclastia e também de novas correntes cristãs que divergiam do tradicional cristianismo romano.

O papa e o Império Bizantino, por meio de seu imperador, disputavam o poder, dividindo a Igreja em Ocidental e Oriental, um movimento conhecido como Cisma do Oriente.

A cultura helenística era muito presente na cultura bizantina. O idioma falado era o grego, a relação com a Ásia era parte central no Império Bizantino, a invasão dos persas marcou a cultura e, logo depois, a aproximação dos árabes. A arte bizantina retrata muito bem essa pluralidade cultural.

O Império Bizantino passou por instabilidades financeiras que o enfraqueceram. No século 6, Justiniano começou o seu declínio. Logo após o falecimento do imperador mais popular, as dificuldades não pararam de crescer.

Vários povos e impérios fronteiriços passaram a assediar o Império Bizantino, no período da Baixa Idade Média. Assim, o Ocidente buscou sua expansão em terras bizantinas, como é possível notar nas cruzadas.

A Ásia Menor e os Bálcãs foram invadidos pelos turcos-otomanos, e somente Constantinopla continuou sendo parte do Império Bizantino. Em 1453, o Império Bizantino se dissolveu, após a destruição de Constantinopla com tiros de canhões ordenados por Maomé II, sultão. Depois disso, Constantinopla se tornou Istambul, sob controle dos turcos.


Veja também:

Arte Bizantina