As Invasões Bárbaras - Idade Média


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


As Invasões Bárbaras - Idade Média

Por Anselmo Jr

OS GRUPOS BÁRBAROS:
* Tártaro-mongóis: hunos, turcos, búlgaros, húngaros(magiares).
* Eslavos: russos, poloneses, tchecos, sérvios.
* Germanos: visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, saxões, lombardos, vândalos, francos.


BÁRBAROS:
- para os romanos, bárbaros eram todos aqueles que não tinham a cultura romana, que estavam fora das fronteiras do Império.


ORGANIZACÃO SOCIAL DOS POVOS BÁRBAROS-GERMANOS:
- economia amonetária e natural.
- caça, pesca, saques, pastoreio, agricultura rudimentar.
- propriedade coletiva da terra.
- divididos em tribos.
- ágrafa.
- direito consuetudinário (baseado nos costumes e na oralidade).
- religião politeísta.
- o contato com o império romano fez aparecer a propriedade privada da terra e a desigualdade social.


AS INVASÕES BÁRBARAS:
* Tipos:
- como colonos.
- recrutados para integrar o exército romano.
- invasões (séc. IV e V): confrontos armados e guerras  trouxeram destruição e morte, contudo, contribuíram para o surgimento da sociedade européia ocidental.
+ migrações (séc. III e IV)
+ os hunos pressionaram os germanos a penetrar no Império Romano.
+ fragmentação do Império Romano do Ocidente.


OS REINOS ROMANO-GERMÂNICOS:
- Frágeis e efêmeros.
• Reino dos Suevos.
• Reino dos Visigodos.
• Reino dos Borgúndios.
• Reino dos Ostrogodos.
• Reino dos Vândalos.
• Reino dos Francos.




O REINO FRANCO
LOCALIZAÇÃO:
- Gália.

UNIFICAÇÃO POLÍTICA:
* Clóvis:
- Converteu-se ao cristianismo, estabeleceu uma aliança com a Igreja e obteve o apoio dos católicos galo-romanos.

- Promoveu a unificação política das tribos francas, fortaleceu a autoridade do rei e estimulou a integração de francos e romanos.

- Iniciou a Dinastia Merovíngia.

- feudalizacão da Europa.

- ruralizacão da economia.

- fortalecimento do poder dos proprietários de terras.

- distribuição de terras como recompensa de serviços prestados.

- perda de autoridade da dinastia merovíngia.


* Reis Indolentes:
- não se interessavam em comandar a administração do reino.

- o poder efetivo passou a ser exercido pelo majordomus (alto funcionário da corte: prefeito do palácio, mordomo do paço ou primeiro-ministro).

+ Pepino de Heristal: poder efetivo.

+ Carlos Martel: deteve o avanço muçulmano na Europa (Batalha de Poitiers).

+ Pepino, o Breve: obteve uma aliança com a Igreja e afastou o último rei merovíngio (Childerico III), tornando-se rei dos francos e iniciando a dinastia carolíngia. Apoiou o papado na luta contra os lombardos e doou a Igreja territórios no centro da Itália, chamados de Patrimônio de São Pedro (Estados Pontifícios)  reforçou o poder temporal da Igreja.

• Carlos Magno (centralização política):
- expandiu as fronteiras do reino franco.

- concessão de benefícios (terras) em troca de fidelidade  processo de feudalizacão.

- apoio da Igreja, expansão do cristianismo e coroação como imperador (Império Carolíngio).

- divisão do império em condados, ducados e marcas.

- missi dominici: inspetores reais.

- Capitulares: leis imperiais  primeiras leis escritas da Idade Média.

- Renascimento Carolíngio: desenvolvimento cultural (letras e artes): sábios, escolas (Escola Palatina), preservação da cultura greco-romana.


* Luís, o Piedoso
- disputas (batalhas) entre os filhos por causa da sucessão.

+ Tratado de Verdun (843):

- divisão do império carolíngio: Luís, o Germânico (parte oriental ou Germânia), Carlos, o Calvo (parte ocidental ou França) e Lotário (parte central ou da Itália até o mar do Norte = Lotaríngia).

- rompimento da unidade imperial e fragmentação territorial.

- enfraquecimento do poder real.

- fortalecimento da autonomia dos condes, duques e marqueses  processo de feudalizacão.

- na parte oriental, em 936, Oto I tomou o trono e, com o apoio da Igreja, em 962 foi coroado imperador do Sacro Império Romano Germânico.

- na parte ocidental, em 987, Hugo Capeto, assumiu o poder e iniciou a dinastia capetíngia.

- a Lotaríngia foi conquistada por Oto I.


RURALIZAÇÃO DA ECONOMIA: Processo de Feudalizacão.
•Fatores:

- Crise do escravismo no Império Romano: Colonato.

- As invasões germânicas.

- as concessões de benefícios aos nobres em troca de fidelidade.

- o Tratado de Verdun.

- as invasões dos árabes.

- as invasões dos vikings, árabes e húngaros (magiares) nos séculos IX e X.




A IGREJA MEDIEVAL

ORIGEM DO CRISTIANISMO:
- surgiu na Palestina.
- originou-se do Judaísmo.
- na época do Alto Império Romano.
- difusão pelos territórios do Império Romano.
- no início os cristãos foram perseguidos.
- no século IV d.C., foi legalizado e oficializado.


TEOCENTRISMO CRISTÃO:
* Igreja
- maior instituição medieval (feudal).
- hegemonia ideológica e cultural.
- impôs valores teológicos: cultura teocêntrica.
- preservou a herança (patrimônio) cultural greco-romana.
- controle da educação.
- justificava a ordem feudal.
- pregava a tripartição funcional e clerical da sociedade medieval: clero (rezar), nobreza (combater) e servos (trabalhar).
- organização hierárquica.
- converteu os bárbaros e os integrou aos romanos.
- nos reinos romano-germânicos vai exercer várias funções (políticas, administrativas, culturais, espirituais).
- ética econômica: combatia o comércio, o lucro e a usura.


CLERO:
• Secular: papa, bispos, padres  contato com o mundo, a vida, as pessoas.
• Regular: abades e monges  surgiu em reação ao desregramento do clero secular.


MOVIMENTO MONÁSTICO:
* Ordem Beneditina - São Bento
- “Regra”: castidade, caridade, pobreza, oração e trabalho.
- Conversão dos camponeses.
- Preservação da cultura grego-romana: monges copistas.
- Aprimoramento das atividades agrícolas e artesanais.


TRIBUNAIS DA INQUISICÃO:
- para combater as heresias (idéias ou ações contrárias aos dogmas da Igreja).
- Descobrir e julgar os heréticos.
- Punições: confisco de bens, excomunhão, torturas ou morte nas fogueiras.
- Combater os movimentos contrários à ordem social dominante.


CISMA DO ORIENTE (1054):
- oposição entre o papa de Roma e os patriarcas do Oriente (Constantinopla).
- Resistência oriental a estrutura pontifícia: antagonismo.
- Criação da Igreja Ortodoxa no Oriente.
- Igreja Católica Apostólica Romana no Ocidente.


A QUERELA DAS INVESTIDURAS (1085-1122):
• conflito entre o poder temporal (imperador – Henrique IV) e o poder espiritual (papa – Gregório VII).
• Motivos: o cesaropapismo (supremacia do imperador sobre a Igreja), o nicolaísmo (desregramento do clero), a simonia (comércio dos bens da Igreja), o celibato e proibição das investiduras leigas.
• Gregório VII: movimento reformista  Ordem de Cluny.
• Henrique IV: Sacro Império Romano-Germânico.
• O imperador depôs o papa.
• O papa excomunga o imperador.
• Concordata de Worms (1122): solucionou o conflito limitando o poder do imperador e afirmando a supremacia do papado  poder espiritual saiu vitorioso sobre o secular.




O FEUDALISMO
CONCEITO:
- Modo de Produção que vigorou na Europa Ocidental durante a Idade Média e que se caracteriza pelas relações servis de produção.


ORIGENS:
• Romanas:
- Clientela: relação de dependência pessoal entre indivíduos.
- Colonato: fixação do colono a terra.
- Precarium: entrega de terras a um grande senhor em troca de proteção.
- Vilas: unidades econômicas (grandes propriedades agrárias).

• Germânicas:
- Economia agropastoril.
- Comitatus: relações de fidelidade entre o chefe e seus guerreiros.
- Beneficium: concessões de terras em troca de fidelidade.
- descentralização política.


ECONOMIA:
- agrária e rural.
- auto-suficiente.
- feudo: unidade de produção  propriedade feudal ou senhorial.
- pouco uso de moeda.
- comércio reduzido  localizado.
- baixo nível técnico.
- sistema trienal de rotação de culturas: preservação do solo.


SOCIEDADE:
• estamental, hierarquizada, estratificada e clerical.
* Clero: membros da Igreja -> rezar -> controlador da ideologia medieval.
* Nobreza: posse territorial -> combater -> cavalaria (honra, desprendimento e destreza, lealdade e heroísmo) -> controlava o poder feudal.
* Servos: camponeses -> presos (vinculados, ligados) a terra, explorados, obrigados a prestar serviços (trabalhar) e pagar impostos em troca do uso da terra e de proteção militar # vilões.


POLÍTICA:
* Descentralização política: fragmentação do poder em função do parcelamento das terras.

- particularismos feudais: senhores feudais -> poder.

- o rei exercia pouca influência.

- guerras contínuas: invasões e disputas pelo poder.

- direito de governar era um privilegio de todo possuidor de feudo, implicando este privilégio obrigações muito definidas, cuja violação podia acarretar a perda do feudo.

- direito consuetudinário.

-> Monarquias Feudais: poder particularizado, laços de dependência pessoal, caráter simbólico do poder real e fragmentação político-territorial.



A DIVISÃO DO FEUDO: Mansos ou reservas.
• Manso senhorial (domínio): uso exclusivo do senhor feudal.

• Manso servil: arrendada aos servos e dividida em tenências.

• Manso comunal: terras comuns (pastos, bosques, florestas).



OBRIGAÇÕES SERVIS: relações servis.
- relações de exploração e dependência -> senhores e servos.

• corvéia: dias de trabalho semanal gratuito dos servos no manso senhorial  a produção era do senhor feudal.

• talha: divisão da produção servil no manso servil.

• banalidades: taxas pagas pelos servos pela utilização das instalações do feudo (celeiro, moinho, forno).

• capitação: imposto pago por cada servo individualmente.

• tostão de Pedro: imposto pago para manter a capela.

• mão-morta: imposto pago para transferir o lote de um servo falecido para seus herdeiros.

• formariage: taxa paga para se casar.

• albergagem: alojamento e produtos para os senhores em viagem.


RELAÇÕES FEUDO-VASSÁLICAS: relações vassálicas.
- relações de dependência pessoal e de obrigações recíprocas.

- suserania e vassalagem: nobre e nobre.

- suserano: doava a terra (beneficium) -> proteção.

- vassalo: recebe a terra -> fidelidade, auxílio nas guerras, pagamento de resgate.

- homenagem (cerimônia): juramento de fidelidade.

- ajuda (auxilium) e consulta (consilium) mútuas.


A IGREJA:
• Teocentrismo Cristão.
- maior instituição medieval.
- poder e riqueza.
- organização hierárquica.
- herança cultural greco-romana.
- hegemonia ideológica.
- cultura teocêntrica.
- justificava a ordem feudal.



BAIXA IDADE MÉDIA

CARACTERÍSTICAS:
• transformações na sociedade feudal: início da crise do feudalismo.

+ início da superação das estruturas feudais.

+ progressiva estruturação de um novo modo de produção, o capitalismo.

+ surgimento de uma economia comercial: dinamismo comercial.

+ surgimento de um novo grupo social, a burguesia.

+ centralização do poder real.

+ declínio do modo de produção servil.

+ desenvolvimento do trabalho livre (relações assalariadas).

+ economia monetária.

+ estruturação das monarquias nacionais feudais.

+ produção de excedentes para serem comercializados.

+ iniciaram-se as mudanças na Europa Ocidental que, a seguir, desencadearam o processo de montagem do sistema capitalista.

+ a articulação entre as três “esferas” de poder (universal, da Igreja; local, dos senhores feudais; e, nacional, dos reis) é um dos traços políticos distintivos da Baixa Idade Média. Em seu período final, esta articulação se dará em prejuízo dos poderes locais e do poder universal do papa e em benefício do poder do Estado-Nação (rei).



CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO:
• Motivos: o fim das invasões e a diminuição das epidemias.

• produção limitada: tributação e técnicas rudimentares  não atendia ao consumo.

• marginalização social: expulsão do excedente populacional do feudo.

- ocupação das aldeias e cidades.

- saques.

- batalhas feudais: belicosidade.

- Paz de Deus: proteção aos lavradores, viajantes e mulheres.

- Trégua de Deus: limitava os dias de combate no ano e proibia os combates de sexta a segunda-feira e em dias de festa.

• aperfeiçoamento das técnicas agrícolas: arado de ferro, atrelamento peitoral , ferraduras, moinho hidráulico, charrua.

• expansão dos limites do espaço agrícola: pastos e bosques  expansão agrícola.

• expansão territorial: expansão germânica para o leste, Guerra de Reconquista e Cruzadas.



AS CRUZADAS
CONCEITO:
- expedições militares organizadas pelos cristãos da Europa Ocidental para combater (guerra santa) os muçulmanos.

OBJETIVOS:
- romper o cerco muçulmano na Europa.
- libertar os lugares santos do domínio muçulmano.

SIGNIFICADO:
- expansão da cristandade ocidental.


MOTIVOS:
- o crescimento populacional e a conseqüente marginalização feudal  inadequação da estrutura feudal para absorver o crescimento demográfico.

- a solicitação de auxilio dos imperadores bizantinos diante da pressão dos turcos seldjúcidas.

- o desejo da Igreja Católica de reunificação do cristianismo: Igreja Ortodoxa.

- a força da fé.

- os interesses das cidades comerciais italianas.

- convergência de interesses entre os mais variados setores da sociedade européia.


CONCÍLIO DE CLERMONT (1095):
- O papa Urbano II conclamou aos cristãos que formassem expedições para combater os muçulmanos.


AS CRUZADAS (1096-1270):
• 8 oficiais e 2 extra-oficiais.

+ Cruzada dos Mendigos (1096): foi massacrada pelos turcos.

+ 1ª Cruzada (1096-1099): Cruzada dos Nobres  reconquistou Jerusalém e criação de ordens monásticas.

+ 2ª Cruzada (1147-1149).

+ 3ª Cruzada (1189-1192): Cruzada dos Reis  conseguiu a permissão para a peregrinação cristã a Jerusalém.

+ 4ª Cruzada (1202-1204): Cruzada Comercial  saque de Constantinopla, formação do Reino Latino de Constantinopla e Veneza assumiu o domínio do Mediterrâneo (comércio entre Ocidente e Oriente).

+ Cruzada das Crianças (1212): as crianças foram vendidas como escravas no Norte da África.

+ 5ª Cruzada (1218-1221).

+ 6ª Cruzada (1228-1229).

+ 7ª Cruzada (1248-1250).

+ 8ª Cruzada (1270).



CONSEQÜÊNCIAS:
- dinamização das relações comerciais entre Ocidente e Oriente.

- reabertura do Mediterrâneo aos europeus.

- renascimento comercial e urbano na Europa.

- crescimento da economia monetária.

- expansão do mercado.

- surgimento de novas práticas comerciais: letra de câmbio, cheque e contabilidade.

- difusão do espírito de lucro e o racionalismo econômico.

- o enriquecimento cultural das sociedades mediterrânicas.

- empobrecimento dos senhores feudais.

- fortalecimento do poder real.

FRACASSO:
+ Motivos:
- caráter superficial das conquistas, que não geraram laços de união coma população local.

- anarquia feudal: rivalidade nacional entre as potências ocidentais.

->nos aspectos político, militar e religioso as cruzadas fracassaram.

->no aspecto econômico, os resultados foram amplamente significativos.




O RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO
DEFINIÇÃO:
- intensificação do comércio, desenvolvimento do artesanato urbano e florescimento das cidades medievais, além do surgimento e fortalecimento da burguesia.


RENASCIMENTO COMERCIAL
ROTAS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL:
• rota do Mediterrâneo: Constantinopla ― Itália.

• rota de Champagne: Itália ― Champagne.
- depois, diante das dificuldades encontradas nessa rota, os italianos passaram a atravessar (através do Mediterrâneo) o estreito de Gibraltar e dali navegavam pelo Atlântico em direção ao Norte (rota alternativa), tendo Portugal como ponto de escala.
->desenvolvimento do comércio e da burguesia.

• rota do Mar do Norte: norte da Europa ― Champagne.
->além dessas rotas existiam outras rotas terrestres, fluviais e marítimas.


FEIRAS MEDIEVAIS:
- pontos de comércio sazonais e inter-regionais.

- locais de comércio de amplitude continental que dinamizaram a economia da Baixa Idade Média.

* Champagne e Flandres: principais.

- valorização dos bens móveis.

- transações financeiras.

- uso acentuado de moeda.

- atividade creditícia.

- circulação de letras de câmbio.

- atividades bancárias.

- atuação de um novo grupo social, os mercadores.

GUILDAS:
- associações de comerciantes de uma mesma cidade.
- garantir o monopólio do comércio local.
- controle dos preços das mercadorias.


HANSAS:
- associações de comerciantes de várias cidades: comércio em grande escala.
- defender os interesses comerciais da burguesia urbana.
• Merchants of the Staple: controlava a exportação de lã da Inglaterra e a importação de produtos de várias cidades flamengas.
• Hansa Teutônica ou Liga Hanseática:
- controlava o comércio no norte da Europa.
- cidades setentrionais alemãs: Lübeck, Dantzig, Hamburgo.
- dinamizaram as cidades e os mercados.
- concepções de lucro e capitalização.



RENASCIMENTO URBANO
CIDADES:
• Gênova e Veneza.
- estilo de vida urbano.
- sociedade estruturada em classes.
- pólo de atração da população rural.
- atividades comerciais, artesanais e bancárias.
- burgos (fortificações): burguesia
- submissão à autoridade dos senhores feudais: impostos.



MOVIMENTO COMUNAL:
- as cidades passaram a lutar pela independência: autonomia urbana (emancipação da tutela feudal).

• Cidades Francas: cidades que conseguiram sua autonomia por meios pacíficos através de acordos (Carta de Franquia) com os senhores feudais (indenizações).

• Cidades Comunas: cidades que conseguiram sua autonomia através da luta armada, buscando o apoio real diante da resistência dos senhores feudais.

+ a burguesia assume o controle administrativo das cidades: os serviços urbanos eram proporcionados pelos grandes comerciantes.



CORPORAÇÕES DE OFÍCIO:
- associações de artesãos de um mesmo ofício (ramo de atividade).
- objetivos: impedir a concorrência, garantir a qualidade dos produtos e organizar os horários de trabalho.
- código de ética: “justo preço” -> o valor de um produto era representado pela adição do custo da matéria-prima ao custo do trabalho.
- oficina: organização hierárquica -> mestre, oficial, aprendiz e o jornaleiro  não existia completa separação entre capital e trabalho nem especialização com divisão do trabalho.




FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS
DEFINIÇÃO:
- Processo de centralização do poder e de unificação política ocorrido na Baixa Idade Média e que vai promover o fortalecimento do poder real e o surgimento das modernas nações, dos governos e das instituições nacionais.

SIGNIFICADO:
• A centralização monárquica criou as condições institucionais necessárias ao desenvolvimento econômico e cultural na Baixa Idade Média (de meados do século XI até o início do século XIV):

- vigoroso processo de crescimento: da população, da produção, do comércio, das corporações de ofício, das cidades.

- expansão militar e territorial: cruzadas, Reconquista, colonização do Leste.

- desenvolvimento cultural e artístico: universidades, catedrais.



FATORES:
- a crise do sistema feudal: dissolução da ordem feudal clássica.

- o renascimento comercial e urbano.

- o fortalecimento da burguesia.

- a aliança do rei com a burguesia.

- o enfraquecimento da nobreza.

- a evolução da economia capitalista-burguesa.

- o desenvolvimento da concorrência internacional comercial.

- a luta entre as classes sociais (burguesia X nobreza).



MECANISMOS DE CENTRALIZAÇÃO:
- Eliminação do particularismo feudal (submetendo a nobreza) e do universalismo da Igreja (limitando sua atuação).

- centralização do poder: fortalecimento do poder real.

- unificação política, monetária, tributária e de pesos e medidas.

- justiça real: juizes.

- exército nacional.

- burocracia.


A FORMAÇÃO DA MONARQUIA FRANCESA:
• Dinastia Capetíngia:
- Hugo Capeto, conde de Paris, assumiu, em 987,o trono francês.
- início do processo de centralização: poder real forte e de caráter nacional  superação da autonomia da autonomia dos senhores feudais.


* Filipe Augusto:
- apoio da burguesia: expansão do comércio.
- formação de um exército nacional.
- expansão das fronteiras do reino: Normandia.
- funcionários reais (bailios e senescais) recolhiam os impostos nacionais e impunham as leis e a justiça real.


* Luís IX:
- combateu o particularismo feudal.
- ampliação dos poderes dos tribunais reais.
- instituição de uma moeda de circulação nacional.


* Filipe IV, o Belo:
- entrou em choque com a Igreja devido a sua política de fortalecimento da monarquia.
- para contornar a crise econômica que seu reinado atravessava, decidiu cobrar impostos ao clero e enfrentou, por isso, forte oposição do papa Bonifácio VIII, que ameaçou excomungá-lo.
- buscou apoio da sociedade e constituiu a Assembléia dos Estados Gerais (clero, nobreza e comerciantes): autorizou a cobrança dos impostos clericais.


• Cisma do Ocidente:
+ Cativeiro de Avignon ou Cativeiro da Babilônia (1307-1377): Filipe IV, depois da morte de Bonifácio VIII, interferiu na escolha do sucessor, Clemente V, que, pressionado pelo rei, transferiu a sede do papado de Roma para a cidade francesa de Avignon  submissão de vários papas à tutela dos reis franceses  supremacia do poder real  o poder secular saiu vitorioso sobre o poder espiritual.
- nesse período, a Igreja chegou a ter três papas: um em Avignon, outro em Roma e outro em Pisa.
- conseqüências: oposição teológica e colapso do poder universal da Igreja.
- em 1417 foi eleito um único papa (Martinho V) e Roma voltou a ser a única sede do papado.


A FORMAÇÃO DA MONARQUIA INGLESA:
• no século V, os anglos e os saxões formaram sete reinos bárbaros: heptarquia saxônica.
- nos séculos VI e VII, observamos a composição de três reinos.
- no século IX, formaram o Estado anglo-saxônico: feudalizacão.

• no século XI, o reino anglo-saxônico é conquistado pelos vikings (dinamarqueses): Guilherme I, o Conquistador, duque da Normandia: início da dinastia normanda.
- subordinação da nobreza.
- poder centralizado.
- divisão da Inglaterra em condados (shires), supervisionados por funcionários do rei (sheriffs).

• dinastia plantageneta ou angevina:

+ Henrique II (conde Anjou):
- ampliação dos poderes reais.
- fortalecimento da justiça real: common law  lei imposta a toda a Inglaterra e aplicadas por juizes.

+ Ricardo I, Coração de Leão:
- sua ausência no governo (batalhas) e o aumento dos impostos provocaram insatisfação geral e, consequentemente, debilitou o poder real e fortaleceu o dos senhores feudais.

+ João Sem Terra:
- abuso na taxação de impostos e sucessivas derrotas militares contra a França : revolta dos senhores feudais, apoiados pelos burgueses.

->Magna Carta (1215): imposta pelos nobres, com o apoio da burguesia, ao rei.
- estipulava que o rei só poderia aumentar impostos ou alterar as leis com o consentimento do Grande

Conselho (clero e nobreza).
- representa a base das liberdades inglesas e a imposição da autoridade dos nobres sobre o poder real.

+ Henrique III:
- Provisões ou Estatutos de Oxford (1265): incluía a burguesia no Grande Conselho.
- em 1295, o Grande Conselho transformou-se no Parlamento inglês.



A FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS IBÉRICAS:
- a Península Ibérica, depois da queda do Império Romano, foi invadida pelos visigodos e, em 711, pelos árabes que, destruindo o reino visigótico cristão, deslocou os cristãos para o Norte (Reino das Astúrias).

- A unificação política espanhola e portuguesa não está relacionada a evolução da economia capitalista-burguesa nem a aliança do rei com a burguesia.

- a formação das monarquias ibéricas relaciona-se com a necessidade que tiveram os nobres de se unir na luta contra os mouros no decorrer da Guerra de Reconquista (luta para expulsar os sarracenos da Península Ibérica).



• Espanha:
- na luta contra os mouros, formaram-se, ao longo dos séculos XI e XII, os reinos de Leão, Castela, Navarra e Aragão  Castela e Aragão anexaram Leão e Navarra.
- em 1469, Castela e Aragão unificaram-se através do casamento de Fernando de Aragão e Isabel de Castela.
- em 1492, com a conquista de Granada, último reduto árabe na península Ibérica, completou-se o processo de formação da monarquia nacional espanhola.



• Portugal:
- Henrique de Borgonha, nobre francês, recebeu do rei Afonso VI, de Leão, o Condado Portucalense, como recompensa pelos seus esforços na luta contra os muçulmanos na península Ibérica.

- em 1139, Afonso Henriques, proclamou a independência do Condado Portucalense, promovendo, assim, o surgimento do reino de Portugal e o início da dinastia de Borgonha.

+ Dinastia de Borgonha:
- fortalecimento do poder real.
- surgimento e fortalecimento da burguesia lusitana: desenvolvimento da atividade pesqueira, incremento da produção agrícola e a inauguração da nova rota comercial italiana.


* Revolução de Avis (1383-1385):
+ Motivos:
- a sucessão do trono português depois da morte do último rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando.
- o interesse da nobreza de entregar a coroa portuguesa ao rei de Castela.
- os conflitos entre a nobreza e a burguesia, que não aceitava a intenção da nobreza.

+ O conflito:
- burguesia e o povo (“arraia miúda”) X nobreza e castelhanos
->apoiavam D. João, o Mestre de Avis.
- em 1385, os castelhanos são derrotados na Batalha de Aljubarrota.
- Início da Dinastia de Avis, com D, João sendo coroado rei.

+ Dinastia de Avis:
- aliança do rei com a burguesia.
- fortalecimento do poder real.
- desenvolvimento do comércio.
- expansão ultramarina portuguesa.



ITÁLIA E ALEMANHA:
- Estas regiões não promoveram a unificação/centralização nesse período devido a força dos poderes particularistas feudais e da influência do poder universal da Igreja.



A CRISE FINAL DO FEUDALISMO (SÉC. XIV E XV)
DEFINIÇÃO:
- Processo de desagregação das estruturas feudais provocado pelo desenvolvimento comercial e urbano e pela sua incapacidade de atender as novas necessidades surgidas no final da Idade Média, com isso, inicia-se um processo de transição para um novo modo de produção, o capitalismo.


FATORES:

+ Grande Fome (1315-1317): devido à forma de exploração utilizada durante toda a Idade Média houve esgotamento do solo e, conseqüentemente, a produção agrícola diminuiu  subida dos preços  fechamento dos mercados nas cidades  fome no campo e nas cidades  diminuição da população.

+ Peste Negra (1347-1350): assolou a Europa causando milhões de mortes  diminuição da população.

+ Guerra dos Cem Anos (1337-1453):

- Inglaterra X França.

- Motivos: a sucessão do trono francês e a disputa pela região de Flandres.
->disputavam o trono: Filipe de Valois ( nobre francês) e Eduardo III (rei inglês).
 Lei Sálica
- Joana D’Arc: levantou o ânimo nacional francês, abatido pelas sucessivas derrotas diante da Inglaterra.

- vitória francesa.

- conseqüências: enfraquecimento da nobreza feudal e fortalecimento do poder real.

+ Revoltas Camponesas (1358): motivadas pelas derrotas francesas em Crécy e Poitiers, a crise geral do feudalismo e a superexploração feudal  também ocorreram revoltas urbanas.

+ falta de mão-de-obra.

+ escassez de metais preciosos.

+ retração do comércio.
->as crises dos séculos XIV e XV, embora tivessem um efeito generalizado por toda a Europa, não afetaram com a mesma intensidade todas as regiões que a sofreram.

->a partir dessa crise, as próprias soluções encontradas pelos europeus para superá-la, acabam por provocar a desintegração do Feudalismo  essa desintegração não ocorre repentinamente, antes, é um longo processo que se completará em momentos distintos em cada região da Europa.

->início da transição do feudalismo para o capitalismo.



A TRANSIÇÃO DO FEUDALISMO PARA O CAPITALISMO
DEFINIÇÃO:
- processo conhecido tradicionalmente como “Época Moderna”, estende-se tradicionalmente do século XV ao XVIII e é assinalado, na Europa Ocidental, por uma série de transformações que, vistas em conjunto, constituem o momento da transição, isto é, da passagem do Feudalismo para o Capitalismo.


AS TRANSFORMAÇÕES DA TRANSIÇÃO:
+ os mecanismos através dos quais a sociedade européia procurou superar a crise dos séculos XIV/XV.

+ sob a aparência de grandes mudanças ainda persistia uma estrutura essencialmente feudal: verifica-se a convivência de uma velha estrutura e de elementos novos, tipicamente capitalistas, que começam a aflorar.

- Crise dos séculos XIV e XV.

- Expansionismo Marítimo.

- Renascimento.

- Reforma.

- Absolutismo.

- Estado Nacional.

- Mercantilismo.

- Sistema Colonial.

- Acumulação Primitiva de Capital.

O ANTIGO REGIME EUROPEU:
+ capitalismo comercial (mercantilismo): valorização dos bens móveis, do comércio e da capitalização  coexistência de relações feudais e relações capitalistas.

+ absolutismo: Estado interventor.

+ sociedade estamental: sociedade de ordens.

+ intolerância religiosa e filosófica.


ACUMULAÇÃO PRIMITIVA:
- a expropriação das terras dos camponeses: cercamentos (enclosure) -> constituição do proletariado.

- as leis (sanguinárias) proibindo a mendicância e a vadiagem -> disciplinar a nova mão-de-obra.

- comércio: saques, pirataria, práticas mercantilistas, o tráfico de escravos.

- a exploração colonial.

- as manufaturas.

- violência.





Saiba mais

Buscas relacionadas a As Invasões Bárbaras - Idade Média em História.


[ Pesquisa escolar lida 95620 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Renascimento Cultural
Foi um movimento que difundiu principalmente nas cidades italianas, pois era um centro de idéias, onde todos os tipos de pessoas cruzavam diariamente ...
Lido: 13874 Vezes

A Peste Negra
A Peste Negra, conhecida também como Peste Bubônica, foi o nome dado a uma doença originária do Oriente, que se alastrou na Europa entre os anos de 13...
Lido: 64004 Vezes

Alemanha
Alemanha, república federal localizada na Europa Central. Limita-se ao norte com o mar do Norte, a Dinamarca e o mar Báltico; ao leste com a Polônia e...
Lido: 27201 Vezes

Renascimento do Harlem
INTRODUÇÃO Renascimento do Harlem, foi o movimento cultural afro-americano do final dos anos 1920, início da década de 1930, e que nasceu na área do ...
Lido: 5339 Vezes

O Ciclo do Capitalismo
Por: Janisson Nascimento de Souza Podemos inferir que o capitalismo irá transformar a história da humanidade em todos os aspectos, desde a família, s...
Lido: 9934 Vezes

O Novo Capitalismo
Ignacio Ramonet Dedicando-se à rapinagem desenfreada, os private equities tornaram-se um dos principais fatores da atual instabilidade econômica. Um ...
Lido: 10969 Vezes

Ordens Religiosas em Portugal
Ordens religiosas em Portugal, no período anterior à fundação da nacionalidade já existiam mosteiros pertencentes a diversas regras no território do c...
Lido: 7761 Vezes

Feudalismo em Portugal
Feudalismo em Portugal, com base na mais recente historiografia, considera-se terem vigorado em Portugal instituições de tipo feudovassálico, assentes...
Lido: 10659 Vezes

Renascimento
O Renascimento, movimento artístico, científico e literário que floresceu na Europa entre o período corresponde à Baixa Idade Média e início da Idade ...
Lido: 119716 Vezes

Portugal
Posto avançado da Europa sobre o Atlântico, Portugal é um dos países que descobriram e consolidaram os novos horizontes do mundo moderno, e viveu a ma...
Lido: 16946 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.