Signo linguístico

Na língua portuguesa, o conceito de signo linguístico representa dois elementos importantes, o significado e o significante. Ao pensarmos em um carro, por exemplo, formamos uma imagem em nossa mente, nos lembramos do barulho do motor, da forma de dirigir, dos modelos e tudo mais que está relacionado a um veículo. Essas lembranças e informações formam o significante, que é a imagem que nosso cérebro monta do carro, que é o signo.

Ao ouvirmos a palavra carro, lembramos automaticamente do veículo utilizado para transportar as pessoas e famílias no dia a dia. O conceito está formado em nossa mente e corresponde ao significado.

Os signos ajudam a formar a língua portuguesa e obedecem as normas gramaticais. Para conhecer as regras e o idioma, é fundamental aprender a identificar os signos e as regras que os combinam com outros elementos do idioma, como os artigos, por exemplo.

Na prática, signo é igual a significado, ou seja, é a ideia por trás de uma palavra ou nome. O significado é um conceito abstrato, já o significante é a imagem sonora que se forma a partir da forma concreta de um signo.

O signo linguístico estabelece uma relação entre um significado e um significante. Este conceito foi descrito por Ferdinand de Saussure, no Curso de Linguística Geral, referenciando as ideias de imagem sonora, significado e signo.

Em resumo, os signos linguísticos representam as ideias associadas às palavras. O signo é uma unidade com sentido e consiste em:

Significado – Um conceito

Significante – Uma imagem sonora

Os signos linguísticos também podem ser compreendidos como unidades de sequências de sons, com correspondência gráfica e com significado. São importantes instrumentos da comunicação humana e representam conceitos variados que configuram a realidade de maneira linguística.

Ao final, a combinação de signos, língua e fala resulta na comunicação e na linguagem humana. Todo idioma é um sistema completo de signos.

Veja também:
História do Alfabeto
Escrita



Signo linguístico

Por

Compartilhe