Guerra de Canudos

Resumo sobre a Guerra de Canudos

A Guerra de Canudos aconteceu no nordeste brasileiro no final do século XIX, mais precisamente entre os anos de 1893 e 1897. Nessa época, o nordeste do Brasil vivia uma realidade de fome, seca, miséria, violência e abandono político. Os nordestinos se encontravam desamparados e a mercê da autoridade e do poder dos coronéis.

Em meio a esse cenário, um homem chamado Beato Antônio Conselheiro passou a espalhar o fanatismo religioso pelo sertão da Bahia, dando origem a um movimento popular formado por fanáticos, jagunços e sertanejos desempregados. Conselheiro se dizia enviado por Deus para acabar com as diferenças sociais e os pecados republicanos.

Com seu discurso fervoroso, Antônio Conselheiro arrebatou multidões de pessoas que desejavam sair da extrema pobreza. Esse movimento deu início a uma revolta, a qual o governo da Bahia não foi capaz de conter inicialmente. Assim, as forças da República tiveram que intervir para dissolver o grupo do Beato Conselheiro.

A região de Canudos ficava na zona de influência do Barão Jeremoabo. Em 1896, a força policial do tenente Pires Ferreira foi enviada pelo governo da Bahia para a primeira batalha, mas acabou derrotada pelo grupo de Antônio Conselheiro. Depois disso, as forças oficiais realizaram mais três ofensivas contra Canudos. Na quarta, e última tentativa, que aconteceu entre os meses de setembro e outubro de 1897, um grupo de 6 mil homens, comandado pelo general Artur Oscar de Andrade Guimarães, conseguiu invadir e destruir o arraial.

Ao chegar ao fim, a Guerra de Canudos deixou mais de 5 mil mortos. A história desse movimento popular foi registrada por Euclides da Cunha, no livro “Os Sertões”.

Antônio Conselheiro

Leia: Antônio Conselheiro


Como foi a Revolta de Canudos

No Sertão da Bahia, nos anos de 1893 a 1897 ocorreu uma Guerra que ficou conhecida como Revolta de Canudos. A Guerra se deu por meio de um movimento de resistência contra a opressão dos grandes proprietários rurais em Arraial de Canudos.

O movimento foi um reflexo devido as misérias em que a população marginalizada do Sertão do Nordeste vivia.

O início

O Brasil naquela época tinha uma estrutura latifundiária, onde a monocultura era predominante com a ajuda da mão de obra dos trabalhadores que viviam com grande dificuldade, na própria miséria.

Foi aí então que o movimento se deu, no Sertão seco, quase isolado e totalmente escasso de recursos alimentícios, quando ainda prevalecia a República Velha e os sertanejos resolveram formar os grupos de Cangaceiros e Jagunços ou até mesmo se alinhavam aos religiosos.

Leia: Cangaço

Os jagunços estavam à disposição dos coronéis, para defenderem suas terras e dar fim na vida de rivais políticos. Os Cangaceiros atacavam as grandes propriedades dos coronéis e colocavam medo nos latifundiários e os religiosos andavam pelo sertão pregando suas religiosidades e seguidos por vários fiéis.

Por meados de 1893, os religiosos reuniram-se em Arraial de Canudos, próximo ao rio Vaza-Barris, no estado da Bahia para pregar a salvação de quem seguisse Antônio Conselheiro. Após passar por Pernambuco e Sergipe em grande peregrinação, se instalaram em Canudos, onde criaram a civilização de Belo Monte.

Criaram uma civilização onde todos eram donos de tudo e em 1896, quando iniciou a Guerra de Canudos, a cidade de Belo Monte possuía 5 mil casas e cerca de 30 mil habitantes.


A Guerra propriamente dita


A Revolta de Canudos

Para os que viviam na miséria, Belo Monte era a terra prometida e todos estavam migrando para lá, o que fazia com que os coronéis, padres e políticos ficassem furiosos por perder os seus servidores.

Padres e grandes coronéis fizeram pressão para o governo da Bahia, que fez o envio de duas expedições de militares e os soldados foram vencidos pelos grandes homens do Conselheiro que tinham habilidade de lutar corpo a corpo.

Não convencidos de perder a Guerra, o Vice-Presidente Manuel Vitorino enviou uma nova tropa, comandada por Moreira César, que foi morto na derrota da terceira expedição.

A guerra só foi vencida, após uma nova expedição com 5 mil soldados invadir a cidade de Canudos afim de acabar com a civilização. Com a ajuda de grandes armas e canhões, Canudos foi totalmente finalizado em 5 de outubro de 1897.