Diabetes e Gestação

A Diabetes, diabetes mellitus, é uma comorbidade de risco ligada à dificuldade de metabolizar o açúcar, glicose, produto da digestão de carboidratos como pães, doces, batatas e sucos de frutas.

Nossas células precisam dessa energia, mas e se não estiver disponível para uso?

A glicose advinda da nossa digestão só consegue ser utilizada quando um hormônio chamado insulina, produzido nas células Beta do pâncreas, também está presente no sangue. Na Diabetes tipo 1 o organismo ataca as células beta (autoimunidade), e, de tipo 2, há uma insuficiência na produção de insulina.
É possível desenvolver Diabetes, portanto, sem histórico familiar.

E quanto ao diabetes na gestação?

Leia também: Diabetes e Seus Tipos

Grávida segurando sua barriga


DIABETES GESTACIONAL

Quando uma futura mamãe descobre a gravidez um dos primeiros exames a serem feitos é o da glicemia em jejum para medir o nível de glicose no sangue- ainda que não haja histórico ou condição diabética prévia.

A gestação é um período de extremas mudanças metabólicas no corpo feminino, com efeito normal de resistência insulínica. A placenta, por exemplo, produz hormônios insulino-resistentes como a progesterona e o GH. Por tal razão, deve-se sempre acompanhar as taxas glicêmicas e seguir as recomendações médicas.

É muito provável que o desenvolvimento da diabetes durante a gestação se encerre com o parto. Mas até lá, muita atenção!

Com taxas de glicose persistentemente altas, a mamãe oferecerá muita glicose ao feto. O resultado é uma hiperglicemia e decorrente aumento de peso e tamanho.

Parece tudo bem um bebê grande e parrudo? Nesse caso não é!

Esse quadro de crescimento anormal, quando não controlado, poderá ter como consequência uma série de complicações ao bebê, como risco de danos neurológicos e cardíacos.

E ainda por cima, existem estudos retratando riscos metabólicos sérios. E ninguém quer que seu pequeno tenha maior probabilidade de ganhar peso e desenvolver diabetes e hipertensão, não é mesmo?

Prevenção é a indicação da vez. É assim que ainda não aparecendo alteração glicêmica alguma naquele exame de primeiro trimestre, outros testes são realizados. Em especial por volta da 24º e 30º semana em que se testa a curva glicêmica (medição concatenada da taxa de açúcar).

E se for constatada a diabetes, quais são as recomendações básicas?


TRATAMENTO DA DIABETES GESTACIONAL

O protocolo de tratativa da Diabetes gestacional segue a linha de encaminhamento ao nutricionista e, geralmente, ao endocrinologista.

É preciso diminuir a oferta de açúcar disponível, sem, contudo, deixar a gestante num estado hipoglicêmico, com pouca glicose - também prejudicial.

É recomendada uma dieta com pouquíssimos carboidratos complexos (massas, pães e doces) e maiores quantidades de fibras. Reduzir a frequência de ingestão alimentar e praticar exercícios físicos regulares também são indicações médicas uniformes.

O controle das taxas, todavia, passa a ser realizado diariamente. Em uma média de quatro vezes ao dia será necessário usar aquela agulhinha e furar o dedo. A gotinha de sangue é disposta então no marcador do aparelho portátil, o glicosímetro.

As taxas devem ser monitoradas em jejum e após as três refeições principais (café da manhã, almoço e jantar).

Como se pode perceber, é preciso adquirir o glicosímetro e disciplinadamente proceder a medição.

Em casos de taxas muito elevadas, porém, também será preciso administrar a insulina.


Veja também:

Doenças que mais afetam as gestantes

Exames Pré-natal

Pirâmide Alimentar