A depressão é uma doença que ainda carrega muitos estigmas e preconceitos. Na verdade, este é um transtorno psicológico grave, que pode acarretar diversos problemas de saúde e até causar a morte. Muitas vezes, a depressão é confundida com tristeza.

Em geral, os pacientes ficam abatidos, desinteressados pela vida, alegam falta de prazer e pouco interesse pelas atividades do cotidiano. É uma doença incapacitante que pode atingir pessoas de todas as idades. O médico psiquiatra está preparado para fazer o diagnóstico e organizar o tratamento.

A depressão é causada por uma alteração na química cerebral, com redução no número de neurotransmissores responsáveis pela felicidade, chamados de serotonina. A sensação de satisfação e bem-estar está diretamente ligada à produção de serotonina.

Os pacientes depressivos também apresentam redução da imunidade e aumento de inflamações, sendo estes os fatores que tornam as doenças cardíacas mais comuns nestas pessoas.

Entre os principais sintomas da doença estão os seguintes:

  • Desânimo;
  • Fraqueza;
  • Angústia;
  • Cansaço;
  • Irritabilidade;
  • Insônia ou sono de baixa qualidade;
  • Pensamentos negativos;
  • Pensamentos sobre morte;
  • Redução no apetite;
  • Perda de interesse pela atividade sexual;
  • Dificuldade para se manter concentrado;
  • Comportamentos compulsivos, como comer exageradamente;
  • Uso excessivo de álcool e outras drogas;
  • Estresse elevado.

A depressão pode causar outros problemas mentais ou variações da depressão, como transtorno bipolar, transtorno depressivo maior, distimia, depressão pós-parto e psicose. Os pacientes depressivos costumam apresentar alguns sintomas, como surtos, agitação, humor depressivo, azia e má digestão, pressão no peito, tensão na nuca e dor de cabeça.

Homem com Depressão

Outros problemas correlatos à depressão são: ansiedade crônica, obesidade, sedentarismo, alteração hormonal e mudança de comportamento.

Pacientes com predisposição para depressão podem desencadear a doença ou ter o quadro agravado com acontecimentos traumáticos, como separação conjugal, perda de empresa e falecimento de algum membro da família. Geralmente, após estes episódios, os sintomas ficam mais evidentes.

Para espantar a tristeza sem fim da rotina, é importante gerenciar o estresse e compartilhar as dificuldades do dia a dia. Ler, aprender coisas novas, ter hobbies e se divertir ajudam a manter a cabeça ativa e livre de pensamentos negativos ou preocupações excessivas. O otimismo, ladeado de bom-senso, assegura o bem-estar emocional.

A máxima “mente sã, corpo são” é cientificamente aceita e o caminho inverso também procede. Ou seja, cuidar do organismo reflete na saúde mental. Nesse ponto, o conselho é praticar atividade física regularmente, inclusive porque estudos atestam que elas incentivam a liberação de hormônios e outras substâncias importantes para a manutenção do humor.

Pesquisas recentes revelam que até a dieta influencia as emoções. Nesse quesito, vale se inspirar no cardápio dos mediterrâneos, abastecido de azeite de oliva, peixes, frutas, verduras e oleaginosas (nozes, castanhas, etc.). As gorduras e os antioxidantes presentes nesse menu estão associados a maior proteção e conservação das redes de neurônios. Quando a comunicação entre as células nervosas está afiada, não sobra espaço para a angústia se apoderar da cabeça.

Mulher triste


Como identificar e fazer o tratamento da depressão?

No diagnóstico da depressão, o médico faz uma avaliação completa do histórico do paciente e de seus familiares. O paciente também precisa descobrir se sua depressão é leve, moderada ou grave.

Pacientes com depressão podem fazer tratamento por curtos ou longos períodos. Os psiquiatras costumam receitar medicamento e indicar tratamento terapêutico com o psicólogo.

Além de usar remédio para depressão, os pacientes precisam adotar uma nova rotina, mais saudável, leve e prazerosa, que seja otimista. Enquanto a medicação age para regular a química cerebral, o paciente deve começar um novo estilo de vida. O tratamento psicológico busca amenizar os sintomas, assim como investigar as causas do problema e corrigi-las, caso seja possível.


Veja também:

O que um Psiquiatra, Psicólogo, Psicanalista e Psicoterapeuta fazem?

Leia também! Assuntos relevantes