Caio Fernando Abreu

Autores
Por

Pense em um cara que seja escritor, dramaturgo e jornalista, Caio Fernando Abreu é justamente essa pessoa. Trata-se de alguém que foi um dos maiores representantes que marcaram a cena cultura do Brasil dos anos 80.

A cidade de nascimento foi em Santiago do Boqueirão, interior do estado do Rio Grande do Sul, no dia 12 de setembro do ano de 1948. O primeiro texto escrito foi em 1954, quando Caio Fernando Abreu tinha apenas 12 anos.

Aos 15 anos, muda-se para Porto Alegre e foi onde deu para cursar o colegial. Quando completou a maioridade, lançou o primeiro conto, “O Príncipe Sapo”. A revista Cláudia publicou e o primeiro romance dele “Limite Branco”.

Evolução de Caio Fernando Abreu com o passar dos tempos

Em 1967, Caio Fernando Abreu resolve ingressar nos cursos de Letras e também nas de Artes Cênicas. O local escolhido foi a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, porém não conseguiu terminar o curso.

No ano de 1968, Caio se muda para São Paulo e o objetivo é conseguir ingressar na primeira redação da Veja. A seleção foi nacional e a amizade com Cazuza, embora ambos morassem em locais distintos, ficou conhecida.

Caio Fernando Abreu começa a ser perseguido pela ditadura militar e resolve se mudar para o Rio de Janeiro. No entanto, resolve retornar a Porto Alegre e é preso devido ao porte de drogas.

De antemão, o ano de 1973 reserva um exilio na Europa, especialmente na cidade de Londres e Estocolmo. Sendo assim, Caio Fernando Abreu passa a lavar pratos para se sustentar e em 1974 decide voltar para Porto Alegre.

Antes de mais nada, as obras foram muitas, porém duas foram as mais conhecidas e é importante saber melhor. Logo, chega-se a hora de conhecer melhor e a seguir confira quais são as informações sobre cada uma:

  • O Ovo Apunhalado (1975) - São 21 contos que são divididos em três partes: ALFA, BETA e GAMA. A obra demonstra os fatos mais comuns da década de 70 e existiu muitos cortes da censura do Regime Militar.
  • Morangos Mofados (1982) - Essa é a obra mais popular e cada conto é uma espécie de curta-metragem sobre a grande metrópole. Bem como, mostra os zumbis que habitam as áreas de penumbra.


Prêmios

Caio Alberto Abreu conseguiu receber três vezes o Prêmio Jabuti, sempre na categoria “Contos, Crônicas e também Novelas com obras”. Veja a seguir quais foram essas obras que deram esse prêmio:

  • O Triângulo das Águas (1984);
  • Os Dragões Não Conhecem o Paraíso (1989);
  • As Ovelhas Negras (1995).

O Prêmio Moliere foi entregue a 1988 e a obra foi “A Maldição do Vale Negro”, mas recebeu outro prêmio em 1991. Trata-se do APC de melhor romance do ano e, por fim, ainda foi adaptado para as telas de cinema.


Doença e Morte

Caio Fernando Abreu passou a escrever crônicas semanais para o jornal “Estado de São Paulo” em 1994. Contudo, um ano depois, descobre que é portador do vírus HIV e declara publicamente que é soropositivo.

Certamente que foi por meio de três cartas, denominadas como “Cartas para Além do Muro”. Caio Fernando Abreu falece em Porta Alegre no dia 25 de fevereiro de 1996 e está sepultura no Cemitério São Miguel e Almas.


Crédito da foto da capa: Voarforadaasa.blogspot


Leia também: Crônica

Compartilhe