Os Grupos Sanguineos


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Os Grupos Sanguineos

Por Maria Teresita Bendicho

Autor : Maria Teresita Bendicho

INTRODUÇÃO
Foi no século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner e em 1902 o grupo AB por De Costello e Starli. A descrição do sistema Rh foi posterior (1940), por Landsteiner e Wiener.

Os grupos sanguíneos são constituídos por antígenos que são a expressão de genes herdados da geração anterior. Quando um antígeno está presente, isto significa que o indivíduo herdou o gene de um ou de ambos os pais, e que este gene poderá ser transmitido para a próxima geração. O gene é uma unidade fundamental da hereditariedade, tanto física quanto funcionalmente.


SISTEMA ABO
Há vários grupos sangüíneos herdados independentemente entre si. São conhecidos diversos sistemas de grupo sangüíneos.

Entre eles podemos citar os sistemas ABO, Rh, MNS, Kell, Lewis, etc. O sistema ABO é o de maior importância na prática transfusional por ser o mais antigênico, ou seja, por ter maior capacidade de provocar a produção de anticorpos, seguido pelo sistema Rh.

Os antígenos deste sistema estão presentes na maioria dos tecidos do organismo . Fazem parte deste sistema três genes A, B e O podendo qualquer um dos três ocupar o loco ABO em cada elemento do par de cromossomos responsáveis por este sistema.

Os genes ABO não codificam diretamente seus antígenos específicos, mas enzimas que tem a função de transportar açúcares específicos, para uma substância precursora produzindo os antígenos ABO.

O indivíduo do grupo AB é possuidor de um gene A e de um gene B, tendo sido um herdado da mãe e o outro do pai. Ele possui nos seus glóbulos vermelhos os antígenos A e B, seu genótipo é AB.

No caso do grupo O, foi herdado do pai e da mãe o mesmo gene O. O gene O é amorfo, isto é, não produz antígeno perceptível. As células de grupo O são reconhecidas pela ausência de antígeno A ou B. Quando o gene O é herdado ao lado de A, apenas o gene A se manifesta; e se é herdado ao lado do gene B apenas o gene B se manifesta.

Ao realizarmos os testes rotineiros em laboratório, não podemos diferenciar os indivíduos BO e BB, e nem AO e AA. Os símbolos A e B, quando nos referimos a grupos, indicam fenótipos, enquanto que AA, BO etc. são genótipos (ver quadro abaixo).


É dito homozigótico quando o indivíduo é possuidor de genes iguais (AA, BB, OO), e heterozigótico quando os genes são diferentes (AO, BO, AB).


A CLASSIFICAÇÃO SANGÜÍNEA
A determinação do grupo sangüíneo deste sistema, é feito usando dois tipos de teste.

1o – Através da identificação da presença de antígenos nos eritrócitos, usando reativos compostos de anticorpos conhecidos (anti-A, anti-B, anti-AB). Esta é a chamada classificação ou tipagem direta .

2o – Através da identificação da presença de anticorpos no soro/plasma usando reativos compostos de antígenos conhecidos (hemácias A e hemácias B). Esta é a classificação ou tipagem reversa (ver quadro abaixo).


Regularmente as pessoas expostas a um antígeno que não possuem, podem responder com a produção de um anticorpo específico para este antígeno. Entretanto, há alguns antígenos que possuem uma estrutura que se parece muito com antígenos de bactérias e planta, aos quais estamos constantemente expostos. Nestes casos, ocorre a produção de anticorpos a partir do contato com as bactérias e plantas, e não ao antígeno eritrocitário.

Neste grupo encontramos os antígenos do sistema ABO. Por este processo, os indivíduos com idade superior a seis meses, possuem o anticorpo contra o antígeno que não tem, pois já foram expostos a essas bactérias e plantas, através da alimentação. Estes anticorpos são chamados de isoaglutininas ou aglutininas naturais.

Observando o quadro acima podemos perceber a presença dos antígenos e anticorpos em cada grupo sanguíneo. É nesta presença ou ausência de antígenos e anticorpos que se baseia a tipagem sanguínea e a escolha do sangue a ser transfundido.

As transfusões podem ser:
· Isogrupo – quando doador e receptor são do mesmo grupo ABO

· Heterogrupo – doador e receptor são de grupo sanguíneo diferente

A escolha do sangue se baseia em que o indivíduo não pode ser transfundido com um sangue que possua um antígeno que ele não tem, pois o anticorpo presente no seu plasma, contra esse antígeno, iria reagir com essas hemácias transfundidas. Em vista disso e observando o quadro acima, fica claro que um indivíduo do grupo A não pode tomar sangue B e assim por diante.

Sempre que possível deve se transfundir sangue isogrupo, pois se por exemplo, transfundimos um sangue do grupo O a um paciente do grupo A, junto com as hemácias transfundidas temos uma quantidade de plasma onde há anticorpo anti-A, que poderá reagir com as hemácias deste paciente causando um grau de hemólise maior ou menor, mas que poderá ter um significado a depender do quadro clinico do paciente. Cada caso deve ser analisado pelo hemoterapeuta .

Este sistema ABO, também pode ocasionar incompatibilidade materno-fetal, com desenvolvimento da doença hemolítica peri-natal. Apresenta também importância em transplantes renais ou cardíaco, com menor papel nos hepáticos ou de medula óssea. Em alguns processos pode ocorrer a perda parcial do antígeno A ou B, como em algumas leucemias.


SISTEMA Rh
Quando referimos que o indivíduo é Rh Positivo, quer dizer que o antígeno D está presente. O antígeno D foi o primeiro a ser descoberto nesse sistema, e inicialmente foi considerado como único. Além deste, foram identificados quatro outros antígenos C, E, c, e, pertencentes a este sistema. Após os antígenos A e B (do sistema ABO), o antígeno D é o mais importante na prática transfusional.

Em algumas situações podemos ter uma expressão fraca do antígeno D . Isso pode ocorrer por:

· Variações quantitativas que são transmitidas genéticamente

· Efeito de posição, sendo o mais conhecido o enfraquecimento do antígeno D quando o gen C está na posição trans em relação ao D

· Expressão parcial por ausência de um dos múltiplos componentes do antígeno D

Estes casos são chamados na prática de Rh fraco, e se refere ao que era conhecido anteriormente como Du.

Ao contrário do que ocorre com os antígenos A e B, as pessoas cujos eritrócitos carecem do antígeno D, não tem regularmente o anticorpo correspondente. A produção de anti-D quase sempre é posterior a exposição por transfusão ou gravidez a eritrócitos que possuem o antígeno D. Uma alta proporção de pessoas D-negativas que recebem sangue D-positivo produzem anti-D.

Se encontramos um anticorpo deste sistema podemos concluir que ocorreu uma imunização através de uma transfusão ou de uma gravidez. Qualquer antígeno deste sistema é capaz de provocar a produção de anticorpos, e assim a gerar situações de incompatibilidade.

Aloimunizações contra antígenos E, c, e, C são também observadas em pacientes politransfundidos, mas com uma freqüência inferior.

A maioria dos casos de Doença Hemolítica do Recém-Nascido (DHRN) é devida ao anti-D. A profilaxia por imunoglobulinas anti-D diminuiu o número de aloimunizações maternas contra o antígeno D, mas não contra E, c, e, C

Na rotina, é realizada a tipagem, apenas, para o antígeno D nesse sistema. Os outros antígenos (E, C, c, e), são determinados em situações onde ocorre incompatibilidade, e é necessário obter sangue que não possuam algum desses antígenos.

A produção de anticorpos contra estes antígenos ocorre de forma semelhante a produção de anti-D. A capacidade de provocar a produção de anticorpos destes antígenos varia. Partindo do mais imunogênico, temos D > c > E > C > e.



TRANSFUSÃO
Para efeito de transfusão, é considerado que pacientes Rh positivos podem tomar sangue Rh positivo ou negativo, e que pacientes Rh negativos devem tomar sangue Rh negativo.

Para os pacientes D fraco, existem alguns critérios a serem observados. Se o antígeno D está enfraquecido por interação gênica, estando o mesmo presente integralmente, o paciente poderá tomar Rh positivo ou negativo. Porém nos casos em que o antigeno D está enfraquecido por ausência de um dos componentes, pode ocorrer produção de anticorpos contra o antigeno D na sua forma completa. Como rotineiramente, não identificamos a causa que leva a expressão enfraquecida do antígeno, acostuma-se a dar preferência a usar sangue Rh negativo para os pacientes Rh fraco. (1)

Existem situações clínicas onde é necessário avaliar o risco X benefício, e fazer outras opções. Neste momento é necessário o acompanhamento do hemoterapeuta.


HERANÇA DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS
Sistema MN
Em 1927, Landsteiner e Levine descobriram dois aglutinogênios nas hemácias humanas, que foram denominados M e N.

A produção desses aglutinogénios é condicionada por um par de genes alelos:

· gene LM - condiciona a produção do aglutinogênio M;

· gene LN - condiciona a produção do aglutinogênio N.



Fenótipos e genótipos do sistema MN
Como entre LM e LN não há dominância, podemos distinguir os seguintes fenótipos e genótipos para o sistema MN:


As transformações sangüíneas efetuadas com incompatibilidade entre grupos do sistema MN não oferecem problema, a não ser quando elas são repetidas muitas vezes.

Sistema ABO
Voltemos, então, a considerar o sistema ABO. No sangue humano, mais especificamente nas hemácias, podem ser encontradas duas proteínas denominadas aglutinogênios A e aglutinogénios B, responsáveis pela determinação do fenótipo sangüíneo. O plasma sangüíneo, por sua vez, pode abrigar outras duas proteínas denominadas aglutininas anti-A e aglutininas anti-B.

Acontece que, num indivíduo normal, não é possível a existência de aglutinogênios e aglutininas de mesmo nome, uma vez que a ocorrência de ambas acarreta o desenvolvimento de reações do tipo antígeno X anticorpo. Assim:

· indivíduos pertencentes ao grupo de sangue tipo AB possuem aglutinogênios A e aglutinogênios B, mas são desprovidos de quaisquer aglutininas;

· indivíduos portadores de sangue tipo A possuem aglutinogênios A e aglutininas anti-B;

· indivíduos pertencentes ao grupo B possuem aglutinogénios B e aglutininas anti-A;

· indivíduos do grupo O, finalmente, possuem aglutininas anti-A e aglutininas anti-B, sendo, portanto, destituídos de quaisquer aglutinogênios.


Doadores e receptores universais
Analise o esquema abaixo, que mostra indicadas pelas setas, as transfusões possíveis quanto ao sistema ABO:

Observe que o grupo sangüíneo O pode ser doado para todos os grupos existentes (O, A, B, AB); por isso, os indivíduos portadores de sangue O são denominados doadores universais. Chamamos a atenção para o fato de que o grupo O não pode receber sangue de nenhum outro grupo: só pode receber do próprio grupo O. O grupo AB, por sua vez, pode receber sangue de qualquer outro; dai os indivíduos pertencentes a esse grupo serem denominados receptores universais.


Fator Rh
Em 1940, Landsteiner e Wiener descobriram um outro sistema de grupos

sangüíneos, a partir do sangue do macaco Rhevus (Macaca mulatta). O sangue desse macaco, uma vez injetado em cobaias ou em coelhos, provocava nesses animais a síntese de anticorpos que podiam promover a aglutinação do sangue doado.

Esse fato levou à conclusão de que o sangue do macaco continha um antígeno, que foi denominado fator Rh ou fator Rhesus. Os anticorpos produzidos pelos animais receptores foram denominados aglutinas antiRH.



O Rh+ e o Rh-
Os descobridores do fator Rh, Landsteiner e Wiener, extraíram de cobaias e coelhos soros contendo aglutininas anti-Rh. Em seguida, misturaram o soro com sangue de pessoas diversas. Constataram que, em alguns casos, as hemácias se aglutinavam, indicando a presença do fator Rh no sangue humano: essas pessoas foram denominadas Rh+. Em outros casos, as hemácias não se aglutinavam, indicando a ausência do fator Rh no sangue: essas pessoas foram denominadas Rh-.

Os indivíduos portadores de sangue Rh não possuem, normalmente, as aglutininas anti-Rh. No entanto, quando recebem sangue Rh+, tornam-se capazes de produzir essas aglutininas. Como a produção de aglutininas ocorre de forma relativamente lenta, ao se fazer transfusão de sangue de um doador Rh+ para um receptor Rh-, não deverá ocorrer a aglutinação das hemácias doadas. Mas uma segunda transfusão de sangue Rh+ poderá provocar a aglutinação das hemácias doadas, uma vez que as "novas" aglutininas produzidas, juntamente com as "antigas" (resultantes da primeira transfusão), podem perfazer uma quantidade suficientemente alta para promover a aglutinação das hemácias do doador. Em conseqüência disso, capilares sangüíneos podem ser obstruídos e levar o receptor á morte



Grupos ABO e Rhesus (D) :

Fenótipos Rh :
Configuração
Subgrupos Rh+K
(com anticorpos de origem humana)
C c E e K ctl

DiaClon Subgrupos Rh+K
(com anticorpos monoclonais)
C c E e K ctl

Subgrupos Rh+Cw+K
(com anticorpos de origem humana)
C Cw c E e K

Rh(D)+Fenotipo
(com anticorpos de origem humana)
C c D E e ctl


Reagentes de Tipagem Sanguíneos

Produto

Anti - D
Monoclonal (Blended), este reagente é uma mistura matemática de anticorpos IgG/IgM. Ele irá aglutinar todas as células vermelhas fracas (D1) e irá detectar a categoria D das células vermelhas VI.

O Anti-D IgM monoclonal é derivado do clone Th28 e o Anti-D IgG monoclonal é derivado do clone MS26.

- O componente Anti-D IgM monoclonal causará aglutinação direta das hemácias que têm o antígeno D e a maioria das variantes Du.

- O componente anti-D IgG monoclonal aglutinará as baixas expressões de Du através do teste de


Características Básicas

Anticorpos
- Mistura de Anti-D (Rho) IgM (monoclonais) + Anti-D (Rho) IgG (monoclonais).

Especificidade
- Detecta os fracos fenótipos Du, incluindo D categoria VI, quando usado pelo método de antiglobulina indireto. Devido à baixa concentração protéica, requer somente uma lavagem prévia para adição de antiglobulina. Geralmente as reações com amostras Du são fortes.

Reprodutividade
- Não Existe variação de lote para lote ou de frasco para frasco.

Sensibilidade
- Alta sensibilidade detectando pequenas quantidades de expressões antigênicas e permite segurança quanto à identificação em número de cruzes ex.: 4(++++) 3(+++) 2(++) 1(+).

Avidez
- Maior rapidez na leitura.

Economia
- O soro Anti-D (Rho) EBRAM contém anticorpos alta-mente específicos que diminuem a quantidade de Du, economizando reagente e tempo.


Controle Rh
O controle Rh é produzido a partir de albumina bovina, soro humano normal do grupo AB e demais substâncias químicas, nas mesmas concentrações empregadas na fabricação do diluente utilizado nos soros classificadores albumínicos Anti-Rh ou anti-Hr.


Características Básicas
O controle Rh é destinado ao controle de qualidade das classificações Rh ou Hr com soros albumínicos, revelando a possibilidade de reações com resultados falso-positivos.

O controle Rh deve ser utilizado paralelamente a cada classificação Rh ou Hr com soros classificadores albumínicos, através da mesma técnica empregada para estes soros.


Experiência :
Tema: Determinação do tipo sanguíneo segundo sistema ABO e Rh.

Material: Lanceta, lâmina, soro anti-A, anti-B e anti-Rh, álcool e algodão.

Procedimento:
1. Passe um algodão com álcool na parte interna do dedo mínimo da mão esquerda do paciente.

2. Com a lanceta pique a polpa interna da falange do dedo mínimo, próximo ao ângulo da região da raiz da unha.

3. Espere sangrar. Despreze a primeira gota de sangue, limpando com um algodão seco.

4. Formada nova gota, encoste-a na lâmina, recolhendo-a.

5. Faça 2 gotas numa lâmina e uma gota numa 2ª lâmina.

6. Na lâmina com 2 gotas de sangue, pingue em uma delas o soro anti A e na outra o anti B. Na lâmina com uma gota de sangue pingue o anti Rh.

7. Misture soro e sangue com um canto de uma outra lâmina limpa.

8. Verifique em quais delas houve aglutinação. No resultado, está o tipo de sangue da pessoa.

9. Testes negativos devem ser observados por mais de 2 minutos para certeza da resposta.

Interpretação: Exemplos



Observação:
A aglutinação com um dos anti-soros indica a presença do antígeno correspondente nas hemácias, resultando em teste positivo. A ausência de aglutinação indica que o antígeno não está presente e portanto, negativo.



Curiosidades :
Pergunta
Compatibilidade no Grupo Sanguineo
O meu grupo sanguineo é O RH+ e o grupo sanguineo da minha esposa é O RH-, gostaria de saber se os nossos grupos sanguineos são compativeis? Haverá algum risco para um futuro bebe?

Resposta
No vosso caso pode de facto haver necessidade de fazer um tratamento preventivo, uma vez que se o futuro bebé for RH + pode fazer com que se criem anticorpos anti-RH no sangue da sua mulher (por ela ser RH negativa), e isso causar problemas numa gravidez seguinte. No entanto é uma situação que se controla facilmente, apenas devendo ser mencionada ao médico a fim de ser feita uma "vacina" atempadamente (já depois de iniciada a gravidez).



Pergunta: RH
Somos um jovem casal que pretende constituir família. O grupo sanguíneo dela é 0 Rh negativo enquanto que eu sou 0 Rh positivo.
Quais são os riscos que esta situação trás à gravidez e como é possível ultrapassá-los? Em que medida é que esta situação poderá limitar o número de filhos que desejarmos ter?

Resposta:
Só existe perigo de complicações para o bebé no caso da mãe ser rh negativo e o pai rh positivo, e a mãe já ter tido um filho rh positivo (ou ter abortado e o feto ser rh positivo). O tipo A, B, AB ou O não tem interesse para o caso.
No caso de se verificar a situação acima exposta, a mãe deve ser vacinada na altura do primeiro parto (ou aborto) e/ou então cerca da 28ª semana da segunda gravidez, que é quando existe risco. Em caso de dúvida, pode-se pedir um teste de Coombs para saber se uma mãe rh negativa já foi alguma vez imunizada contra o factor rh (positivo é quem tem esse factor e negativo é quem não o tem) e se criou anticorpos que numa posterior gravidez podem atacar o sangue do bebé.





GRUPOS SANGUINEOS EM GATOS

Dr. Jorge Hugo MARTINEZ
Médico Veterinario
Profesion Libre
Tel/Fax: (54-11) 480-131-61


A prática da transfusão em medicina veterinária está aumentando notavelmente nos últimos anos, consequêntemente esta incrementado a identificação dos grupos sanguíneos em gatos, em particular em raças caras, visto que só pela predeterminação do tipo de sangue recibida, se pode evitar os erros potencialmente fatais da transfusão.

Nos gatos tem sido descritos três grupos sanguíneos: Tipo A, Tipo B e Tipo AB. Estes grupos sanguíneos no gato são herdados como simples rasgos autosómicos, o Tipo A é dominante sobre o Tipo B. A maioria dos gatos possuem o antígeno A na membrana eritrocitaria e, um número de 1 a 3% destes gatos, possuem naturalmente baixo título de anticorpos anti-B. Todos os gatos com Tipo B tem naturalmente alto título de anticuerpos anti-A. De acordo com os últimos estudos, a porcentagem de gatos com o antígeno B varia desde uns 0,3 % a uns 59 %, dependendo da raça. As raças com grande frequencia de Tipo B são as da tabela adjunta.


O Tipo AB em gatos é raro e, a partir que possuem ambos antígenos (A e B) na membrana do eritrocito, não produzem anticorpos anti-A ou anti-B.

Tipificar o sangue dos gatos é importante na prática veterinária para prevenir reações transfucionais. Os gatos de Tipo B que recebem sangue do Tipo A sofrem uma reação anafilática sistémica imediata e grave (hipotensão, bradicardia, apneia, micção, defecação, vómitos e severa depresão neurológica) e signos hemolíticos (hemoglobinemia e hemoglobinuria) devido ao seu alto título de anticuerpos anti-A. Os eritrocitos recebidos neste caso tem uma sobrevida de 3 horas.

Os gatos com sangue Tipo A e baixo nível de anticorpos naturais anti-B, exibiram somente uma suave reação quando recebem sangue do Tipo B, com uma sobrevida de eritrocitos recebidos de 2 dias. Outros gatos com eritrocitos A, não manifestaram nenhuma reação quando são transfundidos com Tipo B, porque como resultado desenrrolaram niveis moderados de anticorpos anti-B, o que produzirá uma seria reação em uma subseguente transfusão incompativel.

Os gatos com sangue AB não desenrrolaram reações transfucionais baseadas em incompatibilidade com ol Tipo A ou Tipo B, podendo receber qualquer um dos tipos de sangue, com uma sobrevida eritrocitaria normal (35 dias).

A determinação do grupo sanguíneo em gatos é importante, antes de tudo, ao tomar decisões de cruzamentos. A isoeritrólises neonatal pode ocorrer quando há incompatibilidade de grupo sanguíneo entre o sangue materno e o fetal. Devido a grande quantidade natural de anticorpos anti-A em gatos do Tipo B, esta enfermidade pode ocorrer em cachorro resultante do pareamento de uma fêmea do Tipo B com um macho do Tipo A. Os anticorpos anti-A maternos aparecem no colostro, de onde são absorvidos pelo cachorro recem nacido e, consequentemente, destruirão seus eritrocitos. Clínicamente os cachorros podem ver-se normais ao nacerem, mas pode ocorrer a morte em 24-48 horas, ou a morte tardia em 1 semana com hemoglobinuria.

Todas estas alterações podem ser prevenidas com um simples diagnóstico de grupos sanguíneos, que se realiza uma única vez na vida do animal, com uma mostra de 1 ml de sangue.

PALAVRAS-CHAVE: Sistema ABO ( tipo A, tipo B, tipo AB e tipo O), sistema Rh, sistema Mn, antígenos e anticorpos.




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1- www.hemoline.com.br

2- www.sexualidades.com

3- www.google.com

4-PAULINO, Wilson Roberto, Biologia Atual Vol 3
Ed: Ática

5-WENDEL, S. O Uso Racional de Sangue e Componentes Hemoterápicos: manual prático de utilização no final deste século.

Acta oncol. Bras., 15 (5): 211-219, 1995

6-ADAMSOM, J.W.; ESCHBACH, J.W. Treatment of the anemia of chronic renal failure with recombinant human erythropoirtin. Annals of Review Medicine, v.41, p.349-60, 1990.

7-BEUTLER, E.; WOOD, L. The in vivo regeneration of red blood cell 2,3-Diphosphoglyceric acid (DPG) after transfusion of stored blood. Journal of Laboratorial Clinical Medicine, v.74, p.300-4, 1969.

8-Increased preoperative collection of autologous blood with recombinant human erythropoietin therapy. New England Journal of Medicine, v.321, p.1163-8, 1989.

9-Harmening,D. Técnicas Moderna em Banco de Sangue e Transfusão. Rio de Janeiro, Editora Revinter Ltda, 1992

10-Melo,L e col. Imunohematologia Eritrocitária - STD - Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 1996

11-Novaretti,M.C.Z. Sistema de Grupo Sanguíneo ABO . Hematologia Hemoterapia . 1: 36-16, 1996

12-Novaretti,M.C.Z. Sistema de Grupo Sanguíneo Rh . Hematologia Hemoterapia . 1: 10-16, 1996

13-Oliveira,M.C. ; Góes,S.M , Imunologia Eritrocitária - Práticas, Rio de Janeiro, MEDSI , 1998

14-Ortho Diagnostics, Antígenos e anticorpos aplicados aos sistemas ABO e Rh, 3a edição, 1978

15-Verrastro,T. e col. Hematologia e Hemoterapia . Fundamentos de Morfologia, Fisiologia, Patologia e Clinica. Editora Atheneu, 1996

16-Walker, R.H. Technical manual . 12 ed. Arlington,VA: American Association of Blood Banks, 1997


Fonte:
http://www.ufv.br/dbg/trab2002/GS/SIS003.htm






[ Pesquisa escolar lida 99598 Vezes - Categoria: Biologia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Histogênese
A histogênese é o processo de formação dos tecidos. Inicialmente, no embrião, as células são todas iguais. A partir da gástrula tridérmica, com o ...
Lido: 22186 Vezes

O Código Genético
Macromoléculas Celulares O código genético é, de certa forma, a chave da Biologia Molecular, cuja unidade básica é a célula. A célula é constituí...
Lido: 24155 Vezes

Eugene Ionesco (1909 - 1994)
Eugene Ionesco nasceu em Slatina, na Romênia, em 26 de Novembro de 1909. Ele é considerado um dos mais renomados dramaturgos do chamado teatro do absu...
Lido: 5372 Vezes

A Engenharia Genética e os Transgênicos
A engenharia genética vem sendo considerada a grande revolução científica do final do século passado. A técnica do DNA recombinante, isto é, um DN...
Lido: 30234 Vezes

Relações de parentesco entre diversos seres vivos: árvore filogenética
Descobrindo nossa ancestralidade À primeira vista, os animais cordados, entre os quais incluímos ascídias, peixes, anfíbios, répteis, aves e mamífero...
Lido: 58089 Vezes

Genética
Genética é a ciência que estuda a transmissão das características de geração a geração, e as leis que regem essa hereditariedade. Como ciência, a g...
Lido: 10919 Vezes

Rim - Corpo Humano
O rim é o órgão que produz a urina. São dois, tem a forma de um grão de feijão com uma borda convexa e outra côncava, na qual se situa o hilo. Cad...
Lido: 17747 Vezes

Conceitos gerais em genética
Gene É a unidade hereditária presente nos cromossomos e que, agindo no ambiente, será responsável por determinados caracteres do indivíduo. Segmen...
Lido: 39110 Vezes

Reto - Corpo Humano
É a porção final do intestino grosso e, conseqüentemente, do tubo digestivo. Recebe este nome porque, ao contrário das outra regiões do intestino,...
Lido: 20646 Vezes

Uretra - Corpo Humano
A uretra é um tubo que leva a urina da bexiga para o exterior durante o ato da micção. No sexo masculino a uretra dá passagem ao esperma durante a...
Lido: 16585 Vezes

Estudantes Online | Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Sendo um veículo de comunicação, não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2014 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados