Experiências de Industrialização Localizadas

Experiências de Industrialização Localizadas

Por

Os diversos tipos de processos de industrialização localizada podem ser caracterizados segundo o grau de desenvolvimento das interações e articulações entre os agentes produtivos entre si e com os agentes institucionais , ou segundo a morfologia e a definição territorial da experiência (por exemplo, se em uma cidade ou em várias com ou sem uma nucleadora, etc). Para tratar da variedade de situações possíveis, adotou-se uma tipologia para a caracterização dos processos de examinados, necessariamente insuficiente para "dar conta" das diferenças existentes entre todas as peculiaridades das situações encontradas, mas eventualmente bastante para captar os seus traços essenciais.

Agrupamento Potencial – quando existe no local concentração de atividades produtivas com alguma característica em comum, indicando a existência de tradição técnica ou produtiva (inclusive artesanal), embora inexista ( ou seja incipiente) organização ou interação entre os agentes daquelas atividades.

Agrupamento Emergente – quando se observa no local a presença de empresas (de qualquer porte) com característica em comum (por exemplo uma definição setorial comum) que possibilite o desenvolvimento da interação entre seus agentes, a presença de instituições como centros de capacitação profissional, de pesquisa tecnológica, etc., bem como de atividade incipiente de articulação ou organização dos agentes locais.

Agrupamento Maduro – quando há no local concentração de atividades com característica comum, a existência de uma base tecnológica significativa, e se observa a existência de relacionamentos dos agentes produtivos entre si e com os agentes institucionais locais caracterizando a geração de externalidades positivas, mas ainda com a presença de conflitos de interesses e/ou desequilíbrios denotando baixo grau de coordenação.

Agrupamento Avançado – é um agrupamento maduro com alto nível de coesão e de organização entre os agentes.

Aglomeração (cluster) – apresenta características de agrupamento maduro quanto ao grau de coesão, embora com menor organização, referindo-se porém a uma sub-região e envolvendo um número maior de localidades ou áreas urbanas, de modo contíguo e constituindo um espaço econômico pouco diferenciado em termos das atividades produtivas e fatores de produção presentes.

Pólo Tecnológico – se refere àqueles locais em que estão reunidas empresas intensivas em conhecimento, ou de base tecnológica, bem como universidades e/ou instituições de pesquisa. Apresenta características de agrupamento maduro, embora as atividades possam apresentar pouca semelhança, por exemplo em termos setoriais.

Redes de Subcontratação – são situações (não necessariamente um local) em que grande(s) empresa(s) nucleadoras formam em torno de si redes de fornecedores, e que, embora sem se constituírem em um agrupamento, contam com elevado grau de organização, hierarquisada pela empresa - núcleo.

A partir desta classificação é possível prosseguir com a apresentação das experiências, para em um estágio posterior de conhecimento identificar políticas direcionadas ao estímulo do surgimento e desenvolvimento de processos de industrialização local .


BIBLIOGRAFIA:
ALBAGLI, Sarita (1998). Globalização e Espacialidade: o Novo Papel do Local. Nota Técnica 04/98, do Projeto "Globalização e Inovação Localizada: Experiências de Sistemas Locais no Âmbito do Mercosul e Proposições de Políticas de C&T", IE/UFRJ, Rio de Janeiro.

AMIN, A. (1996). The difference between small firms, clusters and industrial districts. In Seminário Internacional sobre Políticas Industrias Descentralizadas. Brasília, IPEA, CEPAL. Mimeo.

AUREA, Adriana & GALVÃO, Antônio (1998) Importação de Tecnologia, acesso às Inovações e Desenvolvimento Regional: o quadro recente no Brasil. Brasília, IPEA, Texto para Discussão no 616.

BRITO, A. & BONELLI, R. (1997). Políticas Industriais Descentralizadas: as experiências européias e as iniciativas subnacionais no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA. Texto para discussão n. 492.

CARLEIAL, Liana (1997). Sistemas Regionais de Inovação (SRI) e Relação entre Firmas: as "pistas" para um formato de desenvolvimento Regional. In VII Encontro Nacional da ANPUR. Recife, v. 2, p. 811-34.

CASSIOLATO, José & LASTRES, Helena (1998). A Dimensão Local da Inovação e as Novas Políticas de C&T. Nota Técnica 21/98, do Projeto "Globalização e Inovação Localizada: Experiências de Sistemas Locais no Âmbito do Mercosul e Proposições de Políticas de C&T", IE/UFRJ, Rio de Janeiro.

CNI , COMPI (1998). Agrupamentos (Clusters) de Pequenas e Médias Empresas – uma estratégia de industrialização local. (Coordenação Luiz Carlos Barboza). Brasília, DF: Confederação Nacional da Indústria, Conselho de Política Industrial e Desenvolvimento Tecnológico; Rio de Janeiro

KINGSLEY, Jessica (1997). Innovation, Networks and Learning Regions? Edited by James Simmie. London. (Regional Policy and Development, 18).

LASTRES, H. et all (1998). Globalização e Inovação Localizada. Nota Técnica 01/98, do Projeto "Globalização e Inovação Localizada: Experiências de Sistemas Locais no Âmbito do Mercosul e Proposições de Políticas de C&T", IE/UFRJ, Rio de Janeiro.

LÓPEZ, Andrés & LUGONES, Gustavo (1998). Los Sistemas Locales en el Escenario de la Globalización. Nota Técnica 15/98, do Projeto "Globalização e Inovação Localizada: Experiências de Sistemas Locais no Âmbito do Mercosul e Proposições de Políticas de C&T", IE/UFRJ, Rio de Janeiro.

LUGONES, Gustavo & SIERRA, Pablo (1999). Lineamientos de política para la consolidación de los sistemas locales de innovación. Nota Técnica 35/99, do Projeto "Globalização e Inovação Localizada: Experiências de Sistemas Locais no Âmbito do Mercosul e Proposições de Políticas de C&T", IE/UFRJ, Rio de Janeiro.

PERES, Wilson (1997). Industrial Competitiveness Policies: the local dimension. Santiago, CEPAL/PNUD, Nov. Regional Project: "Policies to Promote Innovation and Competitiveness in the Latin America and Caribbean Business Sector".

YOGUEL, Gabriel (1999). Desarrollo del proceso de aprendizaje de las firmas: los espacios locales y las tramas productivas. Nota Técnica 34/99, do Projeto "Globalização e Inovação Localizada: Experiências de Sistemas Locais no Âmbito do Mercosul e Proposições de Políticas de C&T", IE/UFRJ, Rio de Janeiro.


Fonte:
http://www.ipea.gov.br/polind/ipeaat03.html

Leia também! Assuntos relevantes