Civilização Romana | A Monarquia de 753 a 509 aC


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Civilização Romana | A Monarquia de 753 a 509 aC

Quando Roma foi fundada, a península Itálica era ocupada pelos gauleses, ao norte; pelos etruscos- latinos, ao centro, e pelos gregos ao sul – a Magna Grécia. Desses povos, os mais importantes para a formação de Roma foram os latinos, habitantes do Lácio, que viviam divididos em várias tribos, e os etruscos.

Roma foi fundada no Lácio, por volta de 1000 a.C. e ao que tudo indica, foi um centro de defesa latino contra os ataques constantes dos etruscos.

Tem-se, todavia, a versão lendária da fundação de Roma, relatada por Tito Lívio em sua História de Roma e reforçada na obra Eneida, pelo poeta romana Virgílio, segundo a qual Enéias, príncipe troiano filho de Vênus, fugindo de sua cidade, destruída pelos gregos, chegou ao Lácio e se casou com a filha de um rei latino.

Seus descendentes, Rômulo e Remo, foram jogados por Amúlio, rei de Alba Longa, no rio Tibre.

Mas foram salvos por uma loba que os amamentou, tendo em seguida sido encontrados por camponeses. Conta ainda a lenda que, quando adultos, os dois irmãos voltaram a Alba Longa, depuseram Amúlio e em seguida fundaram Roma, em 753 a.C.

Após desentendimentos, entretanto, Rômulo matou o irmão e se transformou no primeiro rei de Roma.

A documentação desse período é precária, e até mesmo os nomes dos reis são desconhecidos, citando-se apenas os reis lendários, apresentados nas obras de Virgílio e Tito Lívio. Durante esse período, o rei acumulava as funções executiva, judicial e religiosa, embora seus poderes fossem limitados na área legislativa, já que o Senado, ou Conselho de Anciãos, tinha o direito de veto e sanção das leis apresentadas pelo rei.

A ratificação dessas leis era feita pela Assembléia ou Cúria, composta por todos os cidadãos em idade militar.

Na fase final da realeza, a partir do fim do século VII a.C., Roma conheceu um período de domínio etrusco, que coincidiu com o início de sua expansão comercial. No período monárquico, a sociedade romana estava dividida praticamente em três classes:

Patrícios – cidadãos de Roma, possuidores de terras e gado, que constituíam a aristocracia.

Plebeus – parcela da população que passara para o domínio romano durante as primeiras conquistas; eram livres, mas não participavam do Senado, nem podiam formar famílias legalmente reconhecidas. Clientes – indivíduos subordinados a alguma família patrícia, cumpridores de diversas obrigações econômicas, morais e religiosas.

O patrício era seu patrono, um "protetor" econômico, político e jurídico; em troca, os clientes seguiam as decisões políticas de seus patronos, cumprindo o obsequium (submissão política), além de dedicar jornadas de trabalho para o seu senhor.

Eram, enfim, os dependentes, alguns de origem estrangeira, outros de origem plebéia que, para sobreviver, buscavam a proteção dos abastados e poderosos patrícios.

Escravos – população recrutada entre os derrotados de guerra, considerados instrumentos de trabalho, sem nenhum direito político. Ao que parece, durante a Monarquia, o escravismo não possuiu grande significação, ganhando importância somente com a expansão territorial do período republicano.

Na verdade, durante a monarquia surgiram condições para a sua instalação, tendo o escravismo se transformado, logo a seguir, no modo de produção predominante, em detrimento de todas as outras formas de trabalho produtivo.



Fonte:
http://br.geocities.com/culturauniversalonline/acontecimentos_2.htm






[ Pesquisa escolar lida 22966 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Civilização Romana | O Império | 27 aC a 476 dC
Com o advento do Império, em 27 a.C., reorganizou-se a estrutura política romana, concentrando-se toda a autoridade nas mãos do imperador. Esse úl...
Lido: 22827 Vezes

A curiosa guerra entre a Grécia e Bulgária
Em 1925, um inocente cachorro causou uma guerra que deixou mais de 40 pessoas mortas e feridas. Entenda esse fato histórico! Você consegue imaginar...
Lido: 4342 Vezes

Grécia - Terra dos Deuses
Grécia Antiga O relevo fragmentário opunha-se a uma fácil circulação e provocava a multiplicidade de "Países" naturais. Freqüentemente minúsculos, re...
Lido: 12214 Vezes

Território - Grécia Antiga
Divisão territorial da Grécia Antiga A Grécia Antiga não corresponde às fronteiras da atual Grécia. A Hélade, como os gregos chamavam a Grécia Antiga...
Lido: 23668 Vezes

Romantismo no Brasil
O romantismo foi marcado pelo nacionalismo e o sentimentalismo. No Brasil, o Romantismo surgiu no momento em que a colônia seguia para a independên...
Lido: 2685 Vezes

Movimentos populacionais
Causas: políticas (perseguições), sociais (questões raciais e étnicas), religiosas (perseguições), naturais e econômicas Tipos: Internas (quando oc...
Lido: 84187 Vezes

Eletromagnetismo
A história do magnetismo começou com um mineral chamado magnetita (Fe3O4), a primeira substância com propriedades magnéticas conhecida pelo homem. Sua...
Lido: 21803 Vezes

Roupas de Escravos
Na época da escravidão no Brasil os escravos viviam em senzalas, um tipo de habitação coletiva sem condições de vida. Os negros eram tratados como mer...
Lido: 6016 Vezes

Algarismos Romanos
Os Algarismos Romanos, como o próprio nome sugere, foram criados na Roma Antiga. O sistema de numeração representa os números a partir de letras do al...
Lido: 5659 Vezes

Cromatografia
Cromatografia é o método de análise química que permite separar os componentes de uma mistura. É um conjunto de técnicas de análise que utiliza a dife...
Lido: 9594 Vezes

Estudantes Online | Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Sendo um veículo de comunicação, não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2014 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados