Antônio Conselheiro

Antônio Conselheiro

Por

Antônio Conselheiro foi um dos nomes mais importantes da Guerra de Canudos. Ele era filho do comerciante Vicente Mendes Maciel e de Maria Joaquina de Jesus.

Antônio Vicente Mendes Maciel nasceu em Quixeramobim, no Ceará, em 13 de março de 1830. Ele ficou órfão de mãe aos seis anos de idade. O desejo de seu pai era de que Antônio seguisse a vocação sacerdotal.

Aos 27 anos, Conselheiro perdeu o pai e passou a cuidar de suas quatro irmãs. Em seguida, ele conseguiu se tornar escrivão de cartório.

Antônio Maciel se casou e acabou sendo traído pela mulher. Tal humilhação mudou os rumos da vida de Antônio Conselheiro e ele começou a andar sem destino pelo interior do Ceará.

Com o tempo, Antônio Maciel se tornou um evangelizador peregrino. Ele falava do evangelho para o povo mais humilde do nordeste brasileiro.

O apelido de conselheiro veio dos conselhos que ele dava ao povo. Como Antônio Conselheiro, o peregrino conquistou muitos seguidores.

O beato se tornou famoso e começou a desagradar os grandes latifundiários. Em 1874, Antônio Conselheiro e seus seguidores montaram um acampamento perto da vila de Itapicuru de Cima, no sertão da Bahia. Ali se estabeleceu o arraial do Bom Jesus.

Antônio Conselheiro aumentou seu fervor religioso e acabou preso. Ele começou a ser visto como um mártir por causa de suas andanças, que duraram 17 anos.

Em 1893, ele criou uma comunidade em Canudos, no norte da Bahia. O povoado ficou conhecido como Belo Monte e chegou a atrair cerca de 25 mil habitantes.

O povoado não era bem visto pelas autoridades políticas e religiosas do local. Então, as tropas de soldados da polícia baiana atacaram o acampamento por diversas vezes. Esses confrontos ficaram conhecidos como a Guerra de Canudos.

Essa guerra resultou num massacre. O confronto aconteceu até 5 de outubro de 1897. Depois da morte de Antônio Conselheiro nesse mesmo ano e da destruição de seu povoado, a Guerra de Canudos foi encerrada, com a vitória da polícia da Bahia.