O Reino Fungi compreende os organismos eucariontes, heterotróficos que se alimentam de nutrientes absorvidos do meio, com espécies unicelulares e multicelulares, formadas por filamentos denominados hifas. Mas existem alguns unicelulares, como a levedura.

Sua reprodução pode ser de forma sexuada ou assexuada. Eles já foram classificados no reino vegetal, justamente por possuírem características semelhantes, mas se diferenciam das plantas porque não apresentam clorofila ou qualquer outro pigmento fotossintetizante, sendo denominados, portanto, de heterotróficos.

Eles são popularmente conhecidos por bolores, mofo, fermentos, levedos, orelhas-de-pau, trufas, cogumelos-de-chapéu (champignon) e liquens. É um grupo bastante numeroso, formado por cerca de 200 mil espécies espalhadas por praticamente, todo e qualquer ambiente.

Cogumelos

Descrições específicas

Os fungos são compostos basicamente de um emaranhado de tubos, com várias ramificações e são envolvidos por uma parede de quitina, que é um polissacarídeo também presente no exoesqueleto dos artrópodes. Esse emaranhado é chamado de micélio, com os tubos que o compõem sendo chamados de hifas.

As hifas são filamentos microscópicos, onde ficam armazenados todo o material genético dos fungos. Eles podem ser de dois tipos:

Cenocíticas – quando não possuem paredes transversais, chamadas de septos, onde os núcleos ficam espalhados pelo citoplasma;

Septadas – quando há um limite de compartimentos celulares pelos septos, formando células com um (monacarióticas) ou de dois núcleos (dicarióticas).

Entretanto, o compartilhamento é incompleto porque os septos possuem poros que permite a comunicação entre células vizinhas.

Os fungos se desenvolvem em um substrato, que pode ser um pão, ou uma fruta podre, um tronco de madeira ou até mesmo em outro fungo. Nos organismos mais completos, o micélio forma um talo ou um corpo de frutificação com forma bem definida que caracteriza as diversas espécies. Sempre que um cogumelo ou um mofo é visto nos alimentos, é possível ver o talo, mas no interior do substrato onde se encontra já existe uma imensa rede de hifas enraizada.

Os fungos são heterotróficos por absorção, isso quer dizer que eles absorvem os nutrientes que são difundidos no interior de suas células. Para isso, se aproveitam das enzimas fazem a digestão das substâncias encontradas no ambiente.


Exemplos de fungos

Dentre as espécies de fungos, muitas delas afetam diretamente a vida humana. Muitas delas são utilizadas na alimentação, como as quase 200 espécies de cogumelos comestíveis, sendo que algumas delas são cultivadas, como o shitake, o shimeji e o champignon.

As leveduras são utilizadas na produção de pães, bebidas alcóolicas e outros alimentos. Já outras espécies são utilizadas na produção do queijo roquefort e camembert. Há ainda fungos que são aproveitados pela indústria farmacêutica para a fabricação de antibióticos, que são os do gênero Penicillium.

O lado ruim dos fungos são as doenças causadas por eles, já que algumas espécies são parasitas. No ser humano, eles podem provocar micoses e candidíase, e nas plantas, provocam doenças como ferrugem e cafeeiro.

O Reino Fungi é um grupo que está presente em diversas escalas e ambientes no planeta, sendo que são poucas espécies descobertas, já que estudos apontam para cerca de 1,5 milhão de espécies diferentes.

Os fungos são importantes para o equilíbrio do ecossistema, pois estão participando da reciclagem da matéria orgânica, ajudando na sua decomposição.


Leia também

Leia também! Assuntos relevantes