Jair Messias Bolsonaro

Jair Messias Bolsonaro nasceu em Glicério (São Paulo), no 21 de março de 1955, em uma família católica de seis filhos, com origens italianas e alemãs.

Trajetória

Bolsonaro cresceu sob regime militar na cidade de Eldorado.

No início dos anos 1970, ele foi para as forças armadas da região para lutar contra um campo de guerrilha marxista e se apaixonou por sua profissão.

De acordo com suas próprias declarações, ele teria ajudado a rastrear o famoso guerrilheiro Carlos Lamarca, fornecendo informações ao exército.

No ano seguinte, Jair entrou para a Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Ele então se juntou à prestigiosa Academia Militar de Aiguilles Noires (AMAN), da qual se graduou em 1977.

Depois de servir em artilharia de campanha, Bolsonaro se juntou à Brigada de Infantaria Paraquedista e tornou-se capitão. Mas sua carreira militar enfrentou vários obstáculos.

Em 1986, Bolsonaro publicou na imprensa, sem a permissão de seus superiores, uma crônica intitulada "O salário é baixo", na qual denuncia os baixos salários dos militares.

"Faço público este depoimento para que o povo brasileiro saiba a verdade sobre o que acontece com a massa de profissionais preparados para defendê-lo. O Brasil acima de tudo”.

Esta crônica lhe rendeu quinze dias de prisão, mas também um certo respeito entre os militares.

No ano seguinte, Jair esteve no coração de um novo escândalo, tendo mencionado em uma entrevista com a revista Veja, um bombardeio planejado em um quartel para protestar contra a má remuneração.

Ele foi demitido pelo Conselho de Justificação Militar e absolvido por falta de provas pelo Supremo Tribunal Militar e reintegrado em junho de 1988.
Bolsonaro tornou-se então um oficial de reserva e entrou na política para continuar a defender os interesses dos militares.

Na década de 1990, ele se opôs ao presidente do Partido da Social Democracia Brasileira (PSBD), Fernando Henrique Cardoso, a quem acusou de humilhar os militares.


Carreira política

Em 1988, tornou-se vereador do Rio De Janeiro, permanecendo no cargo por 2 anos.

Ele foi eleito deputado da cidade do Rio de Janeiro, em 1990, cargo que atuou por 27 anos.

Apelidado de mito" (por seus fiéis), Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil, em 28 de outubro de 2018 por 55,13% dos votos contra Fernando Haddad, o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), no segundo turno.

Durante a campanha presidencial em Juiz de Fora (Minas Gerais), Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, natural de Montes Claros, tentou assinar Bolsonaro com um golpe de faca, ferindo-o gravemente.


Vida pessoal

Bolsonaro se casou três vezes. O primeiro casamento foi com Rogéria Nantes Nunes Braga, a quem ajudou a eleger-se vereadora da capital fluminense, em 1992 e 1996, e com quem teve três filhos: Flávio (Senador), Carlos (assim como o pai e mãe, vereador da cidade do Rio de Janeiro, o mais jovem do país) e Eduardo( Deputado Federal de São Paulo, sendo o mais votado da história).

Divorciou-se e, de seu segundo casamento, com Ana Cristina Valle, teve Renan.

Em 2007, conheceu sua atual esposa, Michelle de Paula Firmo Reinaldo, quando ela era secretária parlamentar na Câmara dos Deputados. Nove dias após ser contratada, os dois firmaram pacto antenupcial e, dois meses depois, casaram-se no papel.

No ano de 2013, o casal fez uma cerimônia religiosa realizada pelo pastor Silas Malafaia. Com Michelle, o presidente do Brasil teve a sua primeira filha, Laura.


Veja também:

Os Presidentes do Brasil - Linha do Tempo

Política