Gripe Espanhola foi provocada por um vírus das aves

A Gripe Espanhola foi uma epidemia ou pandemia com efeitos muito fortes. A doença matou 50 milhões de pessoas no mundo inteiro, entre 1917 e 1918. O vírus da gripe H1N1 foi responsável pela doença devastadora.

Veja também: Peste Negra

Em estudos mais recentes, realizados a partir de 1995, nos quais o genoma do vírus foi mapeado e sequenciado, os cientistas concluíram que o vírus da Gripe Espanhola é o mesmo vírus da gripe das aves, que já estava adaptado aos seres humanos e, por isso, causava infecção imediata.

A gripe das aves está preocupando autoridades dos Estados Unidos, Europa e da Organização Mundial da Saúde há muitos anos. Há também diversos casos registrados em aves localizadas em países asiáticos. O alerta existe para evitar que o vírus H5N1 das aves cause uma pandemia de gripe fatal.

O vírus de gripe nas aves, responsável pela Gripe Espanhola, permanece circulando na Ásia, pelo menos desde 1997. Por causa disso, milhares de aves já tiveram que ser abatidas para evitar problemas de saúde pública.

Segundo estimativas, ao menos 115 pessoas já morreram em consequência da infecção pelo vírus da gripe contraído diretamente das aves, o chamado H5N1, responsável pela Gripe Espanhola.

O temor das autoridades é que o vírus seja recombinado ao congênere dos seres humanos, causando um novo surto de Gripe Espanhola. As Forças Armadas dos EUA, sob o comando de Jeffery Taubenberger, do Departamento de Patologia Molecular, já conduziram um programa de estudo do vírus H5N1.

Sob o comando do cientista militar, equipes especializadas realizaram a sequenciação do genoma do vírus da Gripe Espanhola. A análise foi feita em material genético das vítimas.

Gripe Espanhola, ilustração
Ilustração - 1918. Crédito da Imagem: BBC

No vírus da gripe, 5 segmentos do total de 8 já haviam sido estudados e identificados, além de publicados em revistas científicas. A auto-replicação do vírus, porém, depende dos outros três segmentos que restavam ser descobertos.

Jffery Taubenberger, coordenador da tarefa, declarou que foi identificada no H5N1 que circula nas aves da Ásia uma pequena quantidade de aminoácidos, que são considerados essenciais para que o vírus da gripe das aves se adapte aos seres humanos.

Ainda de acordo com os cientistas, por causa dessas características, o H5N1 pode causar uma nova pandemia de alcance global. O objetivo agora é descobrir como o vírus da gripe das aves realiza o processo de recombinação para atingir os seres humanos. A ideia é entender como ocorre o processo de contaminação, a fim de interrompê-lo no momento certo, antes que pessoas morram e o contágio fique incontrolável.

Sabe-se que a plasticidade do vírus da gripe das aves é muito grande. Eles podem se recombinar de diversas maneiras, sofrendo inúmeras mutações, gerando novas estirpes. Justamente por isso as vacinas contra a gripe são atualizadas uma vez por ano, pelo menos.

Somente nos últimos 5 anos, foram descobertos e catalogados por pesquisadores 200 subtipos de vírus da gripe. Todos eles foram publicados em veículos científicos, entre eles a “Nature”. Como agora as autoridades conhecem um maior número de estirpes, é possível organizar o combate de forma direcionada.

Leia também! Assuntos relevantes