No início do século XX no Brasil, ocorreram várias revoltas tenentistas que lutavam pelo fim da República Velha, e entre elas, estava a Coluna Prestes.

A Coluna Prestes ocorreu entre os anos de 1925 e 1927 e foi um movimento de rebeldia contra o governo de Artur Bernardes. Ela ficou conhecia por esse nome porque o seu líder era o militar gaúcho Luís Carlos Prestes.

A diferença da Coluna Prestes perante as demais revoltas foi por ela ter marchado 25 mil quilômetros, não ter sido derrotada pelas tropas do governo em nenhum combate durante seu período de atuação e ter sido a mais longa com a duração de dois anos.


Como surgiu a Coluna Prestes?

O movimento surgiu a partir de duas frentes revolucionárias de militares vinculados ao Tenentismo. Essas frentes ficavam nos estados de São Paulo e Rio Grande do Sul.

Tenentes revoltosos, Coluna Prestes

As duas frentes contavam com aproximadamente 1500 homens que tinham como objetivo principal derrubar os representantes oligarcas da República Velha que eram os presidentes Artur Bernardes (que governou até 1926) e Washington Luís (que foi deposto pela Revolução de 1930).

Os membros da Coluna Prestes defendiam a derrubada imediata do governo de Artur Bernardes, a reforma do ensino, o voto secreto, a moralização da política e a obrigatoriedade do ensino primário. Eles também denunciavam as miseráveis condições de vida e a exploração das camadas mais pobres pelos coronéis.


O movimento Coluna Prestes

O objetivo do movimento era percorrer grande parte do território brasileiro e incentivar a população a se rebelar contra o governo.

O movimento percorreu em torno de 25.000 quilômetros, tendo início na cidade de Alegrete no Rio Grande do Sul, e após 2 anos e meio, percorrendo 11 estados do Brasil.

A ideia central da Coluna Prestes de incentivar a população local à medida que eles avançavam pelo território nacional não deu muito certo.
No ano de 1927, os membros da Coluna Prestes estavam cansados das perseguições do governo e desgastados após ter lutado tanto tempo contra o governo. Além disso, o governo de Artur Bernardes tinha terminado.

Com o fim do movimento Coluna Preste, os integrantes decidiram se exilar em país que faziam fronteira com o Brasil. Então uma parte foi para o Paraguai e outra para a Bolívia.

Luís Carlos Prestes se exilou na Bolívia e em 1928 foi para a Argentina estudar comunismo para ajudar nos problemas que existiam no Brasil. Em 1931, ele foi morar na União Europeia e retornou para o Brasil de forma clandestina em dezembro de 1934.

Com o movimento, Luís Carlos Prestes ganhou o apelido de “Cavaleiro da Esperança” e os seus comícios e manifestações foram importantíssimo para despertar o conhecimento político e social da população brasileira.


Veja também:

Fatos Históricos da Região Sul do Brasil

Revolta Paulista de 1924