Colonização Espanhola

A colonização espanhola fez parte de um processo de crescimento do comércio na Europa, que se deu no começo do século XV, quando diversas nações buscaram novos caminhos para explorar rotas comerciais, a fim de tornar o estado cada vez mais forte e rico.

Neste contexto, em um tempo de intensas navegações, a Espanha mostrou ao mundo que descobriu um novo continente e passou a colonizar este novo espaço “sem dono”, repleto de riquezas e de possibilidades de extração de minérios.

O novo continente, adquirido pela colonização espanhola, era habitado por grandes civilizações, que acabaram sendo dominadas pelos espanhóis, catequizados com o tempo, para serem doutrinados a viver em sociedade conforme a cultura espanhola.

Essa população era chamada de pré-colombiana. A colonização espanhola estava preocupada em, mais do que catequizar os moradores locais e explorar as possibilidades culturais da região, movimentar os interesses econômicos mercantilistas e ampliar a venda de produtos valorizados pelos compradores.

Leia: América Pré-colombiana

A colonização espanhola teve que dominar os nativos Astecas, liderados por Montezuma. O espanhol Hernán Cortez, um grande conquistador daquele tempo, liderou uma batalha de um exército espanhol bem pequeno, mas fortemente armado, contra um número grande de astecas, todos indígenas sem armamentos para uma guerra tão desigual.

A Espanha era uma nação de pequeno porte, mas com grande força bélica e tradição militar. Sem dúvidas, este histórico influenciou bastante essa passagem repleta de violência. Outros episódios aconteceram após o contato dos europeus com os nativos, como a ocorrência de uma série de epidemias tanto na terra descoberta como na Europa, por causa da intensa troca de microrganismos com os quais as populações locais não estavam acostumadas.


A colonização espanhola conquistou os seguintes países:

  • Argentina
  • Uruguai
  • Chile
  • Bolívia
  • Venezuela
  • México
  • Peru
  • Paraguai
  • Guatemala
  • El Salvador
  • Costa Rica
  • Honduras
  • Panamá
  • Cuba
  • Equador
  • Entre outros.

Como é possível notar, a colonização espanhola, ocorrida a partir de 1492 com Cristóvão Colombo, foi muito intensa e eficiente para o reinado. Além da exploração das terras, o trabalho escravo foi uma grande fonte de riquezas para os espanhóis.

A extensão territorial da colonização espanhola foi muito marcante, tanto para a destruição das populações indígenas como para a determinação cultural dos países que ocupam estes territórios.


Naquele período de colonização espanhola, as novas terras foram separadas em 4 vice-reinados:

  • Nova Espanha
  • Rio da Prata
  • Peru
  • Nova Granada


Este foi o sistema administrativo encontrado pelo rei para fazer a gestão dessas conquistas. Para os cargos de liderança, foram designadas pessoas de confiança real.

Além de dominar os moradores locais, os espanhóis incentivavam a guerra entre tribos inimigas, que acabaram sendo manipuladas até se dizimarem em sangrentas batalhas.

Enquanto o confronto e a doença funcionavam como importantes meios de dominação, devemos também dar a devida importância a outra estratégia espanhola. Em alguns casos, os espanhóis instigavam o acirramento das rivalidades entre duas tribos locais. Dessa forma, depois dos nativos se desgastarem em conflitos, a dominação hispânica agia para controlar as tribos em questão.

Uma das atividades mais lucrativas da colonização espanhola era a extração de metais preciosos, especialmente prata e ouro. Os índios eram obrigados a trabalhar nas minas.

O fim da exploração colonial aconteceu, principalmente, por causa de dois fatores: a ocorrência da Revolução Industrial e a independência destes países colonizados pela Espanha.