Revolução de Avis


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Revolução de Avis

Durante o período de grande crise do século XIV, as rotas terrestres entre a França e os Flandres tiveram que ser fechadas, na tentativa de se evitar a propagação das guerras constantes do período e da peste bubônica.

Assim, Portugal tornou-se passagem obrigatória no caminho que levava do Mar Mediterrâneo ao Mar do Norte e vice-versa. Essa posição privilegiada impulsionou grandemente o crescimento econômico da burguesia mercantil portuguesa.

Entretanto, se por um lado a crise beneficiava a burguesia, por outro dizimava a população rural.

Esta última sofria diretamente com as guerras e com a peste. Quem não sucumbia a alguma dessas duas adversidades, ou revoltava-se ou migrava para as cidades. O êxodo rural tornou-se imenso e, para freá-lo, o rei lusitano Afonso IV proclamou a Lei das Sesmarias.

De acordo com essa legislação, os proprietários de terras não-cultivadas perdiam o direito a elas. Ou seja, a lei fazia com que os latifundiários se vissem na obrigação de impedir a migração dos camponeses, garantindo assim a produtividade das terras e, portanto, sua manutenção.

Tal medida, que prejudicava a nobreza proprietária favorecia claramente a burguesia, mostrando sua influência junto ao rei.

Portanto, o momento era, em todos os sentidos, bastante próspero para a classe burguesa, que usufruia de um período de ascensão em meio à crise geral. Em 1383, o último rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando I, morreu sem deixar herdeiros.

A ausência de descendentes reais lançou Portugal numa séria crise monárquica, cujos desdobramentos só viriam a provar a hegemonia burguesa na nação. Instaurou-se dois grupos rivais na disputa pelo trono: de um lado, Dona Leonor Teles (viúva de D. Fernando), que comandava o grupo apoiado pela nobreza tradicional, defendia a união de Portugal ao reino de Castela; de outro lado, D. João (Mestre de Avis e irmão ilegítimo de D. Fernando), que encabeçava o grupo apoiado pela burguesia, pela nobreza militar e pelas plebes urbanas e rurais.

Uma eventual união de Portugal com Castela seria desastrosa para a burguesia portuguesa. Explica-se: a Espanha (onde estava Castela) vivia ainda sob estrito contexto feudalista, ao passo que os portugueses já apresentavam claros sinais do desenvolvimento que logo situaria a nação como a mais poderosa do mundo conhecido.

Como uma solução pacífica para o impasse não foi alcançada, o conflito armado tornou-se inevitável.

Por fim, em 1385, na batalha de Aljubarrota, as tropas de D. João esmagaram os castelhanos.

Iniciava-se desta forma a dinastia de Avis em Portugal, que seria marcada pela consolidação da aliança real com a burguesia, o que possibilitou uma centralização monárquica até então inédita na história do país. Tal centralização levaria a um grande crescimento e faria de Portugal a primeira nação européia a expandir seus limites para territórios extracontinentais, através das conquistas coloniais ultramarinas.






Leia também! Assuntos relevantes.

Conflito na Líbia em 2011
Conflito na Líbia mobiliza as nações mais poderosas do mundo A Líbia estampa o noticiário internacional desde 13 de fevereiro de 2011, data do início...

Revolução Neolítico
O homem pré-histórico evoluiu gradualmente, com amplo desenvolvimento de habilidades importantes ao longo do período Paleolítico. Com a construção de ...

Conflito Árabe-Israel
CONFLITO ÁRABE-ISRAELENSE - Com o término da Segunda Guerra Mundial, a ONU aprovou a criação de um Estado judeu na Palestina e também de um Estado ára...

Conflito de Juazeiro
Padre Cícero Romão Batista, líder religioso venerado por milhares de camponeses é o pivô desse conflito. Aliado dos coronéis cearenses, é eleito pr...

Conflitos Sudeste Asiático
A Indonésia, arquipélago formado pelas ilhas de Java e Sumatra e várias outras menores, foi desde o séc. XVII, colônia soa Países Baixos. Seu principa...

A Guerra dos Emboabas - 1708
Inúmeros portugueses ,da metrópole ou da própria colônia, tão logo souberam da descoberta do ouro, dirigiram-se para o local das jazidas com intenção ...

Revolução Constitucionalista de 1932
A Revolução Constitucionalista de 1932 foi um dos maiores e mais importantes movimentos armados da história do Brasil. Essa guerra aconteceu em São Pa...

Causas da Guerra no Iraque
Existem inúmeras causas para a Guerra no Iraque ter acontecido. Entre as razões mais evidentes estão a conjuntura política do momento, a economia, a r...

A Revolução Industrial do Século XX
Até a metade do século XVIII, o comércio era o principal setor da economia européia, aquele que que gerava mais riqueza. A maior parte da população...

A guerra que matou mais de dez milhões de pessoas
O estopim que detonou a Primeira Guerra Mundial foi o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austríaco, e de sua esposa, na...

Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, estudos, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Somos um veículo de comunicação. Não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia ou reprodução de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2016 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados