Revolução de Avis


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Revolução de Avis

Durante o período de grande crise do século XIV, as rotas terrestres entre a França e os Flandres tiveram que ser fechadas, na tentativa de se evitar a propagação das guerras constantes do período e da peste bubônica.

Assim, Portugal tornou-se passagem obrigatória no caminho que levava do Mar Mediterrâneo ao Mar do Norte e vice-versa. Essa posição privilegiada impulsionou grandemente o crescimento econômico da burguesia mercantil portuguesa.

Entretanto, se por um lado a crise beneficiava a burguesia, por outro dizimava a população rural.

Esta última sofria diretamente com as guerras e com a peste. Quem não sucumbia a alguma dessas duas adversidades, ou revoltava-se ou migrava para as cidades. O êxodo rural tornou-se imenso e, para freá-lo, o rei lusitano Afonso IV proclamou a Lei das Sesmarias.

De acordo com essa legislação, os proprietários de terras não-cultivadas perdiam o direito a elas. Ou seja, a lei fazia com que os latifundiários se vissem na obrigação de impedir a migração dos camponeses, garantindo assim a produtividade das terras e, portanto, sua manutenção.

Tal medida, que prejudicava a nobreza proprietária favorecia claramente a burguesia, mostrando sua influência junto ao rei.

Portanto, o momento era, em todos os sentidos, bastante próspero para a classe burguesa, que usufruia de um período de ascensão em meio à crise geral. Em 1383, o último rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando I, morreu sem deixar herdeiros.

A ausência de descendentes reais lançou Portugal numa séria crise monárquica, cujos desdobramentos só viriam a provar a hegemonia burguesa na nação. Instaurou-se dois grupos rivais na disputa pelo trono: de um lado, Dona Leonor Teles (viúva de D. Fernando), que comandava o grupo apoiado pela nobreza tradicional, defendia a união de Portugal ao reino de Castela; de outro lado, D. João (Mestre de Avis e irmão ilegítimo de D. Fernando), que encabeçava o grupo apoiado pela burguesia, pela nobreza militar e pelas plebes urbanas e rurais.

Uma eventual união de Portugal com Castela seria desastrosa para a burguesia portuguesa. Explica-se: a Espanha (onde estava Castela) vivia ainda sob estrito contexto feudalista, ao passo que os portugueses já apresentavam claros sinais do desenvolvimento que logo situaria a nação como a mais poderosa do mundo conhecido.

Como uma solução pacífica para o impasse não foi alcançada, o conflito armado tornou-se inevitável.

Por fim, em 1385, na batalha de Aljubarrota, as tropas de D. João esmagaram os castelhanos.

Iniciava-se desta forma a dinastia de Avis em Portugal, que seria marcada pela consolidação da aliança real com a burguesia, o que possibilitou uma centralização monárquica até então inédita na história do país. Tal centralização levaria a um grande crescimento e faria de Portugal a primeira nação européia a expandir seus limites para territórios extracontinentais, através das conquistas coloniais ultramarinas.




Leia também! Assuntos relevantes.

Conflito de Juazeiro
Padre Cícero Romão Batista, líder religioso venerado por milhares de camponeses é o pivô desse conflito. Aliado dos coronéis cearenses, é eleito pr...

Expedições de Martim Afonso de Souza
Comandada por Martim Afonso de Sousa, partiu de Lisboa, em dezembro de 1.530, uma expedição composta por cinco navios, com uma tripulação de aproximad...

Os Conflitos da Descoberta do Ouro
Com o declínio da indústria açucareira no Brasil, o que aconteceu no final do século XVII, a população passou a buscar outras formas de renda e enriqu...

Guerra Guaranítica
A guerra guaranítica aconteceu em 1754, quando os indígenas da região de Sete Povos das Missões, no Rio Grande do Sul, se recusaram a deixar o territó...

Curiosidades sobre as guerras púnicas
As Guerras Púnicas aconteceram em diferentes momentos e contaram com diversas batalhas entre Roma e Cartago. Os principais conflitos ocorreram em três...

Guerra de Canudos
A Guerra de Canudos aconteceu no nordeste brasileiro no final do século XIX, mais precisamente entre os anos de 1896 e 1897. Nessa época, o nordeste d...

Revolução Russa
De todas as revoluções ocorridas nos tempos modernos, a Revolução Russa de 1917 foi a que mais esperanças despertaram de construir um mundo melhor. Li...

Guerra da Independência Grega
Guerra da Independência Grega, rebelião dos habitantes da Grécia ocorrida de 1821 a 1829, para conseguir a independência do Império Otomano. Os tu...

Guerra do Yom Kippur
A Guerra do Yom Kippur começou no dia 6 de outubro de 1973. O Yom Kippur é uma tradicional celebração dos judeus, sendo considerado o dia mais sagrado...

Revolução Espanhola ou Guerra Civil Espanhola
A Revolução Espanhola, ou, Guerra Civil Espanhola, foi uma sangrenta batalha em que o povo espanhol, empunhou armas contra o fascismo ascendente na Eu...

Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, estudos, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Somos um veículo de comunicação. Não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia ou reprodução de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2015 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados