Revolução de Avis


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Revolução de Avis

Durante o período de grande crise do século XIV, as rotas terrestres entre a França e os Flandres tiveram que ser fechadas, na tentativa de se evitar a propagação das guerras constantes do período e da peste bubônica.

Assim, Portugal tornou-se passagem obrigatória no caminho que levava do Mar Mediterrâneo ao Mar do Norte e vice-versa. Essa posição privilegiada impulsionou grandemente o crescimento econômico da burguesia mercantil portuguesa.

Entretanto, se por um lado a crise beneficiava a burguesia, por outro dizimava a população rural.

Esta última sofria diretamente com as guerras e com a peste. Quem não sucumbia a alguma dessas duas adversidades, ou revoltava-se ou migrava para as cidades. O êxodo rural tornou-se imenso e, para freá-lo, o rei lusitano Afonso IV proclamou a Lei das Sesmarias.

De acordo com essa legislação, os proprietários de terras não-cultivadas perdiam o direito a elas. Ou seja, a lei fazia com que os latifundiários se vissem na obrigação de impedir a migração dos camponeses, garantindo assim a produtividade das terras e, portanto, sua manutenção.

Tal medida, que prejudicava a nobreza proprietária favorecia claramente a burguesia, mostrando sua influência junto ao rei.

Portanto, o momento era, em todos os sentidos, bastante próspero para a classe burguesa, que usufruia de um período de ascensão em meio à crise geral. Em 1383, o último rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando I, morreu sem deixar herdeiros.

A ausência de descendentes reais lançou Portugal numa séria crise monárquica, cujos desdobramentos só viriam a provar a hegemonia burguesa na nação. Instaurou-se dois grupos rivais na disputa pelo trono: de um lado, Dona Leonor Teles (viúva de D. Fernando), que comandava o grupo apoiado pela nobreza tradicional, defendia a união de Portugal ao reino de Castela; de outro lado, D. João (Mestre de Avis e irmão ilegítimo de D. Fernando), que encabeçava o grupo apoiado pela burguesia, pela nobreza militar e pelas plebes urbanas e rurais.

Uma eventual união de Portugal com Castela seria desastrosa para a burguesia portuguesa. Explica-se: a Espanha (onde estava Castela) vivia ainda sob estrito contexto feudalista, ao passo que os portugueses já apresentavam claros sinais do desenvolvimento que logo situaria a nação como a mais poderosa do mundo conhecido.

Como uma solução pacífica para o impasse não foi alcançada, o conflito armado tornou-se inevitável.

Por fim, em 1385, na batalha de Aljubarrota, as tropas de D. João esmagaram os castelhanos.

Iniciava-se desta forma a dinastia de Avis em Portugal, que seria marcada pela consolidação da aliança real com a burguesia, o que possibilitou uma centralização monárquica até então inédita na história do país. Tal centralização levaria a um grande crescimento e faria de Portugal a primeira nação européia a expandir seus limites para territórios extracontinentais, através das conquistas coloniais ultramarinas.





Saiba mais

Buscas relacionadas a Revolução de Avis em História.


[ Pesquisa escolar lida 84104 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Revolução Inglesa
No início do século XVII, era grande a prosperidade econômica da Inglaterra. A burguesia mercantil estava se tornando cada vez mais rica, com o cre...
Lido: 16180 Vezes

Expansão Marítimo-Comercial
Causas: Busca de um novo caminho ás Índias(China, Japão, Arábia, Índia, eles iam em busca de especiarias, seda, porcelana, pólvora, tapetes, perfumes...
Lido: 9983 Vezes

Guerra dos Cem Anos
Guerra dos Cem Anos, nome habitual que se dá aos diversos conflitos armados, interrompidos por tréguas e tratados de paz, iniciados em 1337 e que term...
Lido: 13303 Vezes

Conflito do Irã - Iraque
No Irã, a dinastia Pahlevi, no poder desde 1925, foi derrubada em 1979 pelos patidários do aiatolá Khomeini, líder muçulmano da seita radical xiita. C...
Lido: 21497 Vezes

Guerra do Peloponeso
Conflito entre Atenas e Esparta, ocorrido entre 431 e 404 a.C.. Sua história foi detalhadamente registrada por Tucídides e Xenofonte. De acordo com Tu...
Lido: 15035 Vezes

Guerras Púnicas
Três guerras travadas entre Roma e Cartago pela hegemonia do comércio no Mediterrâneo, conflito que se estende por mais de cem anos, de 264 a.C. a 146...
Lido: 8073 Vezes

Guerra do Afeganistão
A conhecida Guerra do Afeganistão do período contemporâneo da história começou no ano de 2001. Os EUA, a maior potência mundial bélica e econômica mai...
Lido: 13064 Vezes

A Guerra Civil Espanhola (1936-1939)
O conflito tem origem na crise econômica espanhola, que, entre 1929 e 1936, impulsiona grande número de greves, manifestações e levantes de direita e ...
Lido: 57425 Vezes

Guerras Napoleônicas
As Guerras Napoleônicas retratam os conflitos armados comandados por Napoleão Bonaparte. As guerras aconteceram entre 1803 e 1815. Napoleão adorava...
Lido: 4666 Vezes

Julgamentos por Crimes de Guerra
Julgamentos por crimes de Guerra, são os processos abertos contra as pessoas acusadas de cometer crimes contra as leis, costumes e princípios gerais d...
Lido: 5711 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.