Reprovação escolar


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Reprovação escolar

19/10/2010 - Vitor Henrique Paro

Reprovação escolar? Não, obrigado.
Vitor Henrique Paro
Universidade de São Paulo - Faculdade de Educação

Pouca coisa é tão cercada por equívocos, em nossa escola básica, quanto a questão da reprovação escolar, que se perpetua como um traço cultural autoritário e anti-educativo. Começa pela abordagem errônea de avaliação na qual se sustenta. Em toda prática humana, individual ou coletiva, a avaliação é um processo que acompanha o desenrolar de uma atividade, corrigindo-lhe os rumos e adequando os meios aos fins. Na escola brasileira isso não é considerado. Espera-se um ano inteiro para se perceber que tudo estava errado. Qualquer empresário que assim procedesse estaria falido no primeiro ano de atividade. E mais: em lugar de corrigir os erros, repete-se tudo novamente: a mesma escola, o mesmo aluno, o mesmo professor, os mesmos métodos, o mesmo conteúdo... É por isso que a realidade de nossa escola não é de repetentes, mas de multirrepetentes.

Absurdo semelhante ocorre quando se trata de identificar a origem do fracasso. A atividade pedagógica que se dá na escola supõe um quase infindável conjunto de atividades, de recursos, de decisões, de pessoas, de grupos e de instituições, que vão desde as políticas públicas, as medidas ministeriais, passando pelas secretarias de educação e órgãos intermediários, chegando à própria unidade escolar em que se supõem envolvidos o diretor, seus auxiliares, a secretaria, os professores, seu salário, suas condições de trabalho, o aluno, sua família, os demais funcionários, os coordenadores pedagógicos, o material didático disponível etc. etc. Mas, no momento de identificar a razão do não aprendizado, apenas um elemento é destacado: o aluno. Só ele é considerado culpado, porque só ele é diretamente punido com a reprovação. Como se tudo, absolutamente tudo, dependesse apenas dele, de seu esforço, de sua inteligência, de sua vontade. Para que, então, serve a escola?

Essa pergunta, aliás, vem bem a propósito da forma equivocada e anti-científica como se concebe o ensino tradicional ainda dominante entre nós. Apesar de a Didática ter reiteradamente demonstrado a completa ineficiência do prêmio e do castigo como motivações para o aprendizado significativo, ainda se lança mão generalizadamente da ameaça da reprovação como recurso pedagógico. Segundo esse hábito, revelador, no mínimo, da total ignorância dos fundamentos da ação educativa, à escola compete apenas passar informações, ameaçando o aluno com a reprovação caso ele não estude. Daí a grita de professores, pais e imprensa de modo geral contra a retirada da reprovação na adoção dos ciclos, afirmando que, livre da ameaça da reprovação, o aluno não se motiva para o estudo. Ignoram que a verdadeira motivação deve estar no próprio estudo que precisa ser prazeroso e desejado pelo aluno.

Nisso se resume o papel essencial da escola: levar o aluno a querer aprender. Este é um valor que não se adquire geneticamente; é preciso uma consistente relação pedagógica para apreendê-lo. Sem ele, o aluno só estuda para se ver livre do estudo, respondendo a testes e enganando a si, aos examinadores e à sociedade.

Mas defender a retirada da reprovação não significa apoiar “reformas” demagógicas de secretarias de educação com a finalidade de maquiar estatísticas. Essa prática, embora coíba o vício reprovador, nada mais acrescenta para a superação do mau ensino. Com isso, o aluno que, após reiteradas reprovações, abandonava a escola, logo nas primeiras séries, agora consegue chegar às séries finais do ensino, mas continua quase tão analfabeto quanto antes. A diferença é que agora ele passa a incomodar as pessoas, levando os mal informados a porem a culpa pelo mau ensino na progressão continuada. Mas o aluno deixa de aprender, não porque foi aprovado, mas porque o ensino é ruim, coisa que vem acontecendo desde muito antes de se adotar a progressão continuada. Apenas que, antes, esse mesmo aluno permanecia na primeira série, ou se evadia, tão ou mais analfabeto que agora. Mas aí era cômodo, porque ele deixava de constituir problema para o sistema de ensino. Agora, com a aprovação, percebe-se a reiterada incompetência da escola.

Só a consciência desse fato deveria bastar como motivo para se eliminar de vez a prática da reprovação no ensino básico: porque ela tem servido de álibi para a secular incompetência da escola que se exime da culpa que é dela e do sistema que a mantém. A reversão dessa situação exige que o elemento que estrutura a escola básica deixe de ser a reprovação para ser o aprendizado. É preciso reprovar, não os alunos, para encobrir o que há de errado no ensino e isentar o Estado de suas responsabilidades, mas as condições de trabalho, que provocam o mau ensino e impedem o alcance de um direito constitucional.



Vitor Henrique Paro é titular em Educação pela Usp. Foi professor titular nos cursos de graduação e pós-graduação em Educação da Puc-SP e pesquisador sênior da Fundação Carlos Chagas. Atualmente é professor titular no Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação da Faculdade de Educação da Usp, onde exerce a docência e a pesquisa na graduação e na pós-graduação.


As opiniões expressas nesse texto são de responsabilidade de seu autor.
O GrupoEscolar.com é um veículo de comunicação e não compactua com nenhuma opinião sobre nenhum tema.



Fonte:
http://www.forumeducacao.hpg.ig.com.br/vamos/vamos.htm





Saiba mais

Buscas relacionadas a Reprovação escolar em Pedagogia.

[ Pesquisa escolar lida 6051 Vezes - Categoria: Pedagogia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

A utilização dos games no ensino de química
Uma proposta lúdica para a avaliação no ensino de química – A utilização dos (games). A educação, assim como a tecnologia, está passando por mudança...
Lido: 10447 Vezes

Educação a Distância (EAD)
O conceito de Educação a Distância, conhecida atualmente pela sigla EAD, já existe desde 1890. Na Alemanha e na Universidade de Chicago, nos Estados U...
Lido: 675 Vezes

História da Educação
INTRODUÇÃO: Será analisado neste trabalho, os principais períodos da educação: com ínicio, o período jesuítico até os nossos dias. Abordaremos ain...
Lido: 34071 Vezes

Dia do Professor - 15 de Outubro
Como surgiu o Dia do Professor Tudo começou com um decreto imperial, de 15 de outubro de 1827, que trata da primeira Lei Geral relativa ao Ensino Ele...
Lido: 7542 Vezes

Educação para a Democracia
EDUCAÇÃO PARA A DEMOCRACIA: O ELEMENTO QUE FALTA NA DISCUSSÃO DA QUALIDADE DO ENSINO Por Vitor Henrique Paro (Feusp) Quer no âmbito dos estabel...
Lido: 10611 Vezes

Políticas Públicas e Direitos à Educação
Maria Theresa Santos De Luna Apresentação (...) deixe-se a cada qual, enquanto não violar as leis da justiça, perfeita liberdade de ir em busca de s...
Lido: 6090 Vezes

Estão lendo agora:

Max Karl Ernst Ludwig Planck (1858 - 1947)
Resumo sobre a biografia de Max Planck. Max Karl Ernst Ludw...
Lido às 27:33:06 - 20/04/2014
Cólera
A cólera é uma doença infecciosa aguda, transmissível e peri...
Lido às 27:33:05 - 20/04/2014
Crase
• A crase é um acento gráfico? Não. A crase não é um acento...
Lido às 27:32:58 - 20/04/2014
Tipos de Brisas
A brisa marítima é mais intensa nos períodos do ano em que a...
Lido às 27:32:58 - 20/04/2014
Literatura de Informação
Chamamos de Literatura de Informação, ou Literatura dos Viaj...
Lido às 27:32:58 - 20/04/2014
Inconfidência Mineira
A crescente falta de alternativas econômicas acabou levando ...
Lido às 27:32:57 - 20/04/2014

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.