Guerras Francesas de Religião (1559-1598)

Guerras Francesas de Religião (1559-1598)

Série de confrontos políticos e sociais provocados pela fraqueza da dinastia Valois frente ao conflito religioso e à rivalidade aristocrática.

O calvinismo teve um forte impacto nas cidades, nas universidades e na nobreza da França do início do século XVI.

Henrique II proibiu o protestantismo, mas o número de conversões cresceu. Francisco II continuou com a perseguição.

Durante a regência de Catarina de Medici, ocorreu uma expansão dos huguenotes. Porém, a aliança com os Guise deu continuidade à política antiprotestante.

Os huguenotes, dirigidos por Luís I de Bourbon, incitaram a revolta e conquistaram algumas cidades, mas o confronto terminou com a derrota dos protestantes.

Durante os quatro anos seguintes, Catarina de Medici tratou de manter a instável situação de paz existente entre as duas facções. No entanto, no outono de 1567, os huguenotes voltaram a rebelar-se.

A paz de Saint-Germain permitiu aos huguenotes o direito de controlar quatro fortificações, o que colocava em questão a autoridade real sobre todo o território francês.

Carlos IX promoveu o matrimônio de sua irmã Margarida de Valois com o huguenote Henrique de Navarra.

Só que, assustado com rumores de uma conspiração protestante, ordenou a matança dos líderes huguenotes que haviam chegado a Paris para as bodas, episódio que passou à história como a Noite de São Bartolomeu.

O banho de sangue não tardou a estender-se pela capital e as cidades da província.

A matança provocou outra guerra, quando os huguenotes conseguiram a liberdade religiosa em todas as cidades, salvo Paris, e o controle de oito fortalezas. Os extremistas católicos, liderados pela família Guise, formaram a Liga Católica.

A sexta guerra de religião forçou os huguenotes um retorno à situação existente em 1570.

Em 1589, o huguenote Henrique de Navarra ascendeu ao trono com o nome de Henrique IV, mas foi rejeitado pelos católicos.

Ainda que muitos duvidassem da sinceridade da sua conversão ao catolicismo, o país estava cansado de guerras e rebeliões camponesas, motivo pelo qual as cidades e os nobres defensores da Liga renderam-se e juraram lealdade à Coroa.

O Edito de Nantes (1598) concedeu liberdade religiosa aos huguenotes e a defesa de um grande número de cidades fortificadas ao sul e a oeste da França.

Não obstante, seus privilégios foram abolidos por Luís XIII e Luís XIV.

fonte: http://www.slimsite.hpg.ig.com.br/francesa.html

Leia também! Assuntos relevantes