África Portuguesa

Durante o expansionismo português, período das grandes navegações, a coroa chegou ao continente africano, além de ter descoberto e colonizado o Brasil. A expansão portuguesa na África aconteceu principalmente no fim do século XIX. Por conta dessa ocupação tardia ocorrida no continente, os países colonizados por Portugal na África só conquistaram sua independência depois de muitos anos, e a colonização só se encerrou completamente na década de 1970.

As antigas colônias de Portugal na África incluem Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe. A colonização no continente foi motivada por interesses econômicos.

Portugal participou ativamente do comércio de escravos africanos. A mão de obra dos negros foi utilizada em diversas partes do mundo, inclusive no Brasil, por causa desta exploração iniciada por Portugal.

A venda de escravos ficou conhecida como o “ouro negro português”. Além disso, no fim do século XIX, Portugal precisava criar novas relações mercantilistas, e a maneira encontrada para isso foi estabelecer um império no continente africano.

Entenda como foi a expansão ultramarina de Portugal em cada país africano:


Angola

País consolidado como colônia de Portugal na África entre 1483 e 1485. O território foi ocupado com a chegada de Diogo Cão. Angola foi uma das colônias mais ricas de Portugal, garantindo a exploração de riquezas como diamantes, ferro, cobre e urânio.

A colonização teve início com a construção de feitorias no território angolano. Em seguida, em 1575, 400 colonos, liderados por Paulo Dias Novais, fundaram a cidade de São Paulo de Luanda.

Em Angola, os portugueses também empregaram os regimes de Capitanias Hereditárias e Sesmarias, que eram usados no Brasil. O tráfico negreiro e a exploração dos recursos naturais do solo angolano renderam muito dinheiro para a coroa portuguesa.


Moçambique

A colonização portuguesa no território de Moçambique começou em 1490, com Pero da Covilhã. Na região, os portugueses exploraram carvão, ouro, prata, marfim, peles, especiarias e pérolas.

Em 1537, foi estabelecida a primeira feitoria de Moçambique. O tráfico de escravos também era realizado e rendia lucros à coroa portuguesa.

Guiné-Bissau

A colônia portuguesa de Guiné-Bissau era interessante para a coroa principalmente por causa da exploração do ouro. Os portugueses chegaram a Guiné-Bissau por volta de 1446, porém a coroa portuguesa só ocupou o território e criou feitorias de comércio a partir do ano de 1588.


Cabo Verde

Cabo Verde entrou na rota de exploração portuguesa em 1460. Os lucros da colônia eram provenientes do tráfico negreiro e dos recursos naturais. Os escravos eram transportados pelo Oceano Atlântico.


São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe passou ao domínio português em 1470, quando os navegadores Pero Escobar e João de Santarém chegaram à região. Os principais recursos explorados no país foram o açúcar, o cacau e o café.


Independência das colônias africanas

O processo de independência das colônias africanas só começou no século XX. Muitos conflitos marcam este processo, que foi impulsionado pela insatisfação popular em relação à condição das colônias.

A Revolução de 25 de abril, que aconteceu em Portugal no ano de 1974, acelerou a independência dos países africanos. A primeira nação independente foi Guiné-Bissau, em 1974. A liberdade de Moçambique, Cabo Verde, São Tome e Príncipe e Angola ocorreu ao longo do ano de 1975.

Leia também! Assuntos relevantes