Concordância Verbal

Português
Por

A concordância verbal existe para que o verbo e o sujeito da oração funcionem em harmonia, de maneira correta. Sendo assim, se o sujeito está no plural ou no singular, o verbo também precisa estar em sintonia, da mesma forma, em concordância.


Veja um caso:

Eu fico feliz quando os jogadores agradecem a torcida.

Nós ficamos felizes quando o jogador agradece a torcida.


Nestes dois exemplos, quando há mudança do sujeito do singular para o plural, o verbo acompanha essa mudança:

Eu + fico

Jogadores + agradecem

Nós + ficamos

Jogador + agradece

Existem algumas regras de concordância verbal.


Se o sujeito for coletivo, o verbo permanece no singular. Veja:

A alcateia atravessou na frente do carro.

Caso haja especificação do coletivo, a concordância verbal pode ser feita no singular ou plural.

Em coletivos partitivos, a concordância verbal pode ser feita no singular ou plural. Veja:

A maior parte dos alunos faltou na aula.

A maior parte dos alunos faltaram na aula.


O verbo vai concordar com o numeral em expressões “cerca de”, “menos de” e “mais de”. Veja:

Mais de um cliente quis conhecer o produto.

Mais de 4 mulheres quiseram comprar os sapatos.


Em caso de reciprocidade com “mais de”, a concordância verbal deve ser feita com o verbo no plural. Veja:

Mais de uma pessoa se aterrorizaram.

A concordância verbal com nomes próprios precisa seguir o artigo. Veja:

Os Estados Unidos mandam na ONU.

Estados unidos manda na ONU.


No uso do pronome relativo que, a concordância verbal é feita com o antecedente. Veja:

Foi ele que tentou.

Foi tu que tentaste.


No uso de quem, a concordância verbal pode ser feita da seguinte maneira:

Foi ele quem escolheu o evento noturno.

Fui eu quem escolhi o evento noturno.


No uso da expressão “um dos que”, a concordância verbal pode ser no singular ou no plural. Veja:

Ele foi um dos que mais gostou do passeio.

Ele foi um dos que mais gostaram do passeio.


Em sujeitos sinônimos, a concordância pode ser feita no plural ou singular. Veja:

Vontade e perseverança pode trazer bons resultados.

Vontade e perseverança podem trazer bons resultados.


No caso de enumeração e graduação, a concordância verbal pode ser feita no singular ou plural. Veja:

Um dia, dois meses ou 3 anos não foi suficiente.

Um dia, dois meses ou 3 anos não foram suficientes.


Se “ou” for usado no seguinte caso, a concordância verbal é feita com o último elemento antes do verbo. Veja:

Carlos ou João terá mais chances.


Caso a ligação dos sujeitos ocorra com “nem”, o verbo deve seguir para o plural. Veja:

Nem dinheiro nem cartão de crédito são necessários para pagar o hotel.


Se “com” for usado no sujeito com o sentido de “e”, o verbo também vai para o plural. Veja:

Pedro com Antonio compraram um carro novo.

Estes são os casos mais comuns de concordância verbal, que devem sempre ser seguidos com a finalidade de garantir orações corretas, de acordo com a norma culta da Língua Portuguesa.

Compartilhe