O conceito de alimento


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


O conceito de alimento

Por Fernando Antonio Carneiro de Carvalho

Definir alimento, convenhamos, é um assunto meio complicado, mas nesse terreno até os nutricionistas concordam em algumas questões suficientes para uma definição satisfatória. E talvez ela ajude a deixar claro pelo menos o que não é alimento.

O Dr. Cleto Seabra Veloso assim define alimento: “Toda e qualquer substância, orgânica ou mineral, que introduzida no organismo em proporções convenientes é capaz de assegurar-lhe o desenvolvimento e a conservação normais no meio em que vive”. Para completar sua definição o Dr. Cleto pede a ajuda do seu colega Dr. Sebastião Barroso: “O alimento deve ser comível, ser digerível, e ser nutriente”. (9)

A nutricionista Rebeca de Angelis diz que “alimento é aquilo que entra no organismo para fornecer energia, matéria viva de crescimento, manutenção, reparo, reprodução e excreção”. (10)

Dessas duas definições depreende-se que os alimentos desempenham papéis no organismo: plástico, energético, regulador e protetor. O papel plástico (construção do corpo) cabe, grosso modo, às proteínas; o papel energético aos carboidratos e gorduras; e o papel regulador e protetor às vitaminas, e sais minerais. A água e as fibras têm uma participação especial.

Um assunto polêmico envolve o papel energético dos alimentos. Desde Lavoisier que se repete a comparação entre alimento e combustível, segundo o fundador da medicina experimental, Claude Bernard: “A comparação entre alimento e combustível é pouco exata, porque o organismo não emprega para as suas atividades o calor de combustão dos próprios alimentos, mas utiliza diretamente a energia química neles contida e no oxigênio, energia química que por comodidade é medida calorimetricamente, mas que no corpo realiza outras transformações: distribui-se em soluções de concentrações diversas, em sistemas complexos; transforma-se abundantemente em energia de superfície que, por sua vez, cria forças tensoras e atrativas (absorção); estabelece potenciais de membranas e finalmente reflui irreversivelmente no mar morto da energia menos nobre, a mais degradada, que é a energia térmica, e sob essa forma, se não há trabalho externo, abandona o organismo”. (11)

E aprofundando o assunto com nosso Dr. Seabra Veloso: “Na máquina mecânica o combustível desenvolve energia que se traduz em força, em trabalho, em movimento, mas as peças se gastam; na máquina orgânica, porém, além da energia e do calor resultantes, o alimento repõe os gastos ocorridos, e refaz as células, tecidos e órgãos. De modo que esses se renovam automaticamente. Constitui isso uma das maravilhas da vida”. (12)

Levando em consideração o exposto, faço a pergunta: açúcar pode ser considerado um alimento? Acredito que não.

Se levarmos em consideração todas as definições de alimento que vimos, de Cleto Seabra Veloso, Rebeca de Angelis, Sebastião Barroso e Claude Bernard, o açúcar não se enquadra em nenhuma delas; sai reprovado em todas. A alma do conceito de alimento é ser fonte de nutrientes e o teor de nutrientes do açúcar é ZERO! Aquilo a que o açúcar se propõe - fornecer energia - é uma proposta de fazer chover no molhado, posto que TODOS os alimentos (carboidratos, gorduras e proteínas) já fornecem a energia de que o corpo precisa ao mesmo tempo em que o nutrem. A capacidade do açúcar de “repor os gastos ocorridos, e refazer as células, tecidos e órgãos” é igualmente ZERO! E o que é pior: o açúcar além de não fornecer nenhum nutriente ainda vai precisar de nutrientes das reservas do corpo para poder ser metabolizado, desvitaminizando, desmineralizando e desidratando o organismo.

O médico Nilton de Oliveira considera o álcool um alimento energético “porque do ponto de vista fisiológico fornece energia mediante o processo de oxidação; entretanto não se incorpora ao organismo como nutrimento”.(13) O açúcar é candidato a esse status, mas ao contrário do álcool ele “se incorpora” ao organismo da pior forma possível: “aleijando” proteínas pelo processo de glicação não-enzimática. Portanto o açúcar “poderia” até ser um alimento energético se não fosse essencialmente patogênico, atributo que desqualifica-o como alimento.

O açúcar, a meu ver, sequer pode ser considerado um alimento concentrado ou um alimento derivado, como erroneamente o qualifica o mencionado Dr. Cleto Veloso. A partir de determinado ponto em seu processo de refinação ele deixa de ser alimento e assume o caráter de um composto químico puro.

O açúcar engana muita gente pelo fato da sacarose ser constituída de duas moléculas uma de glicose e outra de frutose, dá a falsa impressão de que o açúcar é uma fonte desses nutrientes. O mel, um alimento de verdade, é fonte de glicose e frutose. Acontece que o mel oferece esses “açúcares simples” já prontos para uso, previamente hidrolisados pelas abelhas que possuem enzimas específicas para tanto; além de ser rico em outros nutrientes.

A maioria dos médicos pensa que a fácil e rápida hidrólise da sacarose é gratuita, mas para ser aproveitado pelo corpo necessita de uma hidrólise onerosa para o organismo. O açúcar é depletor de nutrientes, rouba vitaminas, sais minerais e até desidrata, e vem acompanhado de resíduos químicos dos agrotóxicos.

A ingestão de açúcar altera o funcionamento das glândulas endócrinas, pâncreas, supra-renais, pituitária e até do fígado. Puxado pela hiperinsulinemia o sistema glandular endócrino, com o tempo, tende a se esgotar, e o pâncreas perde a sintonia fina que existe entre níveis de glicose e doses de insulina, o glucagon e até a adrenalina entram nessa dança. E o abuso de oferta de insulina faz com que, com o tempo, ela perca a eficácia. O equilíbrio ácido/base e o equilíbrio osmolar, também são alterados e há formação excessiva de radicais livres em seu corpo gerando estresse oxidativo. A glicação (ex glicosilação) que toma conta de proteínas do sangue, de órgãos, tecidos e células é algo semelhante a cupim atacando móvel de madeira ou ferrugem atacando uma máquina de ferro. O sistema imunológico e o metabolismo também são debilitados. A festa que o açúcar faz no corpo humano ainda está para ser mapeada pela medicina com ajuda da bioquímica.

Um bom critério para deixar clara a nulidade nutricional do açúcar é examiná-lo a partir de um ponto-de-vista negativo. Quando uma pessoa deixa de ingerir um nutriente essencial contrai uma doença, são as chamadas doenças carenciais ou avitaminoses. Assim, quem deixa de consumir alimentos que contenham vitamina A contrai cegueira noturna. Povos cujo alimento básico da sua dieta era o arroz integral, rico em vitaminas do complexo B, ao transitar para o arroz branco polido e pobre dessas vitaminas contraíram beribéri. A falta de vitamina C gera escorbuto. E assim por diante. Sabem o que acontece a uma pessoa que deixa de comer açúcar? Não só não vai contrair doença nenhuma como ainda vai ficar livre da possibilidade de cáries dentárias, obesidade, diabetes, doenças cardíacas e outras do largo espectro das doenças crônicas, não transmissíveis.

Com certeza todos os órgãos do seu corpo vão cantar em coro para o açúcar aquele verso de conhecido samba “sabe quem perguntou por você? Ninguém”.



Sobre o texto acima:
O texto acima foi retirado do livro "O livro negro do açúcar".

Titulo do Livro: O livro negro do açúcar

Subtitulo do Livro: Algumas verdades sobre a indústria da doença


Texto enviado às 15:33 - 13/01/2009

Autor do Livro: Fernando Antonio Carneiro de Carvalho



Fonte Imagem:
http://asmaosdesarah.blogspot.com



Fontes:
9 - VELOSO, Cleto Seabra. Trinta regimes alimentares. Rio de Janeiro: Leitura, 1968, p. 40.

10 - ANGELIS, Rebeca C. de. Fisiologia da nutrição. São Paulo: Edart/USP, 1977, p. 22.

11 - BERNARD apud VELOSO, Cleto Seabra. Op. cit., p. 40.

12 - VELOSO, Cleto Seabra. Op. cit., p. 40.

13 - OLIVEIRA, Nilton M. B. de. Dietoterapia na prática médica. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1975, p. 7.




BIBLIOGRAFIA
ALMEIDA, João L. Curvo. A Dieta do Yin e do Yang. Rio de Janeiro: Achiamé, 1998.

ANDRADE, Gentil de. Diabetando. Rio de Janeiro: Edição do autor, s/d.

ANGELIS, Rebeca Carlota de. Fsiologia da Nutrição. São Paulo: Edart, 1977.

ARDUINO, Francisco. Conheça Seu Diabetes. Porto Alegre: Globo, 1965.

ATKINS, Robert C. A Dieta da Superenergia do Dr. Atkins. Rio de Janeiro: Artenova, 1978.

ATKINS, Robert C. A Dieta Revolucionária do Dr. Atkins. Rio de Janeiro: Artenova, 1977.

ATKINS, Robert C. A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins. Rio de Janeiro: Record, 2001.

AVANCINI, Elsa Gonçalves. Doce Inferno. São Paulo: Atual, 1991.

BALBACH, Alfons. As Hortaliças na Medicina Doméstica. São Paulo: Missionária, s/d.

BARBOSA, Adamastor. Regimes e Doenças. Rio de Janeiro: Leite Ribeiro, 1923.

BONTEMPO, Márcio. Relatório Orion. Porto Alegre: L&PM, 1985.

BRAND-MILLER, Jennie (et alii). A Nova Revolução da Glicose. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2003.

COUTINHO, Ruy. Noções de Fisiologia da Nutrição. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1981.

DALLA VIA, Gudrun. Las Combinaciones Alimenticias. México: Ibis, 1989.

DUFTY, William. Sugar Blues. Rio de Janeiro: Ground, 1978.

FREYRE, Gilberto. A Presença do Açúcar na Formação Brasileira. Rio de Janerio: IAA, 1975.

FREYRE, Gilberto. Açúcar. Rio de Janerio: IAA, 1975.

FUKUDA, Yotaka. Açúcar Amigo ou Vilão. São Paulo: Manole, 2004.

GOLDBERGER, Emanuel. Alterações do Equilíbrio Hídrico, Eletrolítico e Ácido-Base. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1978.

GUYTON, Arthur. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, 1989.

HALPERN, Alfredo. Guia de Apoio Nutricional Para Diabéticos. Rio de Janeiro: Lemos, s/d.

HALPERN, Seymour Lionel. A Nutrição na Prática Médica. Clínicas Médicas da América do Norte.

Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1970.

HAUSER, Gayelord. Pareça Mais Jovem, Viva Mais Tempo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1975.

HAY & WALB, Ludwig. A Alimentação Dissociada. São Paulo: OGP, 1983.

HORTA, Luís. Alimentação no Desporto. Lisboa: Viseu, 1988.

IRIBARREM, Leoni. Gordo Nunca Mais. Rio de Janeiro: Razão Cultural, 2000.

KRAUSE, Marie, M. Alimentos, nutrição & dietoterapia. São Paulo: Roca, 2002

KUSHI, Michiio et alii. Seminário: Medicina, Filosofia e Cultura Oriental, 21 a 27 de nov. de 1977. São Paulo: IPU, 1978.

LAMARE, Rinaldo de. A Vida do Bebê. Rio de Janeiro: Bloch, 32ª edição, s/d.

LEHNINGER, Albert. Bioquímica. São Paulo: Edgard Blucher, 1976.

LIPPMANN, Edmund von. História do açúcar. Rio de Janeiro: IAA, tomo II, 1942.

MASSON, Rober. Regenerando sua Saúde pela Alimentação. São Paulo: Ágora, 1987.

MAZEL, Judy. A Dieta de Beverly Hills. Rio de Janeiro: Record, 1983.

McCULLY, Kilmer. O Fator Homocisteína. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

McGEE, Charles T. Como Sobreviver à Tecnologia. Porto alegre: L&PM, 1986.

MELLO, A. da Silva. Alimentação Instinto e Cultura, Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

MOORE, Thomas J. A Saúde do Seu Coração. Rio de Janeiro: Record, 1994.

NOVAIS, Vera L. D. de. Química Orgânica. São Paulo: Atual, 1985.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: CEN, 1957.

PAMPIGLIONE, Silvio. Compêndio de Formação de Base para Agentes Sanitários em África. Roma: Instituto Italo-Africano, 1984.

PELICO, Sylvio. Brasil Açúcar. Rio de Janeiro: IAA, 1972.

PERNETTA, César. Alimentação da Criança. São Paulo: BYK-Procienx, 1979.

PODOLSKY, Stephen. Diabetes Mellitus. Clínicas Médicas da América do Norte. Rio de Janeiro: Interamericana, 1978.

QUEIROZ JUNIOR. Vocábulos no Banco dos Réus. Rio de Janeiro: Copac, s/d.

RATHERY, F. O Diabetes Sacarino. Rio de Janeiro: Minerva, 1937.

RIBEIRO, Solange (org.). Ações Preventivas na Saúde Familiar. Prevenção na Odontologia. OAB, Rio de Janeiro: OAB/CAARJ, 2002.

ROUSSOS, Demis e SKAWINSKA, Véronique. Questão de Peso. Paris, 1982.

SABRÁ, Aderbal. Diarréia na Infância. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1982.

SEARS, Barry e LAWREN, Bill. O Ponto Z, A dieta. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

SHELTON, Herbert M. Alimentação Correta. Excertos do livro Food Combining Made Easy traduzidos por Jayme Jakubovicz. Rio de Janeiro: Cooperativa, s/d.

TERRA, Barros. Chimica Orgânica. Rio de Janeiro: Casa Leuzinger. 1936.

UCHÔA JR, João. Só é Gordo Quem Quer. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1986.

VASCONCELLOS, José L. F. & GEWANDSZNAJDER, Fernando. Programas de Saúde. São Paulo: Ática, 1986.

WALTON, Lewis J.D. et alii. Seis Anos a Mais. São Paulo: IASD, 1988.

WOLKE, Robert L. O Que Einstein Disse a seu Cozinheiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

WORTHINGTON-ROBERTS, Bonnie S. et alii. Nutrição na Gravidez e na Lactação. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1988.

ZIMMERMAN, Bruce R. & WALKER, Elizabeth A.. Guia Completo sobre Diabetes da American Diabetes Association. Rio de Janeiro: Anima, 2002.





Saiba mais

Buscas relacionadas a O conceito de alimento em Fatos Gerais.


[ Pesquisa escolar lida 31292 Vezes - Categoria: Fatos Gerais ]


Leia também! Assuntos relevantes.

A diferença entre o açúcar do açucareiro e o das frutas
Uma tese cara aos médicos sucrófilos é a de que “o organismo não distingue entre o açúcar refinado e o natural, metabolizando-os da mesma forma”. O do...
Lido: 29313 Vezes

Alimento versus calorias
Desde que a humanidade existe - pode recuar bastante, ao tempo do Australopitecus, por exemplo - que o organismo animal está adaptado à relação matemá...
Lido: 13259 Vezes

A Econômia Açucareira
A cana-de-açúcar foi o produto escolhido devido ao conhecimento que os portugueses possuíam, pois já plantavam na ilha da Madeira e também já estavam ...
Lido: 13308 Vezes

Engenhos de Açúcar
Os engenhos de açúcar eram as unidades industriais que se dedicavam à transformação da cana em açúcar ou outros derivados, como o melaço ou a aguarden...
Lido: 6877 Vezes

A Teoria dos Açúcares
Quando você ler ou ouvir a palavra “açúcares” tome cuidado, estão querendo enganar você: trata-se da teoria dos açúcares. Segundo essa teoria existem ...
Lido: 10490 Vezes

Pirâmide Alimentar Infantil
Crianças de 6 a 23 Meses (Ministério da Saúde, 2002) A Pirâmide Alimentar é a representação gráfica do Guia Alimentar para Crianças de 6 a 23 Meses. ...
Lido: 38844 Vezes

Ciclo do Açúcar
O ciclo da cana-de-açúcar foi a primeira atividade economicamente organizada do Brasil. A partir da fundação do primeiro engenho de cana-de-açúcar pel...
Lido: 24107 Vezes

Doenças causadas pelo açúcar
O açúcar consumido em excesso é a principal causa de diabetes e de tantas outras doenças. O açúcar refinado não é bom para a saúde e causa o ganho de ...
Lido: 1140 Vezes

Açúcar não é açúcar: o simples e o complicado
Açúcar não é açúcar. Parece confuso? Concordo, a culpa é da teoria dos açúcares. Açúcar de verdade, aquele de que seu corpo necessita e que fornece e...
Lido: 19831 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.