Independência da América Espanhola


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Independência da América Espanhola

10/12/2008

Processo de emancipação das colônias espanholas no continente americano durante as primeiras décadas do século XIX. Resulta das transformações nas relações entre metrópole e colônia e da difusão das idéias liberais trazidas pela Revolução Francesa e pela independência dos EUA. Recebe influência também das mudanças na relação de poder na Europa em conseqüência das guerras napoleônicas.

Durante o século XVIII, a Espanha reformula aspectos de seu pacto colonial. A suspensão do monopólio comercial da Casa de Contratação de Sevilha dá maior flexibilidade às relações comerciais entre metrópole e colônia. Mas, ao mesmo tempo, procura impedir o desenvolvimento das manufaturas coloniais e combate o contrabando inglês. Essas medidas contrariam os interesses da elite colonial, os criollos (descendentes de espanhóis nascidos na América), que lideram a maioria dos movimentos emancipacionistas. Eles são considerados inferiores pela elite e proibidos de ocupar cargos públicos, civis ou militares.

As guerras travadas peloImpério Napoleônico alteram o equilíbrio de forças na Europa, que se reflete nos domínios coloniais. Em junho de 1808, Napoleão Bonaparte invade a Espanha, destrona o rei Carlos IV e seu respectivo herdeiro, Fernando VII. Impõe aos espanhóis um rei francês, seu irmão, José Napoleão (José I). Na América, os cabildos (instituições municipais que são a base da administração colonial), sob comando dos criollos, declaram-se fiéis a Fernando VII e desligam-se do governo de José I. Passam a exigir ainda maior autonomia, liberdade comercial e igualdade com os espanhóis.

Com a restauração da Monarquia após a derrota de Napoleão, a Espanha passa a reprimir os movimentos emancipacionistas. Diante dessa situação, a elite criolla decide-se pela ruptura com a metrópole. Conta com a aprovação da Inglaterra, que, interessada na liberação dos mercados latino-americanos para seus produtos industrializados, contribui militar, financeira e diplomaticamente com as jovens nações. O Paraguai proclama a independência em 1811 e a Argentina, em 1816, com o apoio das forças do general José de San Martín. No Uruguai, José Artigas lidera as lutas contra as tropas espanholas e obtém vitória em 1811. No entanto, a região é dominada em 1821 pelo rei dom João VI e anexada ao Brasil, sob o nome de Província Cisplatina, até 1828, quando consegue sua independência. San Martín organiza também no Chile a luta contra a Espanha e, com o auxílio do líder chileno Bernardo O''Higginsjump: BAHFF, liberta o país em 1818. Com isso, alcança o Peru e, com a ajuda da esquadra marítima chefiada pelo oficial inglês Lord Cockrane, torna-se independente do país em 1822. Enquanto isso, no norte da América do Sul, Simón Bolívar atua nas lutas pela libertação da Venezuela (1819), da Colômbia (1819), do Equador (1822) e da Bolívia (1825). Em 1822, os dois líderes, Bolívar e San Martín, reúnem-se na cidade de Guayaquil, no Equador, para discutir o futuro da América hispânica. Bolívar defende a unidade das ex-colônias e a formação de uma federação de repúblicas, e San Martín é partidário de governos formados por príncipes europeus. A tese de Bolívar volta a ser discutida no Congresso do Panamá, em 1826, mas é rejeitada.

Em toda a América hispânica há participação popular nas lutas pela independência, mas a elite criolla se mantém hegemônica. No México, no entanto, a mobilização popular adquire contornos de revolução social: a massa da população, composta de índios e mestiços, rebela-se ao mesmo tempo contra a dominação espanhola e contra os criollos. Liderados pelos padres Hidalgo e Morelos, os camponeses reivindicam o fim da escravidão, a divisão das terras e a abolição de tributos, mas são derrotados. Os criollos assumem a liderança do movimento pela independência, que se completa em 1821, quando o general Itúrbide se torna imperador do México. O movimento pela emancipação propaga-se pela América Central (que havia sido anexada por Itúrbide), resultando na formação da República Unida da América Central (1823-1838), que mais tarde dá origem a Guatemala, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e El Salvador. O Panamá obtém independência em 1821 e a República Dominicana, em 1844. Cuba permanece como a última possessão espanhola no continente até a Guerra Hispano-Americana. Ao contrário da América portuguesa, que mantém a unidade territorial após a independência, a América espanhola divide-se em várias nações, apesar de tentativas de promover a unidade, como a Grã-Colômbia, reunindo Venezuela e Colômbia, de 1821 a 1830, a República Unida da América Central e a Confederação Peru-Boliviana, entre 1835 e 1838. A fragmentação política da América hispânica pode ser explicada pelo próprio sistema colonial, uma vez que as diversas regiões do império espanhol eram isoladas entre si. Essa situação favorece também o surgimento de lideranças locais fortes, os caudilhos, dificultando a realização de um projeto de unidade colonial.

Fonte: http://br.geocities.com/vinicrashbr/historia/geral/independenciadaamaericaespanhola.htm





Saiba mais

Buscas relacionadas a Independência da América Espanhola em História.

[ Pesquisa escolar lida 56858 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Revolução Americana
Parte da grande revolução que mudou os destinos da civilização ocidental no final do século XVIII, a guerra da independência dos Estados Unidos (revol...
Lido: 73552 Vezes

Fatos e Consequências da Revolução Russa
Bolcheviques tomam o poder na Rússia (07/11/1917) Rússia no início de 1917 - Onda de greves derruba o czar Nicolau II; - Alexander Kerensky, prim...
Lido: 20428 Vezes

Guerra Hispano Americana
Hispano-americana, Guerra, conflito bélico ocorrido entre a Espanha e os Estados Unidos em 1898, culminando com a libertação de Cuba, Porto Rico e Fil...
Lido: 6192 Vezes

Quais as maiores guerras que já existiram?
Ao longo da história da humanidade, muitos conflitos bélicos aconteceram por diferenças ideológicas e interesses econômicos. Ao longo da história d...
Lido: 2863 Vezes

Revolução Copernicana
Foto de Nicolau Copérnico Em 1510 Nicolau Copérnico rompe com mais de dez séculos de domínio do geocentrismo. No livro Commentariolus diz pela primei...
Lido: 10994 Vezes

A Irradiação da Guerra Fria
Logo a seguir ao termo da Segunda Guerra Mundial iniciou-se a “guerra fria” e a formação de dois blocos político-militares antagónicos: a OTAN e o Pac...
Lido: 40902 Vezes

Cone de Revolução
O cone é um sólido geométrico, do grupo chamado sólidos não poliedros. O cone de revolução é gerado pela revolução de um triângulo retângulo, em t...
Lido: 6601 Vezes

Estão lendo agora:

Absolutismo inglês
O absolutismo inglês existiu nos séculos 16 e 17 na Inglater...
Lido às 5:44:14 - 25/07/2014
Formação do Estado Brasileiro
Partidos Políticos: 1 - Partido dos Brasileiros: Constituíd...
Lido às 5:44:10 - 25/07/2014
Histologia - O estudo dos tecidos
Como Surgem os Tecidos? A célula é a unidade básica do ser ...
Lido às 5:44:09 - 25/07/2014
20 nomes de objetos escolares inglês
Quando estamos aprendendo inglês temos que conhecer alguns o...
Lido às 5:44:04 - 25/07/2014
Arte Brasileira
Já havia manifestações quando os europeus o descobriram, em ...
Lido às 5:43:29 - 25/07/2014
Textos na linguagem informal
Com o advento da internet, a linguagem informal de comunicaç...
Lido às 5:43:24 - 25/07/2014

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.