Ciclo do Café - História do Brasil


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Ciclo do Café - História do Brasil

As primeiras mudas e sementes de café chegam ao Brasil no século XVIII, por volta de 1730, vindas da América Central e das Guianas. Mas é só a partir do começo do século XIX que a cafeicultura ganha o interesse dos grandes proprietários. Torna-se rapidamente a principal atividade agrícola do país, responsável por mais da metade da renda obtida com exportação. A crescente importância econômica faz dos produtores de café de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Minas Gerais o centro da elite dirigente do Império e da República, até quase meados do século XX.


Expansão cafeeira – Das pequenas plantações nas vizinhanças da corte, entre 1810 e 1820, os cafeeiros espalham-se por todo o vale do rio Paraíba, primeiro na porção fluminense, depois na paulista e no sul de Minas. Em meados do século XIX ocupam parte das terras das antigas lavouras de cana-de-açúcar e algodão e invadem o chamado Oeste Paulista, inicialmente a região de Campinas e Sorocaba e, em seguida, Ribeirão Preto e Araraquara. No início do século XX, os cafezais cobrem extensa faixa paralela ao litoral das regiões Sul e Sudeste, que vai do Paraná ao Espírito Santo. A cafeicultura ganha a primazia entre as monoculturas exportadoras, desbancando a tradicional agricultura canavieira.

O sucesso e a vigorosa expansão cafeeira no Sudeste brasileiro durante o século XIX devem-se a uma combinação de fatores. De um lado, uma conjuntura externa favorável, com o crescimento do consumo na Europa e nos Estados Unidos, e uma crise em importantes regiões produtoras, como Haiti, Ceilão (atual Sri Lanka) e Java, na Indonésia. Com isso, os preços mantêm-se em alta nos mercados consumidores. Por outro lado, no Brasil há terras e escravos subutilizados nas lavouras tradicionais de açúcar e algodão e solos novos e férteis, como as terras roxas no interior paulista.

A rápida ampliação das plantações de café cria também o primeiro problema: a escassez de mão-de-obra provocada pela interrupção definitiva do tráfico de escravos africanos em 1850. A solução encontrada é a atração de imigrantes, com o apoio oficial. Nas últimas décadas do século XIX, as fazendas de café recebem milhares de imigrantes europeus – italianos, portugueses, espanhóis, alemães, suíços e eslavos – e asiáticos, que vêm trabalhar em regime de parceria, recebendo por produção ou como assalariado. Com a substituição do trabalho escravo pelo livre, a cafeicultura não apenas se desenvolve como também apressa o fim da escravidão.


Política do café – Nas primeiras décadas do século XX, a continuidade do crescimento é reforçada por uma política governamental bastante favorável aos interesses do setor, que garante crédito, formação de estoques e intervenções no câmbio para compensar eventuais baixas dos preços internacionais. Isso tem efeito positivo: mantém o desenvolvimento da cafeicultura, possibilitando aos fazendeiros investir parte de sua renda em atividades comerciais e industriais, dinamizando a economia urbana. Mas tem igualmente um efeito nocivo: no final da década de 20, a produção interna (28 milhões de sacas anuais) aumenta muito mais que a demanda externa (15 milhões).

Depois da Revolução de 1930 e dos abalos provocados pela crise econômica mundial iniciada nos Estados Unidos em 1929, o governo Vargas mantém o apoio ao setor cafeeiro por meio do Conselho Nacional do Café e, ao mesmo tempo, decide impulsionar a industrialização. Para reduzir a oferta e melhorar os preços, manda queimar todo o seu estoque e erradicar cafezais, pagando pequena indenização aos produtores. A longo prazo, a produção e a exportação estabilizam-se, sob a supervisão do Instituto Brasileiro do Café, criado em 1952. Na década de 50, as exportações de café ainda representam a maior parte do total comercializado, e o Brasil permanece como o maior produtor mundial. Mas seu reinado absoluto na economia brasileira chega ao fim quando o setor industrial, a partir da segunda metade do século XX, se torna o carro-chefe do desenvolvimento econômico nacional.


Fonte:
http://br.geocities.com/vinicrashbr/historia/brasil/ciclodocafe.htm






[ Pesquisa escolar lida 22522 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Relacionar o ciclo do nitrogênio com a síntese de proteínas
O gás nitrogênio (N2) forma 78% do ar. Esse gás é incolor, inodoro e inerte, e está diretamente envolvido na síntese de proteínas e também no ciclo da...
Lido: 1022 Vezes

História do Brasil - Os nomes do Brasil
Os nomes do Brasil * Pindorama (nome Índigena) * Ilha de Vera Cruz (1500) * Terra Nova (1501) * Terra dos Papaguaios (1501) * Terra de ...
Lido: 8656 Vezes

Ciclo do ouro e pedras preciosas
A notícia da existência de metais preciosos na América Espanhola correu mundo e forçou os portugueses a ultrapassar os limites do Tratado de Tordesilh...
Lido: 17306 Vezes

O Ciclo da Borracha no Brasil
No Brasil, advento da vulcanização coincide com a descoberta dos grandes seringais nativos no Rio Purus. Acontece no Acre, provocado pelo início da de...
Lido: 11920 Vezes

Ciclo da Água
Pode admitir-se que a quantidade total de água existente na Terra, nas suas três fases, sólida, líquida e gasosa, se tem mantido constante, desde o ap...
Lido: 64636 Vezes

Ciclos de energia na Terra
A vida na Terra é possível graças aos diversos ciclos de energia que abastecem o planeta. O principal ciclo energético da Terra é mantido pelo Sol, qu...
Lido: 1576 Vezes

A Biosfera e os Biociclos
A Biosfera é a soma de todas as regiões da terra onde existe vida. Considerando-se a grande diversidade dos ecossistemas que integram a biosfera, e...
Lido: 63409 Vezes

História do Brasil - Pedro Álvares Cabral
Pedro Alvares Cabral chega ao Brasil Em 1500, o rei de Portugal D. Manuel, organizou uma poderosa esquadra com dez naus, duas caravelas e 1.500 homen...
Lido: 21027 Vezes

Ciclo de Krebs
O ciclo de Krebs, ou ciclo do ácido cítrico, é uma fase da respiração celular. Esse esquema foi descoberto pelo bioquímico Hans Adolf Krebs, em 1938. ...
Lido: 4338 Vezes

Os Ciclos Biogeoquímicos
Na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. Este é o princípio de conservação da matéria, enunciado por Lavoisier. Os elemento...
Lido: 141858 Vezes

Estudantes Online | Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Sendo um veículo de comunicação, não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2014 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados