Pronomes de Tratamento

Os pronomes de tratamento ou axiônimos são usados para indicar o interlocutor em conversas informais e comunicações formais, atendendo as necessidades de mensagens de caráter técnico também.

A conjugação dos pronomes de tratamento é feita com o verbo em 3ª pessoa, para garantir uma gramática correta. Veja o exemplo:

“Você gostaria de tomar um lanche?”

Os pronomes de tratamento também vão sendo adaptados conforme as variações da língua. Como o idioma é vivo e dinâmico, é comum algumas mudanças acontecerem com o passar dos anos.

Vossa Mercê, por exemplo, foi um pronome de tratamento muito usado em séculos passados na Língua Portuguesa. Uma evolução natural da língua fez com que Vossa Mercê se transformasse em Você, muito mais rápido de ser pronunciado e, provavelmente, o modo escrito reflete a forma como o pronome passou a ser falado pelo povo.

Para continuar usando o mesmo pronome de tratamento, já é possível perceber que “Você” está sendo escrito e falado apenas como “Cê”. Muitos linguistas já acompanham este movimento do idioma.


Quais são os pronomes de tratamento mais conhecidos?

A escolha do pronome de tratamento deve ser feita conforme a situação, quem é o interlocutor, qual o nível de formalidade do evento, entendendo o contexto mais adequado para emitir a mensagem com o sentido desejado.

  • Você – O mais comum dos pronomes, muito usado em situações informais.
  • Senhor e Senhora ou Sr. / Srª – Se existe uma formalidade na relação, quando o interlocutor não é conhecido ou se o interlocutor é mais velho, estes são os pronomes de tratamento adequados.
  • Vossa Magnificência ou V.Mag.ª – quando se está tratando com o Reitor de Universidades.
  • Vossa Senhoria ou V.S.ª – Indicado para cerimônias, em geral para tratar com autoridades.
  • Vossa Reverendíssima ou V.Rev.ª – Usado para tratamento com sacerdotes.
  • Vossa Santidade – Necessário para se referir ao papa.
  • Vossa Eminência ou V.Em.ª – Para tratamento ao Cardeal.
  • Vossa Excelência ou V. Ex.ª – Para tratamento com autoridades em geral, como é o caso de juízes, promotores, procuradores, deputados, ministros de estado e inclusive o Presidente da República. Todas as autoridades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário recebem este tratamento. Militares de patentes elevadas também, como generais, por exemplo.