Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Por

No ano de 1970 entrou em vigor o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares. O documento foi assinado por 189 países. Cinco deles (EUA, Rússia, Reino Unido, França e China) possuem armas nucleares e são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

A principal função do tratado é de propor limites ao uso e reprodução do armamento nuclear dos cinco países. Ficou acordado que os países armados não poderiam repassar as armas aos países desarmados.

As armas nucleares podem destruir a civilização, por isso houve a necessidade de se fazer o tratado. Porém, ele é injusto, visto que cinco países possuem armas nucleares e os outros aceitaram seguir como países “não-nucleares”. Algumas nações ameaçaram descumprir o combinado, porém somente a Coréia do Norte se retirou do acordo, em 2003.

Os países que não possuem armas nucleares podem desenvolver a energia nuclear para outros fins. Eles são fiscalizados pela Agência Internacional de Energia Atômica.

Três países que não fazem parte do tratado provavelmente possuem armas nucleares. São eles: Índia, Israel e Paquistão. Segundo as autoridades fiscais da Agência Internacional, esses países já fizeram testes com armas nucleares.

Recentemente, o programa de energia nuclear do Irã foi apontado pelo governo dos EUA como irregular e utilizado para fins bélicos. Isso provocou uma tensão mundial.

Em 2010, uma reunião de Conferência de Revisão do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares decidiu pelo desarmamento, controle dos programas nucleares e utilização pacífica de energia atômica no Oriente Médio. Em 2012, outro encontro está programado para reavaliar os programas nucleares no Oriente Médio.

Juliana Miranda - Equipe do GrupoEscolar.com

Leia também! Assuntos relevantes