Mamíferos


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Mamíferos

O desaparecimento dos grandes répteis, há dezenas de milhões de anos, na era mesozóica, assinalou o começo da ascensão de pequenos animais, tímidos e ariscos -- os mamíferos -- que, ao contrário do que se poderia supor, tornaram-se os herdeiros dos imponentes sáurios que até então haviam reinado como senhores absolutos na Terra. Ao longo de centenas de séculos, esses animais diversificaram-se assombrosamente e progrediram em todos os meios, tanto nos oceanos (onde alguns, como a baleia azul e o cachalote alcançaram enorme tamanho) como em terra firme (com espécies da estatura do elefante) e também no ar.


Características anatômicas e fisiológicas

Os mamíferos são animais vertebrados homeotérmicos, ou seja, sua temperatura interna mantém-se constante dentro de certos limites, independentemente da temperatura ambiente, assim como se dá com as aves. Descendente dos répteis, essa grande classe zoológica apresenta as seguintes características: uma formação tegumentária (de tecidos) típica; o pêlo, que protege a pele e isola o animal do frio; e as chamadas glândulas mamárias ou mamas, presentes nas fêmeas. Essas mamas produzem uma secreção líquida rica em gorduras e proteínas, o leite, com o qual as fêmeas alimentam suas crias nas primeiras fases do desenvolvimento.

A distribuição, tamanho e cor do pêlo variam amplamente de um grupo de mamíferos para outro: em alguns, como nas baleias, desapareceu quase por completo; em outros, como nos elefantes, é muito escasso; e em certas espécies, como no boi almiscarado e no iaque, a pelagem é longa e densa. Algumas espécies, habitantes de zonas frias, apresentam dois tipos distintos de pelagem: uma de inverno, mais clara e densa, e outra de verão, mais escura. Vários mamíferos apresentam manchas no pêlo, muitas vezes de grande beleza, como ocorre com certos felídeos e antílopes, e com as girafas, as zebras etc. A cor e a disposição dessas manchas, que chamam atenção fora de seu ambiente, contribuem para disfarçar a silhueta do animal quando em seu habitat natural, facilitando a camuflagem.

Certos mamíferos, como os pangolins e os tatus, têm o corpo revestido por um conjunto de escamas córneas em forma de armadura, o que constitui excelente proteção, dada a extrema dureza dessas estruturas. Além disso, aparecem nos mamíferos outros tipos de formação tegumentária, como as garras, grandes e afiadas nos felídeos maiores; os cascos dos ungulados, que possibilitam a corrida rápida, com que escapam dos predadores; e os chifres e galhadas, muito variados quanto à forma e estrutura, desde o chifre fibroso e permanente do rinoceronte até as formações de tecido conjuntivo dos veados, providas de numerosas ramificações que caem e se renovam todos os anos.

Na pele dos mamíferos existem muitas glândulas, desde as mamárias, muito especializadas e que alcançam notável desenvolvimento, até as odoríferas. Estas últimas variam em sua localização nas diferentes espécies: nos veados, encontram-se nos olhos; nos porcos e javalis, nos cascos; em muitos roedores, perto dos órgãos genitais; e nos castores e gambás, perto do ânus. Entre as várias funções das glândulas odoríferas destacam-se a marcação de território, a comunicação com outros membros da espécie, a atração sexual e a defesa.

Uma característica fundamental da fisiologia dos mamíferos é sua homeotermia: a capacidade de manter estável a temperatura corporal, de forma que não se produzam grandes oscilações, independentemente das alterações da temperatura ambiente. Essa capacidade deve-se à presença de diversos mecanismos termorreguladores, tais como o tremor, que consiste em contrações musculares involuntárias que geram calor quando a temperatura exterior cai; a vasoconstrição, ou estreitamento do calibre dos vasos sangüíneos, que evita a perda de calor; a sudorese ou secreção de soluções salinas -- que não se registra em alguns mamíferos, como os cetáceos e os sirênios, por não possuírem glândulas sudoríparas; e a vasodilatação, ou aumento do calibre dos vasos, sendo essas últimas empregadas para reduzir a temperatura corporal quando sobe a temperatura ambiente.

Além desses meios termorreguladores, existem outros, como a hibernação e a letargia, pelas quais a atividade do animal decresce de forma considerável, possibilitando que ele passe o inverno com um gasto de energia mínimo. As migrações, a construção de abrigos e tocas etc., são outros recursos, nesse caso determinados pelo comportamento, para enfrentar condições ambientais adversas.

Ainda que a estrutura do esqueleto corresponda a um padrão geral cujas características básicas estão presentes em todos os mamíferos, existem variações quanto ao número de vértebras (com exceção das cervicais, que mantêm uma constância notável na imensa maioria dos grupos) e de costelas, assim como na forma e número dos ossos dos dedos etc. Caso específico é o dos marsupiais, nos quais aparece, à altura da cintura pélvica, os chamados epipúbis, ossos exclusivos desse grupo, que servem para sustentar o marsúpio, ou bolsa marsupial, onde os filhotes completam seu desenvolvimento.

A morfologia e configuração das extremidades difere nos grupos, devido à adaptação a uma ampla gama de meios ecológicos. Assim, nos morcegos, os dedos das extremidades anteriores alongaram-se de maneira considerável e, ao longo da evolução, desenvolveu-se uma membrana que permite que esses animais voem. Os cetáceos e os sirênios (por exemplo, os manatis ou peixes-bois, que, apesar do nome, não são peixes, e sim mamíferos), como conseqüência de sua colonização em meio aquático, tiveram as extremidades anteriores transformadas em nadadeiras, mais adequadas para a natação, e perderam as posteriores. Modificações similares experimentaram os pinípedes (focas e morsas, entre outros), por motivos análogos.

Os mamíferos terrestres apresentam variações no ponto distal de suas extremidades (porção mais distante do eixo do corpo), relacionadas com o tipo de marcha em que se especializaram os diferentes grupos. Assim, alguns, como os primatas e os ursos, são plantígrados (apóiam toda a planta do pé ao andarem); os cães, raposas, hienas, felídeos e vários outros são digitígrados (apóiam somente os dedos, sendo melhores corredores que os plantígrados); e, por último, os ruminantes -- javalis, rinocerontes e outros herbívoros -- são ungulígrados (o último osso do dedo é rodeado por uma formação córnea especial denominada casco). Os ungulígrados ou ungulados apresentam redução no número de dedos, que pode ser par, como nos artiodáctilos (veados, bois etc.) ou ímpar, como nos perissodáctilos (antas, cavalos). Nos eqüídeos, entre os quais se inclui o cavalo, houve a maior redução, restando apenas um dedo (casco) por extremidade.

A dentição também varia segundo os grupos e o tipo de alimentação a que se habituaram. Enquanto alguns mamíferos, como as baleias, carecem de dentes e mostram em seu lugar uma série de barbatanas ou lâminas especializadas na filtragem do plâncton, outros, como os carnívoros, contam com incisivos e caninos de grande tamanho e poderosos molares providos de uma proeminência para mastigar melhor a carne de suas presas. Nos herbívoros, adquirem especial relevância os molares e pré-molares com amplas superfícies de mastigação, para a trituração da erva e dos tecidos vegetais que constituem sua dieta.

A maior parte dos mamíferos apresenta duas dentições: uma, característica do primeiro período de vida, denominada de leite; e outra, a dentição permanente, que substitui a anterior. Entre as exceções, destacam-se o ornitorrinco, os cachalotes e as preguiças, nos quais só se registra uma dentição. Os animais desse grupo recebem o nome de monofiodontes, em contraposição aos mamíferos com duas dentições ou difiodontes.

Diferentes tipos de dieta impõem, logicamente, variações no sistema digestivo. Os mamíferos herbívoros requerem, para um melhor aproveitamento da erva e dos produtos vegetais que consomem, longos intestinos e, como ocorre com os ruminantes, estômagos especiais integrados por várias cavidades, cada uma das quais com uma função específica na digestão. Essas cavidades se denominam: rume ou pança; retículo ou barrete; folhoso; e coalheira ou coagulador. A verdadeira digestão se realiza na coalheira, já que as outras são câmaras onde se armazena e filtra o alimento.

Os principais órgãos do aparelho respiratório dos mamíferos, onde se verifica o intercâmbio gasoso entre o sangue e o meio exterior, são os pulmões, formados por lobos constituídos de pequenas cavidades ou alvéolos, percorridos por uma densa rede de capilares sangüíneos. O ar procedente do exterior chega até os alvéolos por meio de uma série de condutos, como a faringe, a laringe, a traquéia, os brônquios e os bronquíolos.

A circulação é dupla (existe um circuito pulmonar e outro que percorre o resto do organismo) e, nela, o sangue arterial e o venoso não se misturam. O coração, como ocorre também nas aves, divide-se em quatro compartimentos: dois superiores (aurículas) e dois inferiores (ventrículos).

Os mamíferos possuem um sistema nervoso completo e muito desenvolvido, responsável por suas diferentes possibilidades de comportamento, apresentando, em muitos casos, elevada capacidade para o aprendizado e a relação com outros indivíduos de sua espécie. Destaca-se, por sua importância, a evolução do encéfalo, em cuja superfície externa se forma o córtex cerebral, verdadeiro centro de associação de impulsos nervosos, que alcança sua máxima perfeição no homem.

Na imensa maioria das espécies atuais, a reprodução se caracteriza pela formação, dentro do corpo da fêmea, de uma placenta, estrutura orgânica que põe em contato o embrião e o útero materno e através da qual se efetua a alimentação embrionária. Alguns mamíferos, como os ornitorrincos, são ovíparos, ou seja, reproduzem-se por ovos, enquanto outros, caso dos marsupiais, são providos de uma bolsa ou marsúpio, onde a cria completa seu desenvolvimento.


Classificação

A classe dos mamíferos se subdivide, segundo as características anteriormente mencionadas, em três grandes subclasses: a dos prototérios, ovíparos; a dos metatérios, formada pelos marsupiais; e a dos eutérios ou placentários, com 16 ordens.

Prototérios ou mamíferos ovíparos. A subclasse dos mamíferos prototérios, a mais arcaica, é constituída por uma única ordem, a dos monotremados, de que fazem parte o eqüidna e o ornitorrinco, um singular animal aquático da Austrália que possui bico plano, cauda semelhante à do castor e patas curtas e fortes. Os monotremados caracterizam-se por ter uma cloaca em que desembocam tanto o tubo digestivo como as vias urinárias e os condutos genitais.

Metatérios ou mamíferos marsupiais. Os marsupiais se acham confinados, em sua maioria, na Austrália, Nova Zelândia e Nova Guiné, com exceção de algumas espécies, como as sarigüéias, encontradas na América do Norte e grande parte da América do Sul, e outras como a cuíca-d'água, sul-americana. São marsupiais os coalas, diabos-da-tasmânia e cangurus, entre outros. Esses animais adaptaram-se a diversos tipos de habitats, do arborícola ao terrestre, passando pelo aquático.

Eutérios ou mamíferos placentários. A subclasse mais importante dos mamíferos é a dos eutérios ou placentários, tanto pelo número de espécies quanto pelo desenvolvimento, diversidade de adaptações e distribuição que alcançaram. Dos oceanos e águas continentais ao espaço aéreo, das montanhas e regiões polares aos desertos, estepes, savanas, selvas e bosques, não existe um habitat a que não se tenha adaptado de um modo ou de outro alguma espécie de mamífero placentário.

Esses animais cobrem uma ampla gama de ecossistemas e formas de vida: há os planadores como os dermópteros (Cynocephalus volans e Galeopterus variegatus) ou autênticos voadores, como os quirópteros (morcegos e vampiros); aquáticos como os cetáceos (baleias e golfinhos, entre outros), os sirênios (manatis e dugongos) ou os pinípedes (subordem dos carnívoros que compreende focas, morsas etc.); arborícolas, como a maioria dos primatas, preguiças e outros; cavadores, como muitos roedores, lagomorfos (coelhos) e insetívoros (toupeiras); herbívoros corredores, como cavalos, zebras, antílopes e muitos outros; grandes fitófagos (de dieta vegetariana) de corpo volumoso e maciço, como os elefantes, rinocerontes e hipopótamos; e ferozes carnívoros, entre os quais os mais poderosos felídeos, como o leão e o tigre.

Os mamíferos placentários se subdividem nas seguintes ordens: dermópteros, tubulidentados, folídotos, hiracoídeos, sirênios, cetáceos, proboscídeos, artiodáctilos, perissodáctilos, roedores, lagomorfos, carnívoros, insetívoros, quirópteros, edentados (ou desdentados) e primatas.

Entre essas ordens, as menores, tanto pelo reduzido número de espécies que incluem como por sua distribuição restrita, são a dos dermópteros, de pequeno tamanho, vegetarianos e planadores, como os lêmures voadores ou colugos; a dos tubulidentados, como o aardvark ou oricteropodídeo, noturno e próprio da savana africana; a dos folídotos, ou pangolins, com o corpo coberto de placas; e a dos hiracoídeos, pequenos e parecidos com os roedores.

Os mamíferos aquáticos compreendem duas ordens: a dos sirênios, de corpo fusiforme e maciço, como os manatis e dugongos; e a dos cetáceos, com as extremidades anteriores transformadas em nadadeiras e as posteriores inexistentes ou muito reduzidas, da qual fazem parte o golfinho, o narval, as baleias e os cachalotes.

Os herbívoros terrestres de tamanho médio ou grande pertencem em sua maioria a uma das três ordens seguintes: a dos proboscídeos, com tromba ou probóscide, como os elefantes; a dos artiodáctilos, com número par de dedos, que conta com numerosas famílias e espécies, entre estas o javali, o porco, o hipopótamo, o camelo, as lhamas, os veados, o alce, a rena, o gamo, a girafa, os antílopes, a ovelha, a cabra, a vaca, o bisão e o búfalo; e a dos perissodáctilos, com número ímpar de dedos, da qual alguns representantes, como o cavalo ou a zebra, são perfeitamente adaptados para corridas, enquanto outros, como os rinocerontes, são corpulentos e maciços.

Os roedores e lagomorfos apresentam muitas características semelhantes, a ponto de, até pouco tempo, serem englobados numa mesma ordem. No entanto, certos detalhes de sua dentição fizeram com que fossem separados em duas ordens. Os lagomorfos incluem coelhos e lebres, e os roedores constituem um grupo muito diversificado que alcançou elevado grau de evolução, com espécies como o rato comum, o hamster, os esquilos, o gerbo, a chinchila, a cobaia e a capivara. Esta última, sul-americana, é o maior dos roedores.

A ordem dos carnívoros engloba famílias conhecidas como a dos felídeos (tigre, leão, leopardo, puma, jaguar ou onça, lince etc.) e a dos canídeos (cão, lobo, coiote, chacal). A essa ordem pertencem também os ursos, a hiena, o mangusto, a doninha, o arminho, o texugo e o rato.

Os insetívoros são mamíferos pequenos, entre os quais encontram-se o ouriço e a toupeira, esta última grande cavadora. Os quirópteros são placentários voadores, muitos dos quais capturam insetos no ar por ecolocalização (emissão de ultra-sons que se refletem ao alcançar a presa e são captados pelo animal); outros são frugívoros (alimentam-se de frutas) ou ainda hematófagos (sugadores de sangue). No grupo dos desdentados estão as preguiças e tatus sul-americanos e o urso formigueiro.

A última ordem, a dos primatas, compreende os prossímios (lêmures, lóris, gálagos) e os símios ou antropóides. Estes, por sua vez, estão agrupados em catarrinos, ou macacos do Velho Mundo, com os orifícios nasais abertos para baixo, como o mandril, o babuíno, o macaco, o gibão, o orangotango, o gorila e o chimpanzé; e platirrinos, ou macacos americanos, com um septo nasal largo e orifícios nasais abertos para a frente, como o macaco-aranha, o sagüi, o macaco uivador, o uacari etc.





Saiba mais

Buscas relacionadas a Mamíferos em Biologia.


[ Pesquisa escolar lida 80549 Vezes - Categoria: Biologia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Curiosidades sobre Répteis
Os répteis são animais adaptados para viverem no meio terrestre e também no meio aquático. O nome réptil vem do latim “reptare”, que significa rasteja...
Lido: 985 Vezes

Sistema digestório de répteis
Os répteis são animais que evoluíram de anfíbios primitivos. Eles foram os primeiros vertebrados a se adaptarem a vida terrestre. De uma forma gera...
Lido: 453 Vezes

Características gerais dos Répteis
Os répteis foram os primeiros animais vertebrados adaptados para viver em terra firme, em lugares secos. A palavra réptil vem do latim “reptare”, que ...
Lido: 1035 Vezes

Répteis
Os répteis foram os primeiros vertebrados a conquistar, com sucesso e definitivamente, o ambiente terrestre. Isto porque desenvolveram algumas caracte...
Lido: 47615 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.