As finalidades e os objetivos da educação física escolar


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


As finalidades e os objetivos da educação física escolar

Por Allan José Silva da Costa

Por Allan José Silva da Costa

Introdução:
No mundo atual observa-se a presença de uma realidade estimuladora da competitividade entre os homens e, infelizmente, a educação física também se enquadra neste contexto visto que hoje em dia parece assumir um caráter de treinamento ou adestramento do movimento corporal (Santin, 1987). Na escola o ambiente não é diferente e por este motivo as aulas de educação física se transformaram em verdadeiros treinamentos desportivos que visam colocar os alunos como “ máquinas de rendimento” as quais tem por fim atingir a capacidade de obtenção dos melhores resultados nas competições inter-escolares.

Perante esta situação descrita acima o presente artigo parte do seguinte problema: será que podemos alterar a realidade da educação física escolar de modo a colocá-la novamente no seu eixo educativo em detrimento de seu caráter adestrador observado na atualidade ? ao longo deste texto tentaremos responder a esta pergunta e por conseqüência resolver tal problema, sendo que para isto elaboramos algumas metas a serem atingidas. Estas metas consistem em: 1) identificar quais são as verdadeiras finalidades e objetivos da educação física escolar e 2) analisar um modo de como chegar a atingir tais objetivos durante as aulas nas escolas. Se ao final deste estudo tais metas forem alcançadas acreditamos que o conteúdo aqui descrito será de fundamental importância para nós, educadores físicos, pois como profissionais da área é importante que tenhamos conhecimento do que na verdade a educação física escolar se propõe e de que maneira podemos atuar no sentido de fazer com que ela não se transforme em uma simples atividade onde o aluno acaba com aparência cansada, extenuada e incapaz de retomar o restante das atividades escolares, como acontece normalmente hoje em dia.


A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E SEUS OBJETIVOS: COMO ATINGI-LOS ?
Ao contrário do que muitos pensam a educação física escolar não deve ser totalmente dissociada do esporte, já que um de seus objetivos consiste em promover a socialização e interação entre seus alunos, o que há de se reconhecer que o esporte proporciona. O grande questionamento que se faz a respeito do esporte na escola é que ele muitas vezes transfere para o aluno uma carga de responsabilidade muito alta quanto à obtenção de resultados, o que afeta a criança psicologicamente de uma forma negativa (Barros Neto, 1997). Desta maneira, as atividades recreativas e rítmicas poderiam ser consideradas como meios mais eficazes para promover esta socialização dos alunos que a educação física escolar tanto apregoa, uma vez que normalmente são realizadas em grupos os quais obedecem ao princípio da cooperação entre seus componentes, estimulando assim a criança em sua apreciação do comportamento social, domínio de si mesmo, autocontrole e respeito ao próximo.

Outro objetivo da educação física escolar consiste no estímulo a atividade criativa do aluno. Segundo Le Boulch (apud Barros e Barros, 1972) as crianças que estão na faixa etária entre 2 e 7 anos devem ser estimuladas ao máximo em sua capacidade de criação e por isso as aulas de educação física na escola devem basear-se no atendimento aos diversos aspectos naturais da vida ao ar livre e na liberdade de movimentos, ou seja, expansão de atividades espontâneas e criativas. Assim, por exemplo, para fazer com que a criança desperte mais sua capacidade de imaginação o professor pode oferecer uma aula através de atividades rítmicas na qual peça a seus alunos para se movimentarem livremente de acordo com o som que estão ouvindo, ao invés de determinar quais movimentos cada aluno deve fazer a uma ordem sua. Também neste período entre 2 e 7 anos ocorre um fato muito importante para o estímulo à criação nas crianças, uma vez que é neste espaço de tempo que elas aprendem a ler e assim descobrir um novo mundo, repleto de atrações e de novas situações que contribuem para aumentar-lhes o poder imaginativo concorrendo, assim, para o desenvolvimento de sua capacidade criativa. Ainda neste contexto, Gonçalves (1997) nos fala da importância existente no fato de o professor proporcionar aos alunos movimentos portadores de um sentido para os mesmos, uma vez que movimentos mecânicos realizados abstratamente só contribuem para a inibição da criação e da participação dos alunos em aula e, por conseqüência, os torna indivíduos que deixam de interpretar o mundo por si próprios e passam a interpretá-lo pela visão dos outros.

Mais um objetivo da educação física escolar consiste no desenvolvimento orgânico e funcional da criança, procurando, através de atividades físicas, melhorar os fatores de coordenação e execução de movimentos. Para atingir este objetivo, Barros e Barros (1972) nos fala que:

(...) “as atividades de correr, saltar, arremessar (atletismo ligeiro), trepar, pendurar-se, equilibrar-se, levantar e transportar, puxar, empurrar, saltitar, girar, saltar corda permitem a descarga da agressividade, estimulam a auto-expressão, concorrem para a manutenção da saúde, favorecem o crescimento, previnem e corrigem os defeitos de atitude (boa postura)”(...) (p.16)

Assim, fica claro a importância que o professor tem em proporcionar aos alunos atividades cuja caracterização permitam aos mesmos uma movimentação constante e de exploração máxima do ambiente. É evidente que estas atividades devem ser adequadas ao estado de desenvolvimento de cada criança para assim fazer com que os movimentos sejam próprios ao seu grau de desenvolvimento morfofisiológico, o que contribui de maneira significativa para o avanço orgânico e funcional dos alunos em cada etapa de sua vida escolar.

Por último destacaremos um objetivo da educação física escolar o qual consiste em desenvolver a aprendizagem de gestos e movimentos fundamentais das diferentes formas de atividades físicas e desportivas. Em torno deste tópico é que se situa a grande discussão que se faz a respeito da educação física na atualidade, uma vez que muitos o vêem como um estímulo ao simples desenvolvimento físico através de gestos e movimentos padronizados, tirando assim o caráter educacional pertencente a educação física que visa atuar sobre a formação do caráter humano e contribuir para um maior rendimento do trabalho intelectual. Sobre isto, De Marco (1995) nos mostra a educação física como sendo:

(...) “ um espaço educativo privilegiado para promover as relações interpessoais, a auto-estima e a auto-confiança, valorizando-se aquilo que cada indivíduo é capaz de fazer em função de suas possibilidades e limitações pessoais” (...) (p. 77)

Novamente o esporte será um fator prejudicial visto que em muitas vezes não respeita tais limitações pessoais em cada indivíduo e acaba por prejudicar o desenvolvimento orgânico e funcional do mesmo. Outro autor que se manifesta contra o ensino de gestos e movimentos padronizados é João Batista Freire (1991) a quem atribui à educação física um papel de ensino de movimentos respeitando as individualidades da criança, o estímulo à liberdade e à criatividade individual. Neste contexto o professor assume um “personagem” o qual deve aplicar as atividades físicas por meio de exercícios de fácil execução, com graduação para cada idade e tendo em conta a evolução física e psíquica do aluno, dando-lhe liberdade para movimentar-se espontaneamente e da forma que desejar. Estes movimentos de caráter mais subjetivo e espontâneo caracterizam o que Kunz (1994) denomina de “mundo fenomenológico dos movimentos” o qual, em sua opnião, afastaria de vez uma provável limitação existente na “educação física mecanizada” e desta forma o proveito pedagógico que poderia se tirar do processo ensino-aprendizagem seria bem maior.


CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Perante a análise e discussão dos objetivos da educação física escolar, feitas anteriormente, a conclusão mais importante a que podemos chegar deste artigo de pesquisa é que realmente existe uma necessidade de se alterar a maneira pela qual ela é exercida atualmente e, sim, é possível promover esta alteração pedagógica de modo a se tirar um maior proveito do processo ensino-aprendizagem, sendo que para isto não precisamos necessariamente abandonar os movimentos de caráter desportivo, mas adapta-los a uma realidade que não exerça sobre os alunos uma pressão constante na busca incessante de resultados. Desta forma podemos sugerir àqueles que militam na área escolar a realização de uma metodologia que estimule o aluno em todas as esferas de seu comportamento humano (motora, cognitiva, afetiva e social) e não somente a motora, como observa-se atualmente. Cabe agora a nós educadores físicos, estudarmos e conhecermos o que cada aluno pode potencialmente realizar e em quais condições pode apresentar um nível de desenvolvimento que lhe permita realizar determinados movimentos ordenados pelo professor, para que assim possamos contribuir, dentro da educação física escolar, com o avanço do processo de desenvolvimento motor o qual ocorre em todos nós, seres humanos.


(...)" pensando nestas questões volto-me para as escolas e percebo a importância de se declarar a educação motora como uma atividade prazerosa que se mostra como um fenômeno cultural com propostas educacionais. Que não privilegie apenas a competição, mas que proporcione a auto-superação. Que não se limite a conteúdos pré-determinados, mas que atenda aos anseios e às necessidades do homem. Que não se comprometa em adestrar movimentos, mas que se preocupe com a corporeidade do corpo-sujeito. Que não se fundamente numa concepção dualista, mas que saiba caminhar em direção a novos paradigmas. Que não vise ao puro rendimento motor, mas que descortine possibilidades ilimitadas de movimento" (...) (D e Marco, 1995, p.118)


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
· BARROS NETO, Turíbio Leite de. Início da criança no esporte In: Exercício saúde e desempenho físico. São Paulo: atheneu, 1997.

· BARROS, Daisy., BARROS, Darcymires. Educação física na escola primária. 4 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

· DE RESENDE, Helder Guerra. Necessidades da educação motora na escola. In: DE MARCO, Ademir (org). Pensando a educação motora. São Paulo: papirus, 1995.

· GONÇALVES, Maria Augusta Salim. SENTIR, PENSAR, AGIR: Corporeidade e educação. 2ed. São Paulo: papirus, 1997.

· KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: editora unijuí, 1994.

· SANTIN, Silvino. EDUCAÇÃO FÍSICA: Uma abordagem metodológica da corporeidade. Ijuí: editora unijuí, 1987.

· FREIRE, João Batista. Educação de corpo inteiro. São Paulo: scipione, 1991.


As opiniões expressas nesse texto são de responsabilidade de seu autor.
O GrupoEscolar.com é um veículo de comunicação e não compactua com nenhuma opinião sobre nenhum tema.



Fonte:
http://www.allanedfisicaartigos.hpg.ig.com.br/carreira/43/index_int_6.html




Leia também! Assuntos relevantes.

Brasil pode liderar em energia limpa, diz professor de Yale
O Brasil tem potencial para assumir a liderança global no setor de energia limpa mas, para isso, precisa se comprometer com a redução de emissões de g...

História da Educação Física
A história da educação física nos remete aos tempos primitivos, pois as atividades físicas sempre fizeram parte da natureza humana. As antigas populaç...

A importância da atividade física e da nutrição no processo de emagrecimento
Por Allan José Silva da Costa Introdução: Atualmente, seja por motivação estética seja pela melhoria da saúde, é cada vez maior o número de pessoa...

Fundamentos e Metodologias: Educar - Cuidar - Brincar
FUNDAMENTOS E METODOLOGIAS DE EDUCAR, CUIDAR E BRINCAR EDUCAÇÃO DA CRIANÇA DE O A 2 ANOS A maneira como a infância é vista atualmente é mostrado n...

Dia do Professor - 15 de Outubro
Como surgiu o Dia do Professor Tudo começou com um decreto imperial, de 15 de outubro de 1827, que trata da primeira Lei Geral relativa ao Ensino Ele...

História da Educação Física no Brasil
A educação física é uma displina aplicada na educação brasileira para a recreação, o desenvolvimento motor e o engajamento dos estudantes no mundo esp...

Nutrição e Atividade Física
Certamente, centenas de combinações nutricionais estão à sua disposição: as dietas; os alimentos milagrosos; os suplementos; e os infindáveis conselho...

Atividade Física e Saúde
Atividade Física & Saúde Uma tendência dominante no campo da Educação Física estabelece uma relação entre a prática da atividade física e a conduta s...

Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, estudos, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Somos um veículo de comunicação. Não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia ou reprodução de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2015 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados