Na matemática, o conceito de função inversa pode ser apresentado como toda função bijetora, com pares ordenados de função f, que deverão fazer parte de uma função inversa f – 1. Veja um exemplo de função inversa: (x,y) Є f –1 (y,x) Є f.

Na prática, a função inversa cria funções a partir de outras. Toda função bijetora possui cada um de seus elementos de domínio ligados a elementos diferentes no conjunto imagem. Dessa forma, a função bijetora admite inversa. A função inversa é indicada por f –1: B→A.

Para determinar se uma função conta com inversa é necessário, em primeiro lugar, verificar se ela é bijetora. Neste cenário, os pares ordenados da função f devem pertencer à função inversa f–1.

Toda função que tenha inversa é considerada invertível. Sendo assim, se uma função é considerada invertível, ela terá uma única inversa. Além disso, a condição para que uma função seja invertível é que ela seja considerada bijetora.

Veja a definição da função inversa: "se f é uma função bijetora, para cada x tem-se um y correspondente. Dessa forma, a inversa de f é a função f-1, que demonstra que, para cada y, é possível ter um correspondente x."

Uma regra bastante objetiva desse tipo de estudo é a seguinte: sempre que tivermos uma função bijetora f(x) = y, teremos também que a inversa de f, representada por f-1, será f(y) = x.

Para tirar dúvidas sobre este conteúdo, converse diretamente com o seu professor de matemática. Com um pouco de prática, atenção e estudo, é possível dominar a área das funções inversas e se sair bem nas principais provas de vestibulares e também do Exame Nacional do Ensino Médio. Sugira a seu professor que faça um plantão de dúvidas matemáticas em sua escola!

Leia também! Assuntos relevantes