Congo

Devastado pelo trafego de escravos do XIX, em 1985, após a Conferência de Berlin, o Congo passou a ser propriedade pessoal do Rei da Bélgica, Lopoldo II. De propriedade pessoal, em 1908, passou oficialmente à colônia belga, servindo a diversos interesses: pilhagem e exploração pelas companhias metropolitanas e estrangeiras, de diamante, ouro, cobre e estanho.

Em 1959, irromperam no país manifestações populares, chegou-se a incendiar Leopoldvile, a capital, o que obrigou a Bélgica a conceder a independência ao país. Em 1960, formava-se o Estado Livre do Congo, tendo como presidente Josph Kasavubu e como primeiro ministro, Patrice Lumumba. Embora oficialmente independente, a presença européia continuava gerando contínuas manifestações.

Soldados belgas e mercenários, financiados pela companhia belga Union Minière e comandados por Moisés Tshombe, declararam independente a província mineradora de Katanga. Lumumba e Kasavubu apelaram à ONU, que enviou emissários da paz a região, sem conseguir entretanto solucionar o impasse, entalando-se a guerra civil.

O presidente Kasavubu, apoiado pelos Estados Unidos, demitiu Lumumba, substituído pelo coronel Joseph Mobutu. Lumumba foi preso, mas, diante das manifestações populares pela sua libertação, acabou sendo entregue e mercenários de Katanga, onde foi assacinado.

Pela sua atuação à frente do Movimento Nacional Comgolês contra a Bélgica, Lumumba transformou-se em símbolo da independência africana, num congo dividido em várias facções rivais, em lutas crescentes, só contidas com a intervenção da ONU e com a entrega do cargo de primeiro-ministro a Tshmbe, em 1964, que assegurou a unidade do país.

Em 1965, Mobutu assumiu o governo, implantando uma ditadura pessoal. Em 1971, o Congo adotou o nome de Republica do Zaire, enfrentando crescentes pressões internas e externas contra a ditadura e o nacionalismo, intensificadas especialmente no final dos anos 80 e inicio dos 90, mergulhando o país em sucessivas crises políticas, greves e agravamento do seu quadro socioeconômico.

Leia também! Assuntos relevantes