Teoria de Darwin: seleção natural das espécies

Teoria de Darwin: seleção natural das espécies

Por

Charles Robert Darwin nasceu em 1809 e faleceu em 1882. Ele foi um naturalista britânico que tentou convencer a comunidade científica de que a evolução das espécies acontece por seleção natural. A Teoria de Darwin é relatada nos livros de biologia e uma das mais aceitas pelo mundo da ciência. Seu livro A evolução das espécies foi lançado em 1859 e contém todo o trabalho de sua vida.

Na teoria, o crescimento das populações naturais em determinada época entra em estabilidade se não houver alteração significativa do meio-ambiente. Com estabilidade, a população pode viver durante gerações. Darwin queria saber como o equilíbrio era mantido para que a sobrevivência fosse segura.

Quando o ambiente não fornece os ingredientes necessário para a sobrevivência, é necessária que ocorra uma luta para mantê-la. Para isso, são eliminados os indivíduos excedentes ou inimigos. Os principais fatores que contribuem para a eliminação de espécies são: o abastecimento de alimento, predação, parasitismo, competição e cooperação.


A teoria de Darwin resume os seguintes tópicos:
- uma população tem tendência para crescer exponencialmente se o meio permitir;

- o meio não suporta tantos descendentes e logo se inicia uma luta pela sobrevivência;

- indivíduos com características que lhe oferecem vantagens nessa competição serão mantidos vivos nesse processo de seleção natural e conseguirão manter seus descendentes;

- devido à reprodução diferencial, a população geral vai mudando de características durante um espaço de tempo alargado;


Para finalizar, permanece no meio a espécie mais bem adaptada e que consegue realizar suas mutações em tempo de garantir a continuidade dos seus descendentes.


Juliana Miranda - Equipe do GrupoEscolar.com
Licença:
Creative Commons License

Leia também! Assuntos relevantes