Tudo sobre Erisipela

Mais frequente em mulheres acima dos 50 anos, obesas ou diabéticas, a erisipela é uma doença infecciosa causada pela bactéria denominada Streptococcus pyogenes. Os principais sinais da doença, são feridas vermelhas, bastante dolorosas e inflamadas que aparecem principalmente nas pernas, nos braços ou ainda no rosto, mas que podem se desenvolver no restante do corpo também. A mesma bactéria pode ser responsável pelo desenvolvimento de uma doença ainda mais grave, a erisipela bolhosa, cujas feridas são mais profundas, e apresentam bolhas que podem conter líquido de coloração transparente, amarelo ou marrom. Não se trata, entretanto, de uma doença contagiosa, sendo contraída somente quando houver um ferimento em contato com a bactéria causadora da doença.


Principais sintomas da doença

Além das feridas com aparência avermelhada e inflamada, a doença ainda tem como sintomas dor nos locais afetados, assim como sensação de queimação, manchas vermelhas com bordas elevadas ou que aumentam de tamanho entre 3 e 6 dias. O paciente pode apresentar ainda febre acima de 38°C e calafrios. No caso da erisipela bolhosa, os sintomas envolvem ainda a aparição de bolhas nos locais afetados. São sintomas ainda tremores, náuseas, vômitos, mal-estar e sinal de necrose dos tecidos.


Como é feito o tratamento?

Quando iniciado rapidamente, o tratamento pode levar à cura da doença, e é baseado em antibióticos que deverão ser indicados por um médico dermatologista. Existem, entretanto, casos da doença, em que há reincidência, podendo ainda tornar-se crônica, dificultando o tratamento. É essencial, entretanto, que aos menores sinais da doença, um médico seja consultado para que o diagnóstico seja confirmado. Essa confirmação se dá, essencialmente, por uma consulta clínica, porém pode ser solicitada ainda a execução de biópsia, ou ainda exames de cultura. Essas medidas, entretanto, não são rotineiras. A indicação é de antibióticos que deverão ser administrados por um período de, aproximadamente, 14 dias, conforme indicações médicas para o caso específico do paciente.

Se o paciente apresentar um quadro de erisipela bolhosa, será necessário administrar, além dos antibióticos, cremes para aliviar os sintomas. É indicado ainda repouso, além da elevação do membro afetado pela doença e aplicação de compressas frias, molhadas em infusão de zimbro nas regiões com feridas.

Para que o tratamento dê resultado efetivamente, é essencial que o paciente siga à risca todas as indicações médicas, evitando, dessa forma, que haja crises de repetição. A erisipela, quando não controlada da forma correta, pode apresentar consequências graves para o paciente.


Recomendações para prevenção

A bactéria penetra por meio de lesões na pele, portanto, sempre enxugue bem o vão entre os dedos dos pés, evitando a proliferação de fungos. Estes podem acabar causando lesões que serão portas de entrada para a doença. O portador do diabetes pode acabar perdendo um pouco da sensibilidade dos pés, o que o torna mais suscetível aos ferimentos e às infecções causadas pela bactéria causadora da doença. É essencial, portanto, que haja cuidado redobrado, além de vistorias regulares para verificar se há aparecimento de feridas. É importante manter-se no peso recomendado para idade e altura, além de usar meias elásticas para que os edemas sejam reduzidos. Escolha seus calçados criteriosamente e, de forma alguma, automedique-se.

Leia também! Assuntos relevantes