Trombose

A fibrilação e flutter auriculares são arritmias semelhantes. Na fibrilação, as aurículas batem em freqüência de 350 a 600 por minuto, mas os ventrículos têm em geral uma freqüência de 100 a 150 por minuto e ritmo inteiramente irregular. No flutter, as aurículas batem de 250 a 350 por minuto e os ventrículos raramente batem mais que 150 por minuto. Tanto a fibrilação quanto o flutter podem ser provocados pela doença reumática, isquemia do coração, hipertensão, hipertireoidismo, infecções agudas (difiteria, pneumonia), operações (especialmente torácicas) e pericardite. A fibrilação pode surgir mesmo na ausência de qualquer doença cardíaca e persistir durante anos.

Bloqueio cardíaco significa interferência na produção ou na condução do impulso que faz contrair o coração. No bloqueio auriculoventricular (1º, 2º e 3º graus) há interferência na condução do impulso através de um dos ramos do feixe auriculoventricular. Faz-se o diagnóstico pelo eletrocardiograma.

Quando, por efeito de fibrilação auricular, taquicardia, assistolia ventricular, cessa o fluxo sanguíneo cerebral, o indivíduo entra em síncope (a pele fica inicialmente branca, depois arroxeada) dentro de poucos segundos. Se o coração não recomeçar a bater dentro de 10 segundos aparecem convulsões, sobrevindo a morte dentro de 1,5 a 2 minutos. Tais síndromes têm o nome de síndrome de Adams-Stokes.

Leia também! Assuntos relevantes