Surfactantes | Tensoativos

Surfactantes | Tensoativos

Por

Surfactantes ou tensoativos são compostos orgânicos, constituídos por moléculas anfifílicas contendo partes polares (cabeça) e apolares (cauda), com propriedades de atividade superficial, resultado da adsorção destes compostos na superfície de líquidos ou na interface entre dois líquidos imiscíveis.

Em meio aquoso, acima de uma determinada concentração, os surfactantes formam micelas e outros agregados, nos quais a porção lipofílica das moléculas ou íons fica orientada para o interior da micela e apenas os grupos polares ficam na parte externa, em contato com a água.

Forças eletrostáticas concentram compostos hidrofílicos junto à superfície de micelas e os compostos lipofílicos podem ser solubilizados em seu interior.

A detergência corresponde à remoção de material estranho de superfícies sólidas pela ação de surfactantes.

Sujidades padrão são utilizadas para avaliar a eficiência de detergência do surfactante e, geralmente, são compostas por negro de fumo e material graxo (vaselina). Os limpadores domésticos de base aquosa são constituídos por água, surfactante(s) e sais, emulsificando o material graxo e dispersando o material particulado das sujidades

1 - Formulações de limpadores de base aquosa, contendo um álcool etoxilado e uma cocoalquilamina quaternária etoxilada, tetrapirofosfato de sódio e metassilicato de sódio, foram avaliados quanto ao poder de detergência, usando-se como padrão de comparação um limpador comercial a base de um laurilaquilsulfonato, de nonilfenol etoxilado e de butilglicol.
O aspecto dos produtos foi avaliado logo após a formulação e o poder de detergência foi testado por aplicação da formulação sobre uma placa metálica pintada (substrato), previamente preparada com a sugidade, em diversas temperaturas.
Os resultados obtidos para a formulação com álcool etoxilado e cocoalquilamina quaternária etoxilada, na proporção 1:1, em temperaturas acima de 30 Graus Celsius, foram superiores inclusive aos da formulação comercial, indicando um bom potencial de uso.

Fonte: 1- ADAMSON, W. A., GAST, P. A, Physical Chemistry of Surfaces. 6 ed. Montreal:Willey-
Interscience, 1997, p. 465-490.

Leia também! Assuntos relevantes