Sobre o planeta Gliese 581c (Superterra)

Sobre o planeta Gliese 581c (Superterra)

A descoberta de um planeta semelhante ao nosso representa um salto espetacular da ciência na busca pela vida extraterrestre

Há milhares de anos o homem olha para o céu na tentativa de entender melhor a si próprio e ao planeta que o abriga. Questões cruciais da cosmologia já foram respondidas, desde as que dizem respeito ao Sol e seus planetas até as que lidam com os grandes movimentos do universo. Uma pergunta, justamente a que mais atiça a curiosidade humana, permanece sem resposta: estamos sós no universo? E, se houver outras formas de vida em outros planetas, elas serão inteligentes? Em sendo inteligentes, serão capazes de se comunicar com outros mundos através de sinais eletromagnéticos? A descoberta de um planeta semelhante à Terra fora do sistema solar, o GL 581c, revelada na semana passada, é o maior passo já dado até hoje pela humanidade na busca de vida extraterrestre. Os chamados planetas extra-solares, aqueles encontrados fora da nossa vizinhança cósmica, o sistema solar, eram todos insatisfatórios, com ambientes inadequados para o surgimento e a reprodução da vida como a conhecemos. A maioria deles são imensas esferas de gases venenosos submetidas a forças gravitacionais colossais. Nada muito animador para quem procura um berço propício à vida. A descoberta da semana passada muda tudo. Na última década, mais de 200 planetas foram identificados fora do sistema solar – o GL 581c é o primeiro que pode ser considerado um irmão da Terra.

O novo planeta fica na constelação de Libra e reúne muitas das condições ideais que na Terra permitiram o nascimento de seres vivos e sua espetacular especiação, a criação de espécies diferentes, entre elas essa que procura planetas no universo. O grupo de cientistas europeus responsável pela descoberta sustenta que, pelo tamanho e pela massa do planeta, é grande a possibilidade de que ele abrigue água em estado líquido. As temperaturas em sua superfície devem variar entre 0 e 40 graus – nada muito drástico quando se sabe que na Terra elas variam de 88 graus negativos no inverno dos pólos a até 58 graus positivos nos desertos equatoriais. Em tamanho, o GL 581c é uma espécie de "Superterra", com uma cintura 50% maior que a do terceiro planeta do sistema solar, a frágil bola azul que habitamos. A Superterra da constelação de Libra é aquecida por uma fornalha estelar já bastante velha em termos cósmicos, uma estrela do tipo anã vermelha batizada de Gliese 581. O que Gliese tem de velha tem também de confiável e previsível. Ela emite a mesma quantidade de calor e luz há bilhões de anos e deve manter-se imutável pelo menos nos próximos 5 bilhões de anos. Em comparação com outros quadrantes convulsionados do universo onde também já foram encontrados planetas, pode-se dizer que o espaço onde está o GL 581c é uma aprazível vizinhança. Embora seja muito mais maciço, o novo planeta tem força de gravidade compatível com a estrutura óssea e muscular do ser humano. Se algum dia uma mulher ou um homem caminhar na superfície do GL 581c, ela ou ele vai se locomover com um pouco mais de dificuldade, como se carregasse uma mochila cheia de pedras, por exemplo.

O fato de o recém-descoberto planeta ser parecido com a Terra abre a possibilidade de ele um dia ser uma alternativa de abrigo para a espécie humana? Por enquanto, essa é uma possibilidade teórica. O GL 581c está situado a 20,5 anos-luz da Terra. Para se ter uma idéia mais precisa do que isso significa, é útil comparar com o nosso Sol. A luz solar leva apenas oito minutos para chegar à Terra. Para atingir o novo planeta e usá-lo como tábua de salvação, uma nave terrestre viajando na velocidade da luz levaria duas décadas até o destino. As naves terrestres conseguem atingir hoje apenas ínfimas frações da velocidade da luz. O veículo espacial mais rápido já construído, a New Horizons, da Nasa, que atualmente se dirige a Plutão, levaria 400.000 anos para alcançar o GL 581c. "O grande desafio do homem na conquista do espaço, hoje, é conseguir desenvolver equipamentos mais velozes", diz o astrofísico carioca Eduardo Janot Pacheco, representante brasileiro na missão do satélite de pesquisas francês Corot, lançado há quatro meses.

Os desbravadores sempre enfrentaram dificuldades técnicas, e nem por isso o homem deixou de conquistar o Novo Mundo, a Lua, e de mandar artefatos para todos os cantos do sistema solar. "Uma das razões pelas quais somos tão bem-sucedidos como espécie é essa inquietação para descobrir o que há além do que estamos habituados a ver", disse a VEJA o astrônomo Andy Cheng, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, e um dos pesquisadores envolvidos no Projeto New Horizons. O certo é que já estão em estudo tecnologias capazes de impulsionar naves a velocidades próximas à da luz. São motores experimentais desenhados dentro de especificações que seguem as mais sólidas teorias científicas. Mesmo que não se descubra nenhuma outra forma de energia impulsora no futuro próximo, esses motores, sejam eles nucleares, sejam quânticos, serão fortes o bastante para levar a bandeira da humanidade a pontos nunca visitados da galáxia.

A energia confiável e estável fornecida por Gliese e a própria estrutura do novo planeta – em especial a possibilidade de ele abrigar reservatórios de água líquida – são compatíveis com as condições onde a vida surgiu e se propagou na Terra. Existiria vida no GL 581c? Nenhum astrofísico arrisca-se a responder a essa pergunta com segurança. O maior avanço trazido pela descoberta do novo planeta, no entanto, independe dessa resposta. Seu valor é estatístico. Pouco tempo atrás nenhum cientista sério acreditava que pudessem existir outros sistemas solares estáveis o suficiente para ter planetas sólidos a sua volta. Para confirmar essa teoria, registre-se que até meados dos anos 80 nenhum telescópio ou outro instrumento ou método de detecção conseguira confirmar sinais da existência de planetas fora do sistema solar. Com o refinamento das técnicas de detecção baseadas em medições de ligeiras variações das órbitas das estrelas, os sinais dos planetas foram surgindo. A conta já chega a 210 planetas. A família cresce a cada ano.

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos mostra que três em cada dez cientistas acreditam que possa existir vida em outros planetas. No topo do panteão dos otimistas e incentivadores da busca por ETs figura Carl Sagan (1934-1996). Dizia ele: "A química que criou a vida na Terra é reproduzida facilmente por todo o cosmo. Parece improvável que sejamos os únicos seres inteligentes. É possível, mas improvável". Eis uma questão desafiadora. Embora se aceite que a vida na Terra tenha surgido espontaneamente da interação durante bilhões de anos de moléculas cada vez mais complexas, nenhum laboratório do mundo conseguiu até hoje criar vida reproduzindo as condições dessa "sopa primordial". Mas, fora da hipótese teológica, no campo limitado ao método científico, a "sopa primordial" é a melhor aposta racional para explicar o surgimento da vida. Pelo mesmo raciocínio, e dando-se crédito a Carl Sagan, não ofende a razão a hipótese de que o mesmo processo químico tenha resultado na criação de formas primitivas de vida em outros planetas.

Infelizmente, para a aventura intelectual humana e para a frustração do desejo inato de encontrar seres inteligentes em outros planetas, essa busca ainda não saiu do ponto zero. A complexidade de produzir vida inteligente é incomensuravelmente maior do que a de gerar bactérias e outras formas primitivas de vida. Quem melhor descreveu essa complexidade foi um dos maiores neodarwinistas de todos os tempos, o americano nascido na Alemanha Ernst Mayr, morto aos 100 anos, em 2005. Mayr mostrou que o crescimento em tamanho e complexidade do cérebro humano é um evento tão insólito – e misterioso – que dificilmente pode ser explicado pela evolução apenas. "O desenvolvimento do cérebro humano é uma mutação que não necessariamente trouxe vantagens evolutivas à espécie. Foi uma aposta que deu certo até agora, mas nada indica que continuará dando", dizia Mayr. O célebre cientista gostava de lembrar que o cérebro humano é muito frágil, protegido por um crânio não muito espesso, além de consumir um quinto de toda a energia disponível no organismo, proporção que nenhum outro ser vivo se deu ao luxo de gastar com apenas um órgão. Para enfatizar ainda mais a complexidade da trajetória evolutiva rumo à civilização, Mayr lembrava que de todos os 50 bilhões de espécies que existem ou já existiram no planeta apenas uma, a humana, desenvolveu um cérebro capaz de aprender. Conclui Ernst Mayr: "Quando se coloca na equação a variável de que os homens só desenvolvem cultura quando vivem em sociedades humanas e, antes, são cuidados por mães e pais até o fim da puberdade, a complexidade dos processos de produção de uma civilização tecnológica atinge um grau tal que talvez não possa ser repetido em nenhum outro lugar". Mais uma razão para olharmos para o cosmo com espanto e para a nossa única Terra com mais humildade e carinho.

Minhas opniões: Eu creio que esse planeta pode ser algum dia habitado por nós, mas geralmente seum dia for, sera muito distante, cerca de 200 anos, pois como vimos no tópico, o planeta esta há 20,5 anos-luz de distancia de nos.

Fonte de: http://www.adur-rj.org.br/5com/pop-up/nova_terra.htm


Vamos calcular, quantos segundos tem 1 ano para isso eapós obtemos o valor do ano-luz:
60 sgundos X 60 Min, todos sabemos que da 3600(issu em 1 hora)
Se uma horatem 3600 segundos um dia(24 horas) tem 86400 segundos.
Se um dia tem 86400 segundos um ano(365,25 dias por causa do anobissexto ou 6 horas) tem 31557600.
Se um ano tem um total de 31557600 segundos sabemos que avelocidade daluz é de aproximadamente 300.000 km/s, então 31557600 X 300.000 = 9.467.280.000.000 ou 9,46 trilhões de kilometros.
Dados:1 ano-luz = 9,5 Trilhões de kilometros(aproximando)
Geralmente o planeta estaha uma distancia de 20,5 ano luz,que da um total de 194.079.240.000.000 ou 194 trilhoes de kilometros de distancia.

Realmente nós nao podemos nos esquecer do efeito de dilatação do tempo, para nós seu ma nava viajassena luz rumo ao planeta 'gliese 581' para nós iria demorar exatos 20 anos e 6 meses, mas para quem esta nela iria demorar menos ou em 1/5 ou seja 4 anos, 1 mes e 15 dias, surpreendente não.

Outros dados:O sol leva 8 min-luz para chegar a terra, o sol leva um pouco mais de 5 horas-luz para chegar á plutão, o sol leva 4 anos-luz para chegar a próxima estrela centauri(sei la o nome), nossa galaxia tem 100.000 ano-luz, e existem bilhões de galaxias no universo!



Texto retirado do seguinte site: http://forums.tibiabr.com/showthread.php?t=167767

Fonte foto: http://www.eso.org/public/outreach/press-rel/pr-2007/images/phot-22b-07-normal.jpg

Leia também! Assuntos relevantes