Sistema Endócrino

Sistema Endócrino

As glândulas endócrinas
As glândulas endócrinas produzem e lançam no sangue substâncias chamadas de hormônios.
Levados pela corrente sangüínea, os hormônios atuam longe das glândulas em que são produzidos, regulando atividades celulares. De natureza química variável, os hormônios atuam sempre em pequenas concentrações.


Os principais hormônios dos invertebrados
Reduzido, na maioria dos invertebrados, o sistema hormonal mais conhecido é dos artrópodes, especialmente em crustáceos e insetos.
Nos crustáceos são glândulas endócrinas os órgãos e as glândulas androgênicas. Situados na cabeça, os órgãos  produzem um hormônio que estimula a muda. Localizadas junto aos dutos espermáticos, as glândulas androgênicas estão envolvidas com o desenolvimento das gônadas. São glândulas endócrinas de insetos: corpo alado e glândula da muda. Situado na cabeça, o corpo alado secreta a neotina, hormônio que promove o crescimento e a diferenciação das larvas. As glândulas de muda, que aparecem na cabeça ou no tórax, produzem a ecdisona, o hormônio da muda.


As glândulas endócrinas dos vertebrados
Na maioria dos vertebrados e no homem, as principais glândulas endócrinas são: hipófise, paratireóide, tireóide, adrenal e as gônadas; existem hormônios secretados pelo estômago, pelo intestino e pelos rins.


Os hormônios da hipófise
A hipófise, também denominada de glândula pituitária, aloja-se numa pequena cavidade no assoalho do crânio, na base do encéfalo. Por exercer múltiplas funções é conhecida como a glândula mestra do organismo. É dividida em duas partes: adenohipófise ou hipófise anterior e neurohipófise ou hipófise posterior.
Entre essas duas partes situa-se uma reduzida área, a hipófise intermediária.


Hormônios da adenohipófise ou hipófise anterior

Somatatrofina ou hormônio de crescimento
Promove o aumento do número e tamanho das células, principalmente nos ossos. A hiperfunção provoca, quando ocorre precocemente, o gigantismo; ocorrendo mais tardiamente determina a acromegalia. As deficiências resultam no nanismo.
Tirotrofina ou hormônio tireotrófico (TSH)


Estimula a glândula tireóide.
Adrenocorticotrofina ou hormônio adrenocorticotrófico (ACTH)
Atua sobre as glândulas adrenais estimulando o crescimento e a secreção.


Gonodotrofinas ou hormônios gonadotróficos
Compreendem:
- folículo-estimulante (FSH) age sobre a maturação de óvulos e espermatozóides;
- luteinizante (LH) determina a ovulação e formação do corpo amarelo;
- luteotrofina ou prolactina (LTH) atua na manutenção do corpo amarelo e na produção do leite.


Hormônios da neurohipófise ou hipófise posterior

Vasopressina ou hormônio antidiurético (ADH)
Aumenta a absorção de água nos túbulos renais, o que determina menor quantidade de eliminação de urina. A falta desse hormônio provoca a diabete insípida, com eliminação de grande quantidade de urina diluída e muito clara.


Oxitocina
Hormônio que provoca a contração uterina durante o parto; também age sobre a ejeção do leite nas glândulas mamárias.

Hormônios da hipófise intermediária
Em peixes, anfíbios e répteis, a hipófise intermédia secreta a intermedina ou hormônio estimulante dos melanócitos (MSH) que dispersa o pigmento dos cromatóforos, alterando a cor da pele.


Os hormônios da tireóide
A glândula tiróide ou tireóide é formada por dois lobos, um de cada lado da laringe, unidos pelo chamado istmo. A tireóide produz dois hormônios: triiodotironina e tiroxina que regulam o metabolismo celular.
O hipotireoidismo, ou seja, a insuficiência da tireóide provoca, na criança, o cretinismo com retardamento mental sério. Nos adultos determina o mixidema com pele grossa, metabolismo baixo e letargia mental.
A excessiva atividade da tireóide provoca o hipertireoidismo com alto metabolismo, taquicardia, tremor e nervosismo. O bócio ou papo é um aumento exagerado da glândula devido a um hipo 9ou hiperfuncionamento da mesma. O chamado bócio endêmico é acarretado pela deficiência de iodo necessário Pa formação da tiroxina. Como medida profilática adiciona-se iodo ao sal de cozinha.


As paratireóides
As paratireóides são pequenas glândulas situadas logo atrás das tireóides. Secretam o paratormônio que regula o metabolismo do cálcio e do fósforo. A deficiência provoca a tetania com contrações musculares. O hiperparatireoidismo causa excessiva mobilização de cálcio dos ossos, levando ao aparecimento de deformações ósseas e fraturas freqüentes. Há eliminação de cálcio e fósforo pela urina, podendo haver formação de cálculos renais devido a um depósito de cálcio.


Hormônios de vertebrados
Os hormônios das adrenais
As glândulas adrenais ou supra-renais estão localizadas acima dos rins no homem ou próximo aos mesmos, na maioria dos vertebrados. Constam de duas partes, a interna chamada de medula e a externa que corresponde ao córtex.
A medula da supra-renal secreta adrenalina ou epinefrina e noreradrenalina ou norepinefrina usada para colocar o organismo na chamada situação de emergência. Esses dois hormônios aumentam a intensidade do metabolismo e o nível de glicose no sangue, acelerando os ritmos cardíaco e respiratório.
Produzem vasoconstrição no tubo digestivo e vasodilatação nos músculos esqueléticos, aumentando a atividade muscular. Os principais hormônios do córtex supra-renal são: aldosterona, cortisona e corticosterona.
A aldosterona é chamada de mineralocorticóide por regular os níveis de Na+ e K+ no sangue.
A cortisona atua no aumento da glicose no sangue, daí ser chamado de glicocorticóide. Também favorece a utilização de gorduras para fins energéticos e exerce ação antiinflamatória.
A corticosterona tem função mineralocorticóide e pequena atividade glicocorticóide.
Dá-se o nome de hipoadrenalismo à insuficência dos hormônios corticoadrenais e provoc a doença de Addison, cujo quadro clínico é emagrecimento, astenia, escessiva pegmentação da pele e alterações gastrintestinais com võmitos e diarréia.
O hiperadrenalismo causa a doença de Cushig caracterizada com võmitos e diarréia.
O hiperadrenalismo causa a doença de Cushing caracterizada por obesidade do rosto e tronco, hipertensão arterial e transtornos psíquicos.


Os hormônios do pâncreas
O pâncreas é uma glândula anfícrina ou mista formad por dois tipos de estruturas: os ácinos e as ilhotas de Laugerhans.
Os ácinos têm função exócrina, produzindo e secretando o suco pancreático, constituído por enzimas digestivas, já estudadas.
As ilhotas de Laugerhans são células de secreção interna (endócrinas). Cerca de 70% das ilhotas são células beta, que produzem insulina, sendo as restates as células alfa que secretam o glucagon. A insulina, e o glucagon são hormônios protéicos, cuja função é regular o nível de glicose no sangue.


Insulina
O pâncreas libera insulina quando o nível de glicose no sangue é elevado. A insulina controla a produção de glicogênio no fígado e estimula o consumo de glicose, facilitando a sua penetração nas células.
A secreção de insulina diminui quando cai o nível de glicose no sangue.
A falta de insulina, determinada pelo mau funcionamento do pâncreas, produz uma enfermidade conhecida por diabetes mellitus, geralmente causada por fatores genéticos.


Glucagon
É um hormônio cuja função é aumentar o nível de glicose no sangue, tendo uma ação contrária à da insulina.
Estimula a glicogenólise, isto é, a transformação de glicogênio em glicose, fenômeno que ocorre no fígado e libera glicose no sangue. O aumento do nível de glicose inibe a secreção do glucagon.


As gônadas
As gônadas ou glândulas sexuais, denominadas testículos nos homens e ovários nas mulheres, exercem duas funções; formação de gametas e produção de hormônios sexuais.


Testículos
Os testículos são formados por grande quantidade de tubos seminíferos, nos quais são produzidos os espermatozóides.
Entre os tubos seminíferos aparecem as células de Leydig o células intersticiais produtoras da testosterona, o hormônio sexual masculino.
Os principais efeitos da testosterona são o desenvolvimento dos órgãos sexuais e o aparecimento dos caracteres sexuais secundários.
O hormônio estimulante das células intersticiais (ICSH) é produzido na hiófise anterior.


Ovários
Os hormônios produzidos no ovários são os estrógenos e a progesterona.
Os estrógenos, hormônios sexuais femininos, são responsáveis pela regulação do ciclo menstrual e pelo desenvolvimento dos caracteres seuxais secundários que aparecem durante a puberdade; também provocam o fenômeno do estro ou cio nas fêmeas dos mamíferos.
Os estrógenos são produzidos nos folículos ovarianos, estimulados pelo FSH.
A progesterona é produzida pelo corpo amarelo que se forma no folículo de Graaf após a ovulação. A principal função de progesterona é a preparação do organismo feminino para a gestação, isto é, prepara o útero para a recepção e o desenvolvimento do embrião. A produção da progesterona é estimulada pelo LH.

Leia também! Assuntos relevantes