O Sistema Nervoso Humano


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


O Sistema Nervoso Humano

SISTEMA NERVOSO
À medida que a vida na Terra evoluiu e que o ambiente se tornou mais complexo, a sobrevivência dos animais passou a depender cada vez mais da forma como eles podiam responder às mudanças do meio ambiente. Uma vez que a comunicação entre as células por meios químicos era muito lenta, surgiu um sistema capaz de fornecer respostas mais rápidas: o sistema nervoso, que transmite impulsos elétricos quase instantaneamente, de uma região do corpo a outra, através de células nervosas especializadas.

Sistema nervoso é a unidade fisiológica animal, formada por um conjunto de células especializadas denominadas neurônios, que se encarrega das funções de coordenação do organismo e de sua relação com o meio externo e com todos os elementos anatômicos que o integram.

ANATOMIA COMPARADA
A forma mais simples de sistema nervoso se encontra no filo dos celenterados, do qual fazem parte as hidras, as medusas e os pólipos. Esses animais possuem células nervosas distribuídas por todo o organismo, formando uma espécie de rede. Nos vermes menos evoluídos, platelmintos e nemertinos, o sistema nervoso ainda é primitivo, mas já existe um certo grau de polarização, além de gânglios cerebriformes e fibras nervosas longitudinais.

Os anelídeos se situam no estágio seguinte da escala evolutiva. O sistema nervoso desses animais consta de um par de gânglios cerebriformes unidos por um anel periesofágico aos gânglios metaméricos. Ocorrem também nervos laterais. Os artrópodes, quanto ao sistema nervoso, não diferem muito dos anelídeos a partir dos quais evoluíram.

No filo dos moluscos, a estrutura nervosa é muito diferenciada e atinge seu mais alto grau de evolução na classe dos cefalópodes (lulas, polvos, náutilos etc). Nesses animais, os diferentes gânglios se fundem para constituir a massa cerebral, na qual se distingue uma parte encarregada da função visual e outra à qual compete regular o funcionamento das brânquias, das vísceras etc.

Nos vertebrados, o sistema nervoso se divide em central (cérebro e medula espinhal) e periférico (nervos cranianos e raquidianos, além do sistema nervoso autônomo ou vegetativo). O encéfalo se divide em três regiões: o prosencéfalo, ou encéfalo anterior; o mesencéfalo, ou porção média; e o rombencéfalo, ou parte posterior. O segmento anterior pode dividir-se ainda em telencéfalo (integrado pelos lóbulos da olfação e os hemisférios cerebrais) e diencéfalo (do qual fazem parte o epitálamo, o tálamo e o hipotálamo). A seção intermediária contém os lóbulos ópticos; a posterior também diferencia-se em metencéfalo (do qual faz parte o cerebelo) e mielencéfalo (constituído pelo bulbo raquidiano, que se liga à medula espinhal).

A complexidade anatômica do encéfalo está relacionada com o enorme número de funções e processos sensitivos por ele regulados. Geralmente, observa-se nos peixes um menor desenvolvimento do cérebro em benefício dos órgãos olfativos. À medida que se avança na escala evolutiva, as dimensões do cérebro aumentam até alcançarem o tamanho máximo nos primatas e no homem, em que ocorrem circunvoluções e separação do cérebro em hemisférios.

A porção intra-raquidiana do sistema nervoso é a medula espinhal, a partir da qual surgem os pares de nervos raquidianos, que enervam os diferentes músculos, glândulas e vísceras. Nos vertebrados quadrúpedes observam-se na medula as intumescências cervical e lombar, que correspondem à emergência de nervos que se destinam aos membros anteriores e posteriores. O sistema nervoso autônomo é uma unidade funcional complementar, constituída pelos sistemas simpático e parassimpático, dos quais depende o equilíbrio da vida orgânica. A função do sistema nervoso nos animais superiores é complementada pela ação do sistema endócrino, encarregado de regular a secreção hormonal.


SISTEMA CÉREBRO-ESPINHAL DO SER HUMANO
No homem, a estrutura dos nervos é diferenciada em duas áreas. Uma delas corresponde ao sistema nervoso central, constituído pelo encéfalo e a medula espinhal, que se aloja no conduto crânio-raquidiano, protegido pelas meninges e pelas vértebras. A outra forma o sistema nervoso periférico, que consta de um conjunto de nervos distribuídos por todo o organismo. Parte do sistema periférico integra o sistema nervoso autônomo, ou vegetativo, que regula o funcionamento das vísceras e glândulas.

No sistema nervoso central, o encéfalo humano mantém a tripla divisão em prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo, característica da evolução embrionária dos vertebrados, embora organicamente se estabeleça preferencialmente a distinção entre cérebro, cerebelo, ponte de Varólio (ou protuberância), pedúnculos cerebrais e bulbo raquidiano (ou medula oblonga). O cérebro é o elemento principal, para o qual são dirigidos os impulsos recebidos pelo sistema nervoso. Seu peso médio, quando atingido o desenvolvimento máximo, é de 1.400g nos homens e 1.260g nas mulheres. Na morfologia cerebral distingue-se uma primeira separação em dois grandes hemisférios cortados por uma linha profunda, a fissura sagital. Na superfície de cada um desses hemisférios existem dois outros cortes, a fissura de Sylvius, ou sulco lateral, e a de Rolando, ou sulco central. Ficam assim delimitados quatro lobos em cada bissecção: frontal, parietal, temporal e occipital.

A cavidade interna do cérebro é irrigada pelo líquido cefalorraquidiano, que flui também na medula espinhal e constitui um elemento de extrema importância no diagnóstico de muitas doenças e alterações metabólicas. De dentro para fora, distinguem-se a substância branca, formada por neurônios (células nervosas) recobertos de mielina, material lipoprotéico que envolve as fibras e aumenta a velocidade de transmissão dos impulsos nervosos; e a substância cinzenta, que forma o envoltório ou córtex cerebral. A massa cerebral é recoberta por três membranas de proteção, as meninges, que separam o córtex dos ossos cranianos. São elas a pia-máter (mais interna), aracnóide (intermediária) e dura-máter (mais externa).

Na região póstero-inferior do cérebro, situa-se o cerebelo, órgão responsável pela coordenação motora formado por uma parte mediana, o verme, e dois lobos ou hemisférios. A ponte de Varólio, também denominada protuberância anular, liga o cérebro, o cerebelo e o bulbo, e está situada na parte inferior do encéfalo. Compõe-se de diferentes planos de fibras nervosas longitudinais e transversais. O bulbo faz a transição entre o encéfalo e a medula. Nele se entrecruzam as fibras nervosas que atingirão o cérebro, razão pela qual as funções reguladoras do lado direito do corpo são controladas pelo lobo cerebral esquerdo, e as correspondentes ao lado esquerdo, pelo lobo direito.

Do bulbo nasce a medula espinhal ou raquidiana, cordão nervoso cilíndrico que se prolonga pelo interior da coluna vertebral até o extremo do osso sacro. O cordão medular consta de um núcleo central de substância cinzenta, com característica disposição em forma de X, envolto numa massa cilíndrica de substância branca. A substância cinzenta se ramifica a partir da medula para formar as raízes dos nervos raquidianos. Ao longo de toda a sua extensão, a medula raquidiana é protegida externamente, como o encéfalo, pelas três meninges e, em seu canal interno, por uma membrana denominada epêndima.

Os nervos representam a unidade fisiológica fundamental do sistema nervoso periférico. Eles se originam nos dois componentes básicos do sistema nervoso central: o cérebro e a medula espinhal. Os 12 pares de nervos cranianos distinguem-se em olfativo, óptico, motor ocular comum, patético (ou troclear), trigêmeo, motor ocular externo, facial e intermédio, estato-acústico (vestíbulo-coclear), glossofaríngeo, vago (pneumogástrico), espinhal (acessório) e hipoglosso. Outros 31 pares formam o conjunto de nervos raquidianos, dos quais dependem a recepção de impulsos periféricos, sua transmissão aos centros fundamentais do sistema nervoso e o envio de sinais aos músculos.



SISTEMA AUTÔNOMO OU VEGETATIVO
A regulação das funções dos órgãos internos, de forma involuntária e autônoma, é executada pelo sistema nervoso vegetativo, unidade fisiológica integrada por dois sistemas diferenciados, o simpático e o parassimpático, com atividades opostas. A motilidade intestinal, por exemplo, é estimulada por um nervo do sistema simpático e inibida por outro do sistema parassimpático. As unidades funcionais do sistema vegetativo são as fibras e os gânglios.

O sistema simpático é integrado por uma dupla cadeia de gânglios dispostos em ambos os lados da coluna vertebral. A condução dos impulsos nervosos às vísceras é feita por dois neurônios: o pré-ganglionar parte da medula e forma no gânglio uma sinapse com o neurônio pós-ganglionar, que prossegue para enervar um órgão periférico. O segundo componente do sistema nervoso autônomo é o parassimpático, formado pelas fibras nervosas autônomas que emergem do sistema nervoso pelos nervos cranianos e pelos segmentos sacrais. Embora seus componentes obedeçam ao padrão geral da via efetora autônoma formada de dois neurônios, o parassimpático se caracteriza por ter o gânglio muito próximo da víscera que enerva.


ANATOMIA E FUNÇÃO DOS NERVOS
A unidade funcional básica do sistema nervoso é o neurônio. Seu papel na transmissão de impulsos pôde ser estabelecido a partir dos estudos do pesquisador espanhol Santiago Ramón y Cajal e, posteriormente, do alemão Heinrich Wilhelm von Waldeyer, responsável por sua denominação. Esses dois cientistas, que se opunham aos que defendiam a teoria da estrutura fibrilar difusa, conseguiram demonstrar que o sistema nervoso consta de células nas quais se diferenciam um corpo celular, ou soma, um eixo de transmissão de impulsos nervosos, denominado axônio ou cilindro-eixo, e uma série de prolongamentos ramificados, ou dendritos. A transmissão de impulsos ocorre em regiões de interferência, denominadas sinapses.

Além dos neurônios, existem no sistema nervoso células que formam o tecido de sustentação e nutrição do sistema: a neuroglia. Foram descritos três grupos principais de células neurogliais: (1) os astrócitos, com participação na transmissão sináptica; (2) os oligodendrócitos, com função de proteção e isolamento do neurônio; e (3) as células da microglia, pequenas e fagocitárias.

Quanto à fisiologia do sistema nervoso, seus componentes apresentam diferentes funções de regulação e controle. Na medula espinhal são exercidas ações condutoras ou motoras e funções reflexas, como as da postura e da locomoção. O bulbo raquidiano intervém no controle das funções cardíaca e respiratória, entre outras, e o cerebelo no controle do equilíbrio e do tono muscular, bem como na coordenação de movimentos. O cérebro é o centro em que se combinam e integram todos os processos sensíveis e motores, emocionais e intelectuais.

Os impulsos nervosos podem ser voluntários ou reflexos, segundo alcancem ou não o córtex cerebral. Também se distinguem transmissões sensitivas, que ocorrem dos nervos para os centros superiores, e motoras, quando a direção do impulso é inversa. O impulso nervoso (de natureza eletroquímica) tem sua velocidade ou intensidade aumentada por substâncias neurotransmissoras, como a acetilcolina e a adrenalina, de singular importância para a o estudo das doenças do sistema nervoso.
Cérebro; Neurologia; Reflexo



Fonte:
http://apostilas.netsaber.com.br/apostilas/552.doc

Biografia:
©Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.






[ Pesquisa escolar lida 31929 Vezes - Categoria: Biologia ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Álcool no sistema nervoso e seus prejuízos
O efeitos do uso prolongado do álcool são diversos. Dentre os problemas causados diretamente pelo álcool pode-se destacar doenças do fígado, coração e...
Lido: 17783 Vezes

Sistema Nervoso
A presença de um sistema nervoso é característica própria dos animais. Os principais tipos celulares encontrados no Sistema nervoso são os neurôni...
Lido: 13705 Vezes

A Coordenação - Sistema nervoso e Sistema endócrino
A COORDENAÇÃO O Controle do Ambiente Interno e das Respostas ao Ambiente Nos metazoários existe a necessidade de um sistema que integre e coordene a...
Lido: 74811 Vezes

Estudantes Online | Fale Conosco | Feed / RSS | Google + | Twitter |

Novos assuntos sobre educação no seu e-mail

Site destinado a educação, informação e pesquisa escolar. Não incentivamos a prática de trabalhos escolares prontos.

Sendo um veículo de comunicação, não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.

Cópia de conteúdo somente se citada a fonte.

© 2014 - Grupo Escolar - Todos direitos reservados