Entre as várias figuras de linguagem que utilizamos em nossa comunicação, temos a metonímia, um recurso que consiste em empregar um termo no lugar de outro. Basicamente, a metonímia troca termos que apresentam afinidade ou relação de sentido. Isso significa que ela é uma figura de linguagem que estabelece o sentido figurado de uma palavra.

Ao usar a metonímia, se estabelece uma substituição lógica de uma palavra por outra. Este recurso costuma ser utilizado para evitar repetições de palavras nos textos. Um exemplo básico de metonímia acontece quando falamos sobre um livro nos referindo apenas ao nome do autor. Por exemplo: estou lendo Jorge Amado, ao invés de dizer estou lendo um livro de Jorge Amado.

Neste caso, a substituição de uma palavra não prejudicou o entendimento da mensagem, já que existe relação de proximidade de sentidos.


Entenda melhor a Metonímia

Nesta figura de linguagem, uma palavra assume um sentido denotativo, graças a uma associação entre os elementos.


Confira exemplos da figura de linguagem Metonímia:

1. A arena de basquete aplaudiu os jogadores. (Os torcedores que estavam na arena aplaudiram os jogadores).

2. Gosto de ler Machado de Assis. (Gosto de ler os livros de Machado de Assis.)

3. Thomas Edson iluminou o mundo. (A invenção de Thomas Edson iluminou o mundo).

4. Fumei um verdadeiro cubano. (Fumei um verdadeiro charuto cubano).

5. Bebeu a garrafa toda. (Bebeu o líquido que estava na garrafa).

6. Adoro ler Shakespeare. (Adoro ler a obra de Shakespeare).

7. Tomamos umas dez latas ontem. (Tomamos cerveja/refrigerante).


Variações da Metonímia

Sinédoque – Quando uma palavra de menor importância representa algo de grande expressão. Ex.: O suor do teu rosto garante o sustento da família. (O esforço do trabalhador garante o sustento).

Antonomásia – Quando ocorre a designação de uma pessoa não pelo seu nome, mas por suas qualidades. Ex.: O poeta dos escravos. (Designação para Castro Alves). A Cidade Maravilhosa! (Designação para Rio de Janeiro).

Leia também! Assuntos relevantes