Interjeição

Por

Chamamos de interjeições as palavras que são invariáveis e são usadas para exprimir estados de espírito, sensações ou emoções, ou ainda que busca agir sobre o interlocutor fazendo com que adote um determinado comportamento sem que seja necessário, para isso, fazer uso de estruturas linguísticas mais elaboradas, como no exemplo a seguir:

“Droga! Preste atenção quando falo com você!”

Nesse exemplo, podemos notar que o interlocutor está bravo, e sua raiva é traduzida em “Droga!”. Ao invés de usar algo como “Estou com muita raiva de você!”, o interlocutor traduziu seu sentimento em uma única palavra.

Normalmente as sentenças da língua portuguesa se organizam de forma lógica, havendo uma sintaxe que estrutura os elementos, além de distribuí-los em posições adequadas a cada um deles. As interjeições, entretanto, são algo como “palavras-frase”, que expressam uma ideia em uma simples palavra ou um conjunto delas - nesse caso, seria locução interjetiva -.

A interjeição é, portanto, um recurso da linguagem afetiva que não traz uma ideia organizada de forma lógica como no geral são as sentenças, mas sim uma manifestação, como de um suspiro, ou um estado da alma que é decorrente de um momento, contexto ou situação em particular. Por exemplo, na frase “Ah, como eu queria voltar a ser criança!”, “Ah” remete a um estado emotivo e é, portanto, uma interjeição. Confira outro exemplo: “Hum! Esse pudim está maravilhoso!” Nessa, “Hum” é uma expressão usada para representar um pensamento súbito e, portanto, também é uma interjeição.

O significado desses termos usados como interjeições, está diretamente ligado à forma como elas são proferidas, de forma que o tom usado para falar é que vai ditar qual é o sentido da expressão. “Psiu”, por exemplo, pode ter contextos diversos, como descrito abaixo:

“Psiu!” pode ser usado no contexto de chamar alguém na rua, significando, portanto, algo como “Ei, espere!” ou ainda “Estou te chamando!”, ou ainda, quando pronunciado em um hospital, remeterá, provavelmente, a algo como “Por favor, faça silêncio!”.


Normalmente as interjeições cumprem duas funções, que serão explicadas a seguir:

Sintetizar uma frase exclamativa, exprimindo alegria, tristeza, dor, entre outros. Por exemplo:
“Ah, deve ser muito interessante poder viajar ao redor do mundo”.
Sintetizar uma palavra apelativa. Por exemplo:
“Cuidado! Saia já daí!”.

As interjeições podem ser formadas por simples sons vocálicos, como “oh!”, “ah!”, entre outros, ou ainda palavras, como “Oba!”, “Claro!”, entre outras, ou ainda por um grupo de palavras, como é o caso de “Meu Deus!” e “Oras bolas!”, sendo que estas últimas são, como mencionamos anteriormente, locuções interjetivas.

Leia também! Assuntos relevantes