História do Brasil - Brasil 500 Anos


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


História do Brasil - Brasil 500 Anos

Brasil - 500 Anos
Em 1992, por ocasião dos 500 anos de viagem de Colombo, ouve intenço e extenso debate nas Américas e na Europa sobre o vocabulário adequado para descrever a chegada dos europeus ao continente. Uma crítica devastadora foi feita então ao uso da palavra " Descobrimento ", ou "Descoberta", por representar um insuportável etnocentrismo europeu. De fato, só foi descobrimento para os europeus. Aqui viviam, em 1492, cerca de 50 milhões de habitantes, não muito menos que a população da Europa. A Cidade do México, capital do império asteca, tinha 200 mil habitantes, talvez mais do que qualquer cidade européia. Paris tinha na época cerca de 150 mil.

Falar em "Descobrimento", argumentou-se, implicava dizer que essas gentes e civilizações só tinham passado a ter existência real após a chegada dos europeus. Implicava ainda dar um tom falsamente neutro a um processo que foi violento e genocida. Os 5 milhões de nativos da Hispaníola, aonde chegou Colombo, desapareceram em um século. Os 25 milhões do planalto mexicano foram reduzidos a 2 milhões no mesmo período. Nos Andes, 10 milhões tinham virado 1,5 milhões ao final do século 16. Um inegável genocídio, ja denunciado na época por Las Casas em seu famoso libelo "A Destruição das Índias Ocidentais".

Sete anos depois, o Brasil entra na febre dos seus 500 anos. No entanto, nas celebrações oficiais e oficiosas, nas reportagens da mídia, nas exposições, nos seminários acadêmicos, a terminologia empregada para descrever a chegada dos portugueses a uma das nossas praias. Com uma ou outra exeção, em geral vinda de algum chato inconveniente, celebra-se, o descobrimento do Brasil. Os (poucos) que leram a carta de Caminha exibem erudição usando o equivalente arcaico "achamento". A quase unanimidade vocabular deixa perplexos observadores de outros países. Perguntam-se se os brasileiros não tomaram conhecimento do debate de 1992.

Se tomamos, ou não lhe demos importância, ou achamos que ele não nos dizia respeito, ou as duas coisas - a primeira por causa da segunda. Segundo a última hipótese, para os brasileiros os problemas relacionados à palavra descobrimento só exestira no caso da América espanhola. A acusação do eurocentrismo é descartada, talvez por desprezo pelo menor número e menor complexidade social de nossos nativos.

O genocídio que a palavra encobre seria também fenômeno exclusivamente, fruto da truculência dos conquistadores. Em nosso caso, as relações dos portugueses com os nativos teria sido amigáveis. Nada melhor para exprimir esta visão do que a consagração da carta de Caminha como certidão de nascimento do país. A carta só foi publicada em 1817, mas tem a grande vantagem de apresentar imagem quase idílica do encontro entre portugueses e nativos. Ela permite generalizar essa imagem para toda história das relações entre os dois povos.

Imenso encobrimento. A população nativa da parte portuguesa era sem dúvida muito menor do que a da parte espanhola. Mesmo assim, ela foi calculada entre 3 e 5 milhões à época da chegada de Cabral ( digamos 4 milhões ). Isso equivalia a quatro vezes a população de Portugal. O bandeirante Raposo Tavares diz ter visto em 1653, ao longo das margens do rio Madeira, aldeia de 150 mil almas maior que o Rio de Janeiro em 1822.


Fonte:
http://www.tarefadecasa.hpg.ig.com.br/brasil.htm





Saiba mais

Buscas relacionadas a História do Brasil - Brasil 500 Anos em História.


[ Pesquisa escolar lida 10696 Vezes - Categoria: História ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Reforma Política Brasileira
Senado e Câmara dos Deputados divergem sobre os pontos da Reforma Política apresentada pela presidente Dilma Rousseff. Em meio às manifestações pop...
Lido: 1609 Vezes

Quais os Melhores Programas Sociais do Governo Brasileiro?
O governo federal tem programas para a educação, transferência de renda e qualificação profissional. Os últimos anos de governo do PT na presidênci...
Lido: 3373 Vezes

Missão Brasileira no Haiti
Depois da queda do presidente do Haiti (em junho de 2004), Jean-Bertrand Aristide, o Conselho de Segurança da ONU estabeleceu uma missão de paz para e...
Lido: 5079 Vezes

Brasil Indígena
Passados 500 anos de convivência sempre conflituada, o índio continua sendo pouco mais do que um mito brasileiro Quem são, de onde vieram, para ond...
Lido: 30164 Vezes

Árvores do Brasil em Extinção
ÁRVORES BRASILEIRAS EM EXTINÇÃO Dentre a literatura sobre árvores nativas brasileiras mais conhecidas, não constam muitos detalhes sobre as espécies ...
Lido: 44957 Vezes

O Populismo no Brasil
Introdução Retornando o país à normalidade constitucional (a nova Carta foi promulgada em 1946), o populismo iria relevar sua eficiência eleitoral. ...
Lido: 45732 Vezes

Agricultura no Centro-Oeste do Brasil
A Região Centro-Oeste do Brasil conta com os Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Na região, a agricultura é basicame...
Lido: 35702 Vezes

A Importância da Camada Superficial de Solos para a Sociedade Brasileira
Talvez não exista no âmbito da Geologia de Engenharia e da Agronomia recomendação técnica mais simples, clara e de tamanha importância para as ativida...
Lido: 14012 Vezes

Flora Brasileira
A Flora Brasileira é extremamente rica e diversificada. Ela contém todas as espécies vegetais que compõe a cobertura do país. A flora brasileira ...
Lido: 948 Vezes

Romantismo no Brasil
O romantismo foi marcado pelo nacionalismo e o sentimentalismo. No Brasil, o Romantismo surgiu no momento em que a colônia seguia para a independên...
Lido: 2034 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
Paixão e Amor
Curiosidades
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.