Gripe Espanhola foi provocada por um vírus das aves

Gripe Espanhola foi provocada por um vírus das aves

Por

Em 1917-18, uma estirpe particularmente virulenta de vírus da gripe causou uma pandemia (epidemia mundial) da doença, com efeitos devastadores 50 milhões de mortos em todo o mundo. Em Portugal morreram em consequência da gripe Espanhola, como ficou conhecida, cerca de 120 mil pessoas. Iniciada em 1995, a sequenciação do genoma do vírus que causou essa pandemia (o H1N1), foi agora concluída e tem pelo menos um resultado surpreendente: as mutações detectadas naquele agente patogénico parecem indicar que aquele era um vírus da gripe das aves que não precisou de recombinar-se com um dos congéneres que infecta os seres humanos e se adaptou directamente ao organismo humano.

Este dados, que são publicados na edição de hoje da revista Nature, em articulação com a publicação norte-americana Science (este é um vasto programa de investigação internacional), vêm ao encontro das preocupações da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre os actuais casos de gripe das aves em vários países asiáticos. A OMS receia que este vírus das aves - o H5N1 - possa desencadear uma nova e particularmente mortífera pandemia de gripe.

Desde 1997 que o H5N1 está em circulação na Ásia, tendo obrigado ao abate de muitos milhões de aves em vários países da região, com importantes consequências económicas. No entanto, o problema de saúde pública pode vir a tornar-se bem maior.

Desde 2003, pelo menos 115 pessoas já foram infectadas pelo vírus H5N1, 60 das quais morreram em consequência da doença. A OMS teme que este vírus da gripe das aves se recombine com um congénere humano, desencadeando assim uma nova pandemia de gripe. Mas o que a análise genética do vírus que causou a gripe Espanhola parece mostrar agora é que isso não é sequer necessário.

Para realizar a sequenciação do genoma do vírus que causou a gripe Espanhola, uma equipa coordenada por Jeffery Taubenberger, chefe do Departamento de Patologia Molecular do Instituto de Patologia das Forças Armadas dos EUA isolou fragmentos do código genético de vítimas dessa epidemia global do início do século XX. O objectivo era descobrir nesse código a resposta para perguntas, como donde veio essa estirpe do vírus? Porque foi tão letal?

Cinco dos oito segmentos que constituem o genoma do H1N1 já tinham sido descodificados e publicados na Nature. Hoje é a vez dos dados sobre os restantes três segmentos, que representam metade de todo o código e que têm à sua responsabilidade a auto-replicação do vírus.

"Foi aí que identificamos um pequeno número de aminoácidos cruciais no processo de adaptação do vírus da gripe das aves aos seres humanos", explica o coordenador do estudo Jeffery Taubenberger. Além disso, sublinha, "essas mutações são idênticas às que se observam no vírus das aves altamente patogénico H5N1, que está a circular nesta altura na Ásia, onde já infectou pelo menos 115 pessoas".

Para Taubenberger, os dados sugerem que o H5N1 "pode estar a adquirir a capacidade de infectar os seres humanos, aumentando assim o risco de este vir a causar uma nova pandemia".

A equipa está a desenvolver modelos para perceber como estes vírus das aves se adaptam aos seres humanos sem se recombinarem com vírus humanos. Compreender esse processo, será meio caminho andado para o travar.


Há 200 vírus sequenciados
Sabe-se que os vírus que provocam a gripe são altamente plásticos. Mudam, recombinam-se, surgem novas estirpes, mudam outra vez, num processo que nunca está terminado. Por isso, todos os anos há surtos de gripe causados por vírus emergentes. Por isso todos os anos as vacinas contra a gripe são actualizadas, para fazer face a cada nova época de gripe. Os resultados de um projecto que nos últimos cinco anos produziu a sequenciação e catalogação de mais de 200 estirpes destes vírus, e cujos dados são hoje publicados na Nature, permitem a partir de agora um combate mais dirigido e, portanto, mais eficaz à gripe, a cada nova época, já que a identificação das estirpes passa a ser mais rápida.


Por:
F. N.06 Outubro 2005

Leia também! Assuntos relevantes