Epicondilite Lateral

Epicondilite Lateral

Epicondilite ou Epicondilite lateral é um dos diagnósticos mais comuns que afetam o cotovelo.

Epicondilite lateral (EL), uma inflamação dos tendões do cotovelo, uma síndrome comum em mulheres de meia idade, afeta a origem dos tendões do extensores de punho ou pronadores do antebraço. Tensões incomuns na articulação do cotovelo resultam em distúrbios microscópicos na origem do tendão extensor.

Definido especificamente como uma lesão que afeta a origem dos tendões extensores do punho, ocorre em indivíduos cuja ocupação ou esporte envolve uso excessivo dos extensores do punho ou pronadores do antebraço. Também conhecido como "cotovelo de tenista", a incidência da epicondilite lateral em tenistas constitui uma pequena proporção em ralação àqueles que desenvolvem epicondilite lateral.

Esta afecção de causa desconhecida ocorre mais comumente no braço dominante dos pacientes de meia idade (tendo seu pico de incidência entre os 40 e 50 anos), cujas suas ocupações requeiram movimentos rotatórios do antebraço. A incidência é maior em mulheres e ocasionalmente bilateral. A causa da epicondilite lateral não está ainda completamente compreendida e não se encontra consenso na literatura relatando o diagnostico patológico e o tratamento. De acordo com Lee, "cotovelo de tenista” é o resultado final de um excesso de uso das estruturas periarticulares secundário a fatores intrínsecos do cotovelo.

Fatores intrínsecos incluem desde uma condição músculo esquelética acima do normal à normal, ou disfunções articulares do cotovelo. Bernhang escreveu sobre 19 origens da dor, incluindo causas músculos tendinosas, intra-articulares, periarticulares, e tendoperiósticas.

A localização de maior patologia é a origem do extensor comum, a articulação radiocarpica e a articulação radioulnar. Fatores extrínsecos incluem neuro disfunção na coluna cervical ou no trajeto do nervo radial. Cyriax descreve 26 diferentes tipos de lesão dos quais o "cotovelo de tenista" é atribuído. Por exemplo (a) tipo I - tipo agudo, trauma indireto; (b) tipo II sub agudo - que se segue ao trauma indireto; (c) tipo III, aparecimento intermitente e (d) tipo IV, aparecimento agudo em seguida a trauma abrupto.

Freqüentemente mais de uma estrutura está simultaneamente envolvida na epicondilite lateral. Mecanicamente, durante a extensão do punho uma tensão pelo esforço ocorre nos músculos extensores (extensor superficial e curto radial), pois eles se contraem concentricamente sobre o cotovelo e punho simultaneamente. Esta tensão é aumentada pela rotação da cabeça radial durante a pronação ou supinação do antebraço. Tensões repetidas podem resultar em rupturas microscópica se cicatrizes (fibroses) no interior do tendão extensor ou "rasgar" a musculatura extensora. O envelhecimento tem um efeito danoso na estrutura tendinosa, o que diminui a propriedade do tecido de atenuar o esforço de tensão por causada falta de elasticidade. Alem disso, a atividade metabólica e a adaptabilidade do tendão diminuem com a idade.

O início da dor é gradual e a queixa típica de pacientes com epicondilite lateral é dor na inserção de origem dos extensores do punho no epicôndilo lateral. A natureza da dor varia de uma dor surda em repouso até uma dor aguda que piora com o movimento. A dor pode se irradiar ao dedo médio e ao anular. Podemos encontrar hipersensibilidade à palpação sobre o epicôndilo lateral que pode se estender em direção ao ventre muscular, mas raramente além do ligamento anular ou cabeça do radio.

Movimentos passivos tais como flexão completa de punho com desvio ulnar, pronação de antebraço e extensão de cotovelo leva a um aumento da dor. Caracteristicamente vemos uma perda nos últimos graus de extensão passiva. Movimentos acessórios, especialmente adução com extensão completa de cotovelo pode estar limitada. A dor é exacerbada na extensão de punho ou desvio radial em pronação com resistência e pior se o cotovelo estiver em extensão em vez de flexão. A força da mão limitada pela dor é certamente um índice de profunda irritação entre os pacientes com epicondilite lateral ou cotovelo de tenista.

Os extensores de punho podem ser diferenciados pela localização da dor e movimentos resistidos. Dor local e hipersensibilidade na face anterior do epicôndilo lateral e extensão de punho resistida dolorida com pressão sobre o terceiro dedo indica que há envolvimento do extensor radial do carpo. Se a porção longa músculo tendinosa estiver afetada, a dor estará localizada acima do côndilo na crista lateral do úmero e extensão isométrica do punho com desvio radial é dolorosa. Embora rara, a dor produzida com desvio ulnar indicará envolvimento do extensor ulnar do carpo. O braquiorradial se apresentará com dor lateral ao longo do cotovelo ao antebraço que pode se irradiar ao polegar, e a flexão resistida do cotovelo com o antebraço em semi rotação será dolorosa. Se o supinador estiver envolvido a dor vai ocorrer acima da área muscular (parte lateral do cotovelo) com supinação resistida com o cotovelo em extensão.

Seu diagnóstico pode ser feito através de testes específicos, como os que serão descritos abaixo.

O sinal de Tinel é um dos testes que se propõe a avaliar a sensibilidade de um neuroma no interior do nervo. Caso haja um neuroma no nervo ulnar, ao se percutir a projeção do nervo, que se localiza em um sulco entre o olécrano e o epicôndilo medial, enviaremos uma sensação de formigamento pelo antebraço abaixo até a distribuição ulnar na mão.

Teste do cotovelo de tenista, fixe o antebraço do paciente com uma das mãos e peça-lhe para cerrar e estender o punho. Quando ele estiver nesta posição, aplique com sua mão livre uma pressão sobre o dorso do punho do paciente tentando forçar seu punho para a posição de flexão. Se o paciente tiver epicondilite lateral, sentirá dor súbita a nível da origem comum dos extensores do punho, no epicôndilo lateral.

Teste de Mills, este teste é realizado flexionando-se totalmente o cotovelo, colocando-se em pronação total e flexionando o punho e os dedos. A seguir, o cotovelo deve ser estendido, alongando totalmente os extensores. O teste é positivo para epicondilite lateral quando surge dor na região do epicôndilo lateral. Se houver enfraquecimento muscular, fraqueza persistente ou parestesia, podem ser necessários radiografias do pescoço e estudos eletromiográficos para afastar a possibilidade de radiculopatia cervical.

Radiografias são normais na grande maioria dos casos, ocasionalmente um pequeno fragmento ósseo anterior ao epicôndilo sugere uma avulsão, ou a superfície do epicôndilo poderá estar espessada indicando uma periostite.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CIPRIANO, Joseph J.: Manual Fotográfico de Testes Ortopédicos e Neurológicos. 3ed, Manole LTDA. São Paulo, 2000.
DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A.: Anatomia Básica dos Sistemas Orgânicos. 1ed, Atheneu. São Paulo, 1998.
DOWNIE, Patricia A.: Cash – Fisioterapia em Ortopedia e Reumatologia. 1ed, Panamericana LTDA. São Paulo, 1984.
GARDNER, Ernest; GRAY, Donald J.; RAHILLY, Ronan: Anatomia. 4ed. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 1988.
GOULD III, James A: Fisioterapia na Ortopedia e na Medicina do Esporte. 2ed. Manole Ltda. São Paulo, 1993.
GROSS, Jeffrey; FETTO, Joseph; ROSEN, Elaine: Exame Musculoesquelético. 1ed. Artmed. Porto Alegre, 2000.
HOPPENFELD, Stanley: Propedêutica Ortopédica. 1ed, Atheneu. Rio de Janeiro, 1987.
MARQUES, Amélia P.: Manual de Goniometria. 1ed, Manole LTDA. São Paulo, 1997.
PITZEN, Peter; RÖSSLER, Helmut: Manual de Ortopedia. 13ed. Atheneu. São Paulo, 1981.
TUREK, Samuel L.: Ortopedia: Princípios e Sua Aplicação VL 2. 1ed, Manole LTDA. São Paulo, 1996.

Leia também! Assuntos relevantes