Dissertação


 Compartilhar no facebook
 Compartilhar no twitter


Dissertação

Por Celso L. Pagnan

O texto dissertativo
Celso L. Pagnan

Quando queremos defender uma idéia e convencer nosso leitor acerca de nosso ponto de vista, devemos elaborar um tipo de texto que consiga apresentar com clareza nossas hipóteses, justificá-las com base em argumentos, refutar contra-argumentos, exemplificar e encaminhar para conclusões. Enfim, com base em reflexão e raciocínio, orientamos nosso leitor na direção que consideramos a mais acertada. Esse tipo de texto é chamado dissertativo, e corresponde ao que nós conhecemos como um texto científico, um editorial de jornal.

Esse tipo de texto envolve reflexão e raciocínio, e que se apóia no genérico, no abstrato para levar ao leitor o conhecimento pretendido. Como sempre há uma intenção argumentativa, o objetivo de uma dissertação é influenciar, persuadir, convencer o interlocutor, fazendo-o crer em algo, aderir a uma opinião. Na dissertação, o enunciador de texto manifesta explicitamente sua opinião ou seu julgamento.


Estrutura do texto dissertativo
O texto dissertativo organiza-se em três etapas, cada uma das quais com funções bem específicas que, em conjunto, oferecem ao leitor uma visão de totalidade. Vejamos cada uma dessas três partes:

Introdução: é a parte em que se apresenta a idéia principal, a tese, a qual deverá ser desenvolvida progressivamente no decorrer do texto. A idéia principal é o ponto de partida do raciocínio. A elaboração dessa etapa inicial exige boa capacidade de síntese, pois a clareza alcançada na exposição da idéia constitui uma das formas de obtermos a adesão do leitor ao texto; não que o leitor de imediato concorde com nosso primeiro argumento – a tese – mas se oferecermos a ele um contato direto com a matéria que encaminhará nossa argumentação, o texto ganhará maior objetividade e rigor.

Desenvolvimento: a articulação de novos argumentos ocorre nesta etapa de elaboração do texto. No desenvolvimento, as informações sobre a matéria anunciada na introdução são analisadas, debatidas em confronto com informações integrantes, ou não, do universo a que pertence o tema. É evidente que a variedade de conexões entre os argumentos depende da riqueza do repertório de quem escreve e da possibilidade de constituir-se com eles uma rede de sentidos; a quantidade de informações por si só não assegura a qualidade da argumentação, já que esta, como uma operação lógica, decorre do domínio sobre o material lingüístico (estruturação da frase, pontuação, uso de conectivos etc.) e da adequação dos argumentos ao contexto, antecedida do exame da veracidade de cada um deles.

Conclusão: esta parte, que é também chamada de desfecho, sintetiza o que há de mais relevante no conteúdo desenvolvido; o objetivo dessa retomada de conteúdos é registrar as considerações finais do autor sobre o tema.



Exemplo de dissertação publicada em jornal:
Comerciais exibidos na televisão recorrem a estereótipos para criar a sensação de desejo no inconsciente do telespectador. A linguagem da propaganda, em qualquer meio de comunicação, é sempre a da sedução, a do convencimento. (introdução)

Na TV, seu discurso ganha um reforço considerável: a força das imagens em movimento. Assim, fica muito difícil resistir aos seus apelos: o sanduíche cujos ingredientes quase saltam da tela com sua promessa de sabor, o último lançamento automobilístico – que nenhum motorista inteligente pode deixar de comprar – deslizando em uma rodovia perfeita como um tapete, a roupa de grife moldando o corpo esguio de jovens modelos.
A publicidade funciona assim nas revistas, nos jornais, no rádio e nos outdoors, mas suas armas parecem mais poderosas na televisão. Se é verdade, como dizem os críticos, que a propaganda tenta criar necessidades que não temos, os comerciais de TV são os que mais perto chegam de nos fazer levantar imediatamente do sofá para realizar algum desejo de consumo – e às vezes conseguem, quando o objeto em questão pode ser encontrado na cozinha.

Aprender a “ler” as peças publicitárias veiculadas pela TV tem a mesma importância, na formação de um telespectador crítico, que saber analisar os noticiários e as telenovelas. A parte mais óbvia desse trabalho de conscientização refere-se, claro, à identificação das estratégias usadas para criar o apelo ao consumo.

Entre as armas da publicidade para seduzir o telespectador destacam-se a nudez, a inocência infantil e a plasticidade quase irreal das imagens. Independente do apelo ao consumo, os comerciais exibidos pela televisão também se prestam a análises mais amplas de conteúdo.
(desenvolvimento)


Ao difundir modelos de comportamento, os comerciais exercem tanta influência sobre os telespectadores quanto os personagens de novelas. E, ao reforçar estereótipos associados a raças e classes sociais, por exemplo, contribuem decisivamente para que imagens distorcidas da sociedade continuem a ser propagadas.
(Conclusão)


“Publicidade: a força das imagens a serviço do consumo.” Jornal Folha de S. Paulo.


Autor: Celso L. Pagnan
Fonte: http://www.redacional.com.br/dissertacao.htm





Saiba mais

Buscas relacionadas a Dissertação em Português.


[ Pesquisa escolar lida 30805 Vezes - Categoria: Português ]


Leia também! Assuntos relevantes.

Funções do COMO
1- VERBO: Ex: Eu como pouco. 2- ADVÉRBIO INTERROGATIVO DE MODO: Ex: Como vai? 3- ADVÉRBIO INTERROGATIVO e EXCLAMATIVO DE INTENSIDADE: Ex: C...
Lido: 7775 Vezes

Floriano Peixoto
Floriano Vieira Peixoto foi um importante político brasileiro. Ele nasceu no dia 30 de abril de 1839, em Ipioca, distrito da cidade de Maceió, no Alag...
Lido: 2118 Vezes

Joseph Proust (1754-1826)
Joseph Louis Proust nasceu no dia 26 de setembro de 1754, em Angers, França. Começou a aprender química com seu pai, que era farmacêutico. Foi farm...
Lido: 11840 Vezes

Animais com respiração cutânea
Alguns animais apresentam respiração cutânea, ou seja, respiram pela pele. Esses organismos vivem em meios aquáticos ou em meios terrestres com umidad...
Lido: 3911 Vezes

Elo Perdido (O Homem e o Macaco)
O Homem e o Macaco Será que nós evoluímos mesmo dos macacos? Será que nós temos mesmo um ancestral em comum? Observando as exposições dos museus de H...
Lido: 8855 Vezes

Bons nomes para grupos
Em várias ocasiões precisamos usar a criatividade para criar nomes de grupos de apresentação em projetos escolares, competições de empreendedorismo, p...
Lido: 1507 Vezes

Costa e Silva
Arthur da Costa e Silva foi um militar brasileiro. Ele nasceu no dia 3 de outubro de 1902, em Taquari, no Rio Grande do Sul. Costa e Silva estudou ...
Lido: 1247 Vezes

Aluísio de Azevedo
Aluísio de Azevedo nasceu no Maranhão, em 1857 e morreu em Buenos Aires, no ano de 1913. Obra heterogênea. Ao lado de O Mulato, O Cortiço, Casa de Pen...
Lido: 23784 Vezes

Charles Augustin de Coulomb (1736 - 1806)
Século XVII. Homens como Galileu, Pascal, Descartes, Huygens e, sobretudo, Newton encarregam-se da difícil tarefa de enterrar os dogmas da doutrina es...
Lido: 12363 Vezes

AIDS
A AIDS é uma doença causada por um vírus do grupo retrovírus (vírus com RNA e que se utiliza do seu ácido nucléico como modelo para a síntese de DNA) ...
Lido: 99588 Vezes

Sugestão de Busca Escolar

Sites

Encceja
Enem
SISU
Prouni
FIES
Relacionamento

Fale Conosco
Feed / RSS

Comunidade no Google +
Comunidade no Twitter


Novidades no seu e-mail

Estudantes Online
Sobre o Grupo Escolar

GrupoEscolar.com - Todos direitos reservados

Todo o conteúdo do site é retirado da internet e/ou enviado pelos estudantes.

Caso algum conteúdo infrinja direitos autorais entre em contato que adicionaremos crédito ou retiraremos o mesmo.

As opiniões expressas nos textos são de responsabilidade dos seus autores.

Somos apenas um veículo de comunicação e não compactuamos com nenhuma opinião sobre nenhum tema.