Concentração de renda - A diminuição da desigualdade social no Brasil

Concentração de renda - A diminuição da desigualdade social no Brasil

Por

Na lista dos países emergentes, apenas o Brasil registrou crescimento econômico acompanhado de redução das desigualdades sociais nos últimos anos. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, “em uma década, a renda real per capita dos mais ricos no Brasil cresceu 10%, enquanto a dos mais pobres aumentou 68%”.

Essa diminuição da desigualdade social no Brasil é fruto do crescimento econômico do país, do aumento da educação e do trabalho formal e da redução da natalidade, entre outros fatores.

Uma mudança mais evidente nesse cenário de distribuição de renda começou no governo Lula, do PT. Nesse período, os jornais mostravam que 5,8 milhões de brasileiros deixaram de estar abaixo da linha da pobreza e a renda média dos salários mais baixos do país cresceu 8,5%, enquanto a renda média dos salários mais altos cresceu 6,9%.

Os programas assistencialistas dos últimos anos de governo promoveram sim uma mudança significativa no padrão socioeconômico do brasileiro, mas ainda não serviu para diminuir o abismo que existe entre as classes A e B e as demais classes sociais.

Ainda temos no Brasil o que se chama de elite burguesa, que fatura milhões ou bilhões de reais anualmente, vive em condomínios de luxo, etc... E também existem aqueles que vivem na miséria e enfrentam diariamente a repressão do tráfico, a falta de uma renda e uma moradia digna.

Hoje no Brasil 10% da população de ricos se apropriam de 75% da riqueza nacional. Como podemos notar, o país ainda tem um longo caminho a percorrer na busca da promoção da igualdade social e do desenvolvimento econômico que beneficie toda a população brasileira.

Juliana Miranda do GrupoEscolar.com

Leia também! Assuntos relevantes